Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Quem são e o que querem os líderes das novas manifestações contra a Copa?

Após os protestos de junho de 2013, o povo voltou às ruas de 14 cidades do País no último sábado, 25, para fazer passeatas contra a Copa do Mundo. A segunda leva de manifestações não atraiu tantas pessoas quanto as marchas do ano passado, mas tem um foco bem específico, promete ter fôlego até julho e mostra uma participação mais efetiva dos Black Blocs.

O lema escolhido pelo movimento, "Não vai ter Copa", pode soar como uma demanda irreal. Quem participa dos protestos, porém, acredita que pode ao menos tentar atingir o objetivo. Se não for possível impedir a realização de um jogo, é provável que se crie tumulto suficiente para preocupar as autoridades e chamar a atenção da imprensa internacional.

Os Black Blocs assumiram, na manifestação de sábado, em São Paulo, parte do espaço que era ocupado pelo MPL (Movimento Passe Livre), principal motor das manifestações de junho. Pessoas que se identificam como sendo parte do grupo revelaram ao UOL Esporte que atuaram na divulgação do evento por meio do Facebook desde o fim de dezembro e ajudaram a colar cartazes e fazer pichações pela cidade com o objetivo de chamar as pessoas.

Já na passeata, jovens que cobriam o rosto com máscaras ou camisetas pretas formavam a linha de frente do protesto, indicando o roteiro que deveria ser seguido. Os Black Blocs costumam ficar à frente das manifestações e afirmam que só atacam se forem agredidos pelos policiais. No meio do caminho, lixeiras foram quebradas e vidros de agências bancárias, apedrejados. Um Fusca que tentou passar por um colchão pegando fogo no meio da rua foi incendiado.

"A gente não ataca a pessoa, o trabalhador, o manifestante. Se é para quebrar alguma coisa, é a propriedade do Estado que não nos representa, ou só representa uma parcela pequena da população e oprime a maior parte. A gente quebra um banco, que não nos representa também", disse um ativista do grupo, de 20 anos, que pediu para não ser identificado.

"Mas o BB [abreviação de Black Bloc] não é uma organização. É um movimento aberto. Tem gente que acredita em todo tipo de coisa", concluiu. Ao ser questionado sobre como definia sua atuação, outro jovem citou o lema do seu grupo, a Facção Central: "Não aceno bandeira, não colo adesivo, não tenho partido, odeio político. A única campanha que eu faço é pelo ensino e pro meu povo se manter vivo."

Em geral, os manifestantes evitam dar entrevistas, pois não acreditam nos grupos que controlam a "grande mídia" e temem que suas declarações sejam distorcidas. Quando falam, mantém o anonimato e evitam dar declarações pessoais, que possam ajudar a identificá-los. Até seus perfis nas redes sociais são anônimos, mostrando fotos de mascarados, como a imagem de Guy Fawkes, utilizada pelo personagem de "V, de Vingança", e nomes que fazem alusão a revolucionários ou a seus apelidos.

"Defino o Black Bloc como uma forma de protesto", afirma a pesquisadora Esther Solano, professora de relações internacionais da Unifesp (Universidade Federal do Estado de São Paulo), que tem se dedicado a estudar o assunto. "O denominador comum é o uso da violência como forma de expressão. Eles notaram que o governo não os escuta. E que a única forma de se fazer ouvir é partindo para uma ação mais dura."

O grupo é formado, em sua maioria, por estudantes do Ensino Médio ou de faculdades públicas. Integrantes dos Black Blocs ouvidos pela reportagem se definem como anarquistas e se dizem contra qualquer tipo de controle do Estado.

Embora defendam a violência para chamar a atenção do poder público e aprovem a depredação de agências bancárias e outros prédios privados, os Black Blocs não admitem violência contra pessoas. Por isso, segundo o grupo, só atacam se forem agredidos antes.

Em alguns fóruns frequentados por Black Blocs são discutidas táticas para atrapalhar a realização da Copa do Mundo. A ideia do grupo é continuar convocando atos como o de sábado, mas diminuir o intervalo entre um protesto e outro conforme a Copa se aproxima.

Uma enquete, por exemplo, questiona se devem ser realizadas ocupações nos principais aeroportos do País para dificultar o embarque e desembarque de turistas e delegações. Há sugestões para bloquear as vias que dão acesso aos estádios e até ataques a ônibus de times que estiverem na cidade.

"Vai ter atentado a delegações, ônibus incendiados, ocupações", disse um jovem de 18 anos, que não quis se identificar, ao UOL Esporte. Ao ser questionado sobre quais suas principais reivindicações, o manifestante foi econômico: "Não vai ter Copa!"
Classe média é mais presente

Isso não significa, entretanto, que todas as pessoas que foram para as ruas são Black Blocs ou defendem abordagens violentas. Um grupo que se intitula Unidade Negra, por exemplo, montou uma página no Facebook na qual oferece apoio ao próximo protesto, marcado para 22 de fevereiro, em São Paulo, mas recomendou aos Black Blocs que evitem começar confrontos.

Movimentos sociais também apoiam o protesto. "Vi muitas caras novas nesse protesto, pessoas que não estavam na rua em junho do ano passado. Mas os grupos sociais e políticos mais estruturados e tradicionais ainda estão longe do movimento", diz Esther. "Em geral, não são pessoas das periferias mais distantes, mas são uma classe média que tem contato com os problemas do Brasil: as escolas públicas, filas em hospitais."

A cobrança por educação e saúde "padrão Fifa" já haviam surgido em meio às manifestações de junho, em meio a pedidos para reduzir tarifas de transporte. Agora, ao menos por enquanto, o foco é o investimento público na organização da Copa.

"As pessoas querem serviços públicos de qualidade, e nisso vejo muitas semelhanças com os protestos de junho de 2013. São pessoas reivindicando gastos públicos mais responsáveis", afirma o pesquisador Wagner Iglecias, doutor em Sociologia e professor do Curso de Graduação em Gestão de Políticas Públicas e do Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da USP.

Segundo Iglecias é natural que as reivindicações tenham voltado às vésperas do Mundial. "As pessoas se sentem enganadas com a promessa do legado. Tirando algumas coisas em aeroportos, quase nada ficou pronto. Enquanto as cidades estão entrando em colapso, o governo investe alto em estádios", opina Iglecias.


MANIFESTANTES FORAM ÁS RUAS EM 14 CIDADES

A falta de resposta do poder público às demandas populares e a repressão da Polícia Militar a manifestantes devem servir como combustível para os próximos protestos, na opinião do pesquisador Rafael Alcadipani, PHD em Ciência da Administração e professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da FGV.

"O governo não está encontrando uma saída política para esse problema, apenas uma saída policial, que se mostrou ineficiente. E essa inércia só aumenta a quentura", diz Alcadipani. "Todos estavam esperando os protestos de sábado, pois sabemos que seria um termômetro de como será o ano. E, pelo jeito, será muito quente." Iglecias acredita que a forma como os candidatos vão se posicionar com relação aos protestos também é um ponto importante. "Em um ano eleitoral, é impossível que os atores do jogo político não se posicionem em relação ao que está acontecendo nas ruas. Por mais que alguns grupos rejeitem partidos políticos, algumas pessoas podem se beneficiar."
 
Fonte: Uol, 31/01/14

Joaquim Barbosa diz que prisões brasileiras são ‘um inferno’

Presidente do STF falou em Londres, sobre crise no sistema penitenciário brasileiro

Joaquim Barbosa, Presidente do Supremo Tribunal Federal

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, qualificou na quarta-feira (29) as prisões brasileiras como um “inferno”. Em Londres, o ministro falou sobre a crise do sistema penitenciário, além do seu possível futuro político. “Nunca fiz militância política”, disse ele, ao refutar a possibilidade concorrer à Presidência da República.

“Ano passado fiz visita a presídios como presidente do CNJ. O que posso dizer é que ‘horror’ é a palavra mais adequada para qualificar as prisões brasileiras. Por que a situação é tão absurda? A questão é política.”
 
O ministro visitou, em abril do ano passado, o Foro das Comarcas de Natal, no Rio Grande do Norte. Na ocasião, ele chamou de ‘desesperadora’ a situação dos presos.
 
O presidente do STF também ressaltou que os casos de descaso não ocorrem apenas no Maranhão: “Prisões são de responsabilidade dos estados. O governo federal tem um papel pequeno. Os políticos não ligam para isso porque não dá voto. (O problema) é em todo o Brasil, não apenas no Maranhão. As prisões brasileiras são como o inferno. Estamos avisando os governos sobre a natureza explosiva das prisões”, disse ele, após dar uma palestra de quatro horas para 250 estudantes da universidade “King’s College London”.
 
Barbosa, no ano passado, havia aventado a hipótese de concorrer à Presidência em uma palestra dada em um congresso internacional de jornalismo investigativo, no Rio de Janeiro. Nesta quarta-feira, o discurso mudou: “Nunca fui político, nem filiado a partido político, nem mesmo quando estava na faculdade. Não fiz militância política. Não, não quero (concorrer à Presidência).”
 
Sobre os planos para o futuro, Joaquim Barbosa disse estar ansioso para ser “um homem livre de novo”. “E voltar a ter vida privada e menos exposição.” Barbosa também afirmou não se importar com quem não aprecia o trabalho que faz. “Não ligo para quem não gosta do meu trabalho, seja ele, ela, liberal ou conservador. Eu faço o que eu acho que é certo. Sou muito cuidadoso. Tenho décadas de experiência na academia, nos tribunais. Esse é o meu guia para fazer o que tem que ser feito. Se liberais ou conservadores gostam, ok. Se não gostam, não me importa.”

Barbosa evitou temas espinhosos e aproveitou, na capital britânica, para cumprir uma programação cultural. Ele visitou o acervo da Biblioteca Britânica, que possui obras importantes sobre a História do Brasil.

Fonte: Orm News

Morre Irmão Piauí o "Moreno Show"

Morreu na manhã desta sexta-feira (31) o Irmão Piauí também conhecido como Moreno Show
 
Piauí era membro da Igreja Assembleia de Deus e tinha uma programa na Rádio Clube de Itaituba sendo que nesta manhã sofreu um AVC dando ainda entrada no Hospital Municipal, onde veio a falecer, seu corpo deve ser velado na Congregação Nova Betel da igreja Assembleia de Deus na 31ª rua do Bairro de Bom Remédio.
 
Esta foi a ultima imagem do Irmão que foi registrada por Tonico da Agência Toni Sky
 
Fonte: Blog do Gilson Vasconcelos, 31/01/14

Governo cumpre acordo e paga retroativo e reajuste do piso dos professores

 

No Pará, os servidores públicos estaduais do magistério, ativos e inativos, receberão até 14 de fevereiro, em folha suplementar, a primeira parcela do piso nacional da categoria, retroativo a 2011. Com esse pagamento, que o Estado possibilitou apesar de uma leve queda na arrecadação, considerando os três quadrimestres de 2013, o governo honra o compromisso firmado na Justiça com o Sindicato dos Profissionais em Educação Pública do Pará (Sintepp).

Essa não foi, porém, a única boa notícia anunciada na reunião de trabalho entre representantes do governo e do Sintepp, ocorrida nesta quinta-feira (30), na Secretaria de Estado de Administração (Sead).

A secretária de Estado de Administração, Alice Viana, assegurou que todos os profissionais da educação receberão a remuneração de fevereiro integralmente, retroativa a janeiro, reajustada em 8,32%, índice de correção fixado pelo governo federal para o piso nacional. Um professor de nível superior, com jornada de 200 horas/aula, em início de carreira, receberá remuneração de R$ 4.319,00 e, em fase final, de R$ 6.812,77. A média de remuneração da categoria é de R$ 5.400,00.

Com esses avanços, a folha de pagamentos da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), a partir de agora, vai ultrapassar os R$ 2 bilhões. Como o repasse do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) caiu para R$ 1,6 bilhão, o Estado ainda terá de arcar com a complementação de mais de R$ 431 milhões.


Receita – Alice Viana abriu a reunião expondo os pontos balizadores do acordo firmado em novembro de 2013, para encerrar uma greve de 53 dias, cujas consequências são sentidas até hoje pelos estudantes, como o atraso no ano letivo de 2013.

Os professores concordaram em receber o reatroativo parceladamente, condicionado o valor das parcelas à “evolução quadrimestral do crescimento real da receita corrente líquida do Estado”. Segundo o acordo entre o governo e o sindicato da categoria, ao final de cada quadrimestre, aferido esse crescimento, inclusive pelo próprio Sintepp, seria definido o percentual de recursos destinado ao pagamento das parcelas.

O governo do Estado cumpriu plenamente o que foi acordado. Nilo Noronha e Edna Farad, diretores da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), apresentaram os resultados financeiros do Estado no último quadrimestre de 2013. Segundo a Fazenda estadual, excluindo-se as atipicidades decorrentes do crescimento sazonal de receita, houve um incremento que permite o aporte de R$ 5,1 milhões para financiar o pagamento da primeira parcela do retroativo.

“Nós já sabíamos que existia esse crescimento, mas não de quanto era. O Estado cumpriu com a palavra e levou os números à mesa e, sem dúvida, isso representa um avanço nas relações com os trabalhadores”, afirmou Roberto Sena, supervisor técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), que presta assessoria ao Sintepp.

A folha suplementar, com os valores individuais a serem pagos aos 41.415 servidores ativos e inativos da educação pública estadual, começou a ser gerada neste dia 30 de janeiro, obedecendo rigorosamente ao texto do acordo, que previa o processamento desse pagamento até o final deste mês. “Como é preciso calcular o índice a que cada servidor faz jus, pois se trata de um pagamento proporcional, no máximo até o dia 14 de fevereiro a primeira parcela do retroativo do magistério estará creditada nas contas de cada um”, garantiu a secretária de Administração.

“O governo demonstrou que vai honrar o acordo firmado com os professores. Isso quer dizer que será garantida a nossa conquista”, avaliou Alberto Andrade, secretário geral do Sintepp, satisfeito com os resultados da reunião, que serão repassados à categoria em assembleia geral no próximo dia 06 (quinta-feira).

Todos os cerca de 24 mil ativos, 15.600 inativos e mais de 1.600 pensionistas da área de educação receberão o pagamento dessas parcelas, reiterou Alice Viana. “Estamos honrando aqui, como temos feito sempre, todos os compromissos assumidos com os profissionais do magistério. Implantamos o PCCR (Plano de Cargos, Carreira e Remuneração) e o piso nacional, estamos pagando o retroativo, pagando o reajuste do piso e enviamos ao Legislativo os três projetos de interesse da categoria, que também foram alvo do acordo”, acrescentou.

Com todos os ganhos garantidos pelo governo do Estado, os salários do magistério paraense permanecem como a quinta maior remuneração do país. “O aumento real concedido aos professores nestes três anos do Governo Jatene é da ordem de 30%”, ressaltou a titular da Sead.

Também participaram da reunião representantes do Conselho do Fundeb, da Assembleia Legislativa e dos servidores aposentados da área de educação.

Fonte: Agência Pará Postado por Marcos Santos às 09:12:00

É melhor tentar que se omitir!




Novo ministro da Educação responde a processo na Justiça Federal

O novo ministro da Educação, José Henrique Paim, é réu numa Ação Civil Pública que corre na Justiça Federal em São Paulo desde 2006.

Ele responde por irregularidades identificadas pelo Ministério Público num convênio de R$ 491 mil firmado entre o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), que foi presidido por Paim, com a ONG Central Nacional Democrática, para alfabetizar jovens e adultos.

Em 2005, a ONG não havia prestado contas dos recursos recebidos num convênio firmado no ano anterior. Por isso, o Ministério Público determinou que não fossem repassados novos recursos à entidade.

Apesar da recomendação, a ONG conseguiu fechar o novo convênio e o Ministério Público apresentou a ação contra Paim e contra os dirigentes da Central Nacional Democrática.

De acordo com a assessoria do Ministério da Educação, uma falha administrativa fez com que a recomendação do Ministério Público não chegasse a Paim, por isso os recursos teriam sido liberados.

Em nota, a assessoria diz que uma apuração interna foi feita no FNDE e inocentou Paim de responsabilidade.

A nota ainda diz que o TCU (Tribunal de Contas da União), ao analisar a situação, também inocentou Paim. Por fim, alega que o processo só corre na Justiça até hoje porque os ex-dirigentes da ONG desapareceram, o que impede a conclusão do caso.
Fonte: Folha de S Paulo, 31/01/14

Márcio Pinto diz que: “Jatene e Helenilson não têm palavra”

e faz duras críticas a ambos, pelo descaso com professores


Marcio Pinto,Simão Jatene e Helenilson Pontes
O coordenador do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp) em Santarém, professor Márcio Pinto, demonstrou insatisfação em relação a assinatura do Governador em exercício, Helenilson Pontes (PPS), determinando a suspensão da concessão e do pagamento da gratificação de tempo integral e do serviço extraordinário dos servidores.

Para ele, a realidade da educação no Pará só vai mudar quando os ‘incluídos’ entenderem que as conseqüências da precariedade da educação devem recair sobre todos, indistintamente. “Jatene e Helenilson, a mentira não faz crescer o nariz, mas destrói a confiança. Como lidar com um governo que não tem palavra? No Pará, o governo do Estado descumpre acordo assinado com educadores”, afirma o professor.

Ele observa que a falta de acesso a um ensino de boa qualidade tem um peso grande na desprezível distribuição de renda, considerada a principal causa dos problemas do país. O professor Márcio Pinto, em entrevista exclusiva à nossa reportagem, ressaltou que existe um acordo judicial que estipula que o governo pague o retroativo do piso de 2011 e a correção de 8,32% indicado pelo MEC para a data base da educação. “Mas até agora a Sead não cumpriu com as datas que ela mesma estipulou e não pagou o retroativo”, expõem. Veja a entrevista exclusiva:

Jornal O Impacto: Professor, o Governo do Pará fez alguns acordos para o encerramento da greve em novembro do ano passado, mas até o momento ainda não cumpriu o que prometeu aos profissionais da educação?

Márcio Pinto: Jatene e Helenilson destruíram a confiança com os servidores. Como lidar com um governo que não tem palavra? No Pará, o governo do Estado descumpre acordo assinado com educadores. Em relação à educação, finalizamos o ano passado com uma perspectiva do não cumprimento do acordo, que colocou fim à greve dos trabalhadores em educação em novembro de 2013. Naquele momento, no Tribunal de Justiça do Pará, o Governo e representantes do Sindicato firmaram um acordo. Tinham vários pontos nesse acordo, sendo dois de cunho financeiro, com investimentos na questão do retroativo do piso salarial nacional dos educadores, que teve vigência em 2011. Mesmo tendo vigência em 2011, o Governo do Estado só complementou aqui no Pará, em 2012. O Governo ficou devendo praticamente 8 meses do ano de 2011, onde não houve equiparação. Nessa rodada de negociação, o Governo se comprometeu a iniciar o pagamento desse retroativo, a partir de janeiro de 2014, o que não aconteceu. Quem recebeu o contracheque verificou que não veio o complemento. Também no site oficial dos servidores, a gente observa que desde o dia 23 deste mês, não houve o pagamento do retroativo, conforme o que havia sido acordada com o Governo.

Jornal O impacto: Existem outros pontos que foram acordados pelo Governo do Pará e que não foram executados?

Márcio Pinto: Outro ponto que foi estipulado em relação ao acordo diz respeito à questões políticas. Houve o encaminhamento de pelo menos três projetos de leis para serem enviados à Assembléia Legislativa do Pará, sendo que um deles é em relação à regulamentação da hora/atividade, que também está previsto dentro da lei do piso salarial nacional e, que até o momento não foi implementado em sua totalidade pelo Governo do Estado. Ele havia se comprometido a encaminhar um Projeto de Lei implementando a questão da hora/atividade, o que não foi encaminhado. O Governo também tinha se comprometido em encaminhar para a Alepa, o Projeto de Lei de regulamentação do Sistema Modular de Ensino, que até hoje funciona como uma espécie de projeto. Isso é complicado, porque até o momento o Modular sem essa segurança legal pode acabar dependendo da vontade do Governador, porque não tem uma legislação que possa dar essa segurança.

Jornal o Impacto: O governador Simão Jatene ainda deixou a desejar em outros pontos relacionados à educação?

Márcio Pinto: Existe também outro ponto que foi discutido sobre a Lei de Gestão Democrática, com eleição direta para diretores de escola. O Governo também tinha se comprometido a encaminhar para a Alepa esse Projeto de Lei, o que não aconteceu. Como esses prazos desses encaminhamentos, principalmente da pauta política que seria a implementação, o que é uma competência do Executivo, não aconteceu, findou o ano e o Governador não cumpriu o que havia prometido. Já vínhamos suspeitando também que no aspecto financeiro não haveria o cumprimento do acordo. Em decorrência disso foi realizada uma Assembléia aqui em Santarém para socializar essas informações para a categoria. Houve também uma reunião entre a diretoria do Sintepp em Santarém e uma representante da Secretaria de Educação do Pará, para buscar justificativas oficiais, ou seja, o que o Governo tem oficialmente a dizer para os servidores da educação. Do ponto de vista oficial ainda não existe nada, então, queremos uma reunião com o Governo do Estado exatamente para justificar essa questão.

Jornal O Impacto: Além dos problemas com os servidores, o Governo do Pará também não está desempenhando um bom trabalho em outros aspectos da educação pública?

Márcio Pinto: Na verdade, a gente fica descontente porque o Governo do Estado deveria dar exemplos, ou seja, ele faz um acordo e não cumpre. Acredito que esse tipo de postura quebra qualquer possibilidade de confiança, ou seja, já existe desconfiança. O Estado entra em conversa com os servidores, propõe uma negociação, assume um compromisso e nesse momento isso não acontece. Isso acaba gerando uma situação de desconfiança a eventuais acordos com o Governo do Estado. No ano passado, fizemos uma greve muito difícil e, que ela não estava pautada exclusivamente a questão financeira, porque com a lei do piso salarial, a questão dos profissionais da educação nacionalizou. Agora, a gente espera que o Governo Federal baixe um decreto dizendo qual vai ser o valor do piso, porque os governos estaduais e municipais deverão se adequar para pagar esse valor. Hoje, a gente não discute tanto a questão financeira com o Governo do Estado, mas, também, a reforma das escolas, que isso é notório. Quem tem filhos que estudam nas escolas públicas sabe das condições estruturais de muitas delas, que é uma demanda concreta. O Governo tem que dar uma resposta, sob pena de que os professores não possa oferecer um ensino de qualidade.

Fonte: RG 15/O Impacto, 30/01/14

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

“Faltam apenas detalhes para a assinatura de um acordo entre MP e Telexfree”, revela deputado Moisés Diniz



O deputado estadual Moisés Diniz (PCdoB), vice-presidente da Aleac, usou a sua página no facebook na manhã desta terça-feira, 28, para afirmar que faltam apenas detalhes para que a assinatura de um acordo entre Ministério Público e a Ympactus (Telexfree) seja formalizado.

“Os últimos dias têm demonstrado que faltam apenas detalhes para a assinatura de um acordo entre MP e Ympactus para devolução a investidores que estão no prejuízo, um recurso que pode chegar a mais de 200 milhões”, revelou Diniz.

Diniz disse ainda que a Justiça já sinalizou que está próximo o julgamento do mérito. “Deus opera na noite e a gente vê, na luz do dia, as suas inenarráveis maravilhas”, disse o comunista.

Fonte: Ac24horas/Encontreinarede, 28/01/14

Comando e subcomando do 15º BPM de Itaituba vão mudar por interferência de Hilton

O deputado estadual Hilton Aguiar tem feito várias mexidas em cargos do estado, na região. Agora as mudanças estão sendo processadas no comando e no subcomando do 15º Batalhão de Polícia Militar, em Itaituba.

O major Osvaldo Jr. vai deixar o comando, entrando em seu lugar o tenente coronel Lacerda.

Vai sair do subcomando, o capitão Pedro, não tendo sido ainda informado quem será o seu substituto.
---------------------------------
Minha opinião: Não se trata de uma crítica ao deputado estadual Hilton Aguiar, porque não foi ele quem inventou esse sistema de politica pública de administrar, adotado no Brasil. Eu estaria cometendo uma injustiça contra ele, que é apenas mais um político a fazer esse jogo. Considero isso errado e contraproducente, da parte dele e dos outros políticos.

Já passou da hora de nós, cidadãos, refletirmos sobre isso, conquanto, eu entendo que a permanência de um servidor público, civil ou militar em determinado cargo ou função, ou sua transferência, deveria basear-se em critérios que levassem em conta o desempenho de cada um.

Nos países realmente desenvolvidos isso não acontece. Não ocorre essa dança de cadeiras por interferência de políticos, pois isso tem alguns desdobramentos, muitas vezes negativos para a qualidade do serviço prestado por esses servidores aos cidadãos, em cargos de comando, ou em quaisquer funções.

É bom a gente começar a pensar nisso.
 
Fonte: Blog do Jota Parente, 29/01/14

Meus Pensamentos

Há momentos que o som das palavras não são necessários ...
Basta um gesto...
Um olhar ...
Um carinho...
O entrelaçar dos dedos...
O receber de uma rosa...
As palavras neste terno momento, mesmo em seu puro e longo silêncio ....
São compreendidas e decifradas por aqueles que tem a sensibilidade, de ouvir , sentir e ver com o coração...
♥ 

Depilação em casa, no salão ou na clínica? Veja prós e contras de cada método


Dos métodos caseiros mais comuns, a cera é o que proporciona resultados mais duradouros

Depilação: impossível escapar desse hábito secular (dizem que até Cleópatra tinha seus truques para se livrar dos pelos indesejados). Hoje, são muitos os métodos disponíveis. No entanto, é impossível afirmar qual é o melhor – todos têm seus prós e contras, e o que vale é escolher o que melhor se adapta à sua rotina e ao seu bolso. Um ponto de partida pode ser definir se prefere se depilar em casa, com cera, lâmina o creme, ou em um consultório dermatológico, com luz intensa pulsada ou laser. Conheça melhor cada método e escolha o que mais lhe convêm.

Em casa
 
Cera depilatória
A grande vantagem deste método é que retira os pelos da raiz – ou seja, demoram mais para crescer. A cera quente é menos dolorida que a fria, pois dilata os poros e os fios saem com mais facilidade. Só que deve ser evitada por quem tem varizes. A fria – por não precisar de aquecimento - é mais fácil de ser usada em casa. Pode ser feita em qualquer parte do corpo, inclusive em áreas mais delicadas, como buço e sobrancelhas.

No dia anterior à depilação, vale fazer uma esfoliação para eliminar células mortas e facilitar o processo. No dia, evite o uso de cremes, óleos ou qualquer produto cosmético nos locais que serão depilados. Tome um banho morno antes, que também ajuda a dilatar os poros. No dia seguinte, use cremes calmantes e cicatrizantes, com ativos como aloe vera e rosa mosqueta. "Para evitar pelos encravados, evite o uso de roupas muito apertadas", indica Natasha Costa, coordenadora técnica e fisioterapeuta do The Spa, em São Paulo.

Lâmina
É o método preferido das adeptas da depilação caseira. Rápido, prático e barato, pode ser feito no banho em apenas alguns minutos. As grandes desvantagens são que o pelo volta a crescer logo (às vezes até no dia seguinte) e que a pele pode ficar ressecada. Isso porque a lâmina, junto com o pelo, retira também o manto hidrolipídico, camada de água e gordura que protege a superfície da pele. Por isso, o método só é indicado para quem costuma manter uma rotina de hidratação. "Nunca use lâmina numa pele já ressecada", aconselha a dermatologista Edislene Viscardi, de Blumenau (SC). Outra dica para evitar o ressecamento da pele e pequenos cortes, é só usar a lâmina sobre a pele lubrificada, com espumas específicas para isso ou sabonetes. A vantagem das espumas é que elas ajudam a hidratar e deixam a pele mais macia após a depilação. Pode ser feita em pernas, virilha ou axilas. Evite raspar rosto ou braço.
 
Creme depilatório
"É o melhor método para depilar pelos do rosto, como buço, por exemplo, pois não causa flacidez como a cera nem o risco de machucar, como a lâmina", diz a dermatologista Daniela Lemes, da Slim Clinique, no Rio de Janeiro (RJ). Por outro lado, pode não ser tão prático para grandes áreas, como perna, ou para quem tem pelos grossos. Sua aplicação é bem simples. Basta espalhar o produto com a espátula que vem junto e aguardar o tempo de pausa indicado na embalagem. Por fim, deve-se retirar o creme com uma toalha umedecida. O creme possui princípios ativos capazes de "dissolver" o pelo. No entanto, eles não são eliminados na raiz, o que torna o método parecido com a lâmina – eles voltam a crescer rapidamente. Só que a pele não sofre tanto desgaste quanto com a lâmina, já que os cremes trazem agregados às suas fórmulas princípios hidratantes.

No consultório ou o salão de beleza
 
Laser
De todos os métodos existentes, esse é, sem dúvida, o mais caro (uma sessão custa em média R$ 700, e são necessárias cerca de 4 a 6, com intervalos de 30 a 40 dias). No entanto, suas grandes vantagens são resultados mais eficientes se comparados à luz intensa pulsada (leia abaixo) e mais duradouros do que qualquer outro método. O laser emite um único feixe de luz, cujo comprimento de onda é específico para atingir seu alvo – a raiz do pelo. O calor gerado pela luz destrói o bulbo. As desvantagens são que o método não funciona para pelos brancos ou muito clarinhos (pois a luz é atraída pela melanina da raiz, inexistente em pelos brancos) e, dependendo do tipo de aparelho, não pode ser usado em peles bronzeadas ou negras. "Existe um aparelho chamado Soprano que atua de maneira um pouco diferente e pode sim ser usado com segurança para depilação em peles negras. Mas o processo é um pouco mais lento", explica Daniela Lemes. Além disso, o método não é definitivo. Um ou dois anos depois, em média, cerca de 10 a 20% dos pelos volta a crescer, porém mais finos. Por isso, o método requer manutenção. "Muitas vezes, uma sessão apenas, como manutenção, basta", completa a médica. Outra desvantagem é ser um processo que envolve, sim, algum nível de dor. Por fim, é imprescindível buscar um médico de confiança, para evitar o risco de queimaduras.
 
Luz Intensa Pulsada (LIP)
Assim como o laser, a tecnologia também age destruindo o bulbo piloso. No entanto, por ter vários comprimentos de onda diferentes, seu foco não é tão preciso quanto o do laser. Por isso, é especialmente indicada para pelos mais finos – embora possa ser usada também para os mais grossos e escuros. A vantagem é ser mais barato que o laser (embora necessite de mais sessões, o que pode acabar dando na mesma na conta final). "Além disso, geralmente a LIP dói menos que o laser, por ser um tratamento menos agressivo", diz a dermatologista Daniela Petri, de São Paulo (SP). A sessão custa, em média, R$ 400 – embora esse valor varie bastante de acordo com a área a ser depilada. São necessárias cerca de 8 a 10 sessões. A grande novidade nessa tecnologia são os aparelhos de uso caseiro. Eles prometem uma redução de 50 a 80% dos pelos depois do tratamento, e são aprovados pela Anvisa. Custam entre R$ 1.700 e R$ 3 mil.

Fonte: Uol, 29/01/14

Brasil não deve cumprir meta contra analfabetismo

São Paulo - O Brasil tem 13,9 milhões de analfabetos adultos, segundo levantamento feito entre 2005 e 2011 pela Unesco, no Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos, que será divulgado nesta quarta-feira, 29. O número é maior do que a população de São Paulo, 11,8 milhões, e de todo o Estado do Rio Grande do Sul, 11,1 milhões. O País está entre os dez que concentram a maior parte (72%, no total) do número de analfabetos adultos do mundo, que é de 774 milhões, junto com Índia, China, Paquistão, Bangladesh, Nigéria, Etiópia e Egito.


Brasil é o 8º país com mais adultos analfabetos, aponta Unesco

"Esse indicador mostra a parte, mas não o todo. Além de ter uma herança de analfabetos, o sistema educacional brasileiro tem produzido ainda mais analfabetos", afirma a pesquisadora em Educação da USP e doutora em Educação por Harvard, Paula Louzano. "Oito por cento das pessoas que têm ensino médio completo podem ser consideradas analfabetos funcionais, segundo o último relatório do Inaf (indicador de analfabetismo funcional)."

Para Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional Pelo Direito à Educação, o alto número de analfabetos no País influencia as gerações seguintes. "Em uma família em que um membro é analfabeto, há um contexto menos favorável à educação dos filhos", afirma. No entanto, para Priscila Cruz, do Todos pela Educação, resolver o problema do analfabetismo entre adultos não é tarefa fácil. "É preciso admitir que é uma área muito difícil de se conseguir resultados, pois não existe uma lei que obrigue o adulto a frequentar a escola."

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2012 mostram que, no segundo ano do governo Dilma Rousseff, a taxa de analfabetismo da população com 15 anos ou mais parou de cair. Em 2011, era de 8,6%. Chegou a 8,7% em 2012, mais longe de cumprir a meta firmada na ONU de 6,7% até 2015.

Segundo a Declaração de Dacar "Educação para Todos", elaborada pela Cúpula Mundial da Educação em 2000 e que compõe os objetivos do Relatório da Unesco, os países deveriam reduzir o analfabetismo em pelo menos 50% até 2015. "O Brasil também não vai atingir essa meta", afirma a coordenadora de Educação da Unesco no Brasil, Maria Rebeca Otero Gomes. Ela afirma que o País precisa observar se os recursos para a educação estão de fato sendo bem empregados. "Além da redução no analfabetismo, o Brasil precisa alcançar uma melhor qualidade de ensino e corrigir as distorções idade/série."
Mundo

O cenário da educação em todo o mundo até o ano que vem, quando expira o prazo estabelecido pela Convenção, não é positivo. Nenhuma das metas globais do documento serão atingidas até 2015, segundo o relatório. De acordo com os dados, 57 milhões de crianças estão deixando de aprender simplesmente por não estarem na escola. Além da falta de acesso, a falta de qualidade é o que mais compromete a aprendizagem. Para alcançar os objetivos estabelecidos, que vão desde a universalização do ensino primário (1.º ao 5.º ano do ensino fundamental) à redução dos níveis de analfabetismo dos adultos, o documento pede aos governos que redobrem os esforços para todos os que enfrentam desvantagens - seja por pobreza, gênero, local de residência ou outros fatores.

O Brasil, porém, é citado como exemplo quando comparado com outros países, por ter receitas fiscais mais elevadas, que ajudam a explicar como investe dez vezes mais do que a Índia, por criança, na educação primária, por exemplo. A prioridade a escolas da área rural, e com maior ênfase dada a grupos indígenas altamente marginalizados, foi citada no documento como experiência que tem resultado em melhora nos números da educação, assim como as reformas que melhoraram as taxas de matrícula e aprendizagem na Região Norte. O relatório também afirma que bônus coletivos a escolas, como os que existem no Brasil, que recompensam as instituições de ensino, podem ser uma forma eficiente de melhorar os resultados da aprendizagem. 
 
Fonte: O Estado de S. Paulo.

Se queres cair no abismo, caia sozinha!

Tem pessoa que não se contenta em cair no abismo sozinha, quer levar outras pessoas!

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Brasil tem uma das internetes mais lentas do mundo

No Brasil, a conexão de internet é mais lenta que no Iraque e Cazaquistão http://abr.ai/1bvgJyj

Porteiro da zona

Uma lição para todos!

Não havia no povoado pior emprego do que 'porteiro da zona'. Mas que outra coisa poderia fazer aquele homem?  O fato é que nunca tinha aprendido a ler nem escrever, não tinha nenhuma outra atividade ou ofício.

Um dia, entrou como gerente do puteiro um jovem cheio de ideias, criativo e empreendedor, que decidiu modernizar o estabelecimento. Fez mudanças e chamou os funcionários para as novas instruções. Ao porteiro disse:
- A partir de hoje, o senhor, além de ficar na portaria, vai preparar um relatório semanal onde registrará a quantidade de pessoas que entram e seus comentários e reclamações sobre os serviços.
- Eu adoraria fazer isso, senhor, balbuciou - Mas eu não sei ler nem escrever.
- Ah! Quanto eu sinto! Mas se é assim, já não poderá seguir trabalhando aqui.
- Mas senhor, não pode me despedir, eu trabalhei nisto a minha vida inteira, não sei fazer outra coisa.
- Olhe, eu compreendo, mas não posso fazer nada pelo senhor. Vamos dar-lhe uma boa indenização e espero que encontre algo que fazer. Eu sinto muito e que tenha sorte. Dito isso, deu meia volta e foi embora. O porteiro sentiu como se o mundo desmoronasse. 
 
Que fazer? Lembrou que no prostíbulo, quando quebrava alguma cadeira ou mesa, ele a arrumava, com cuidado e carinho. Pensou que esta poderia ser uma boa ocupação até conseguir um emprego. Mas só contava com alguns pregos enferrujados e um alicate mal conservado. Usaria o dinheiro da indenização para comprar uma caixa de ferramentas completa. Como o povoado não tinha casa de ferragens, deveria viajar dois dias em uma mula para ir ao povoado mais próximo para realizar a compra. E assim fez.
 
No seu regresso, um vizinho bateu à sua porta:
- Venho perguntar se você tem um martelo para me emprestar.
- Sim, acabo de comprá-lo, mas eu preciso dele para trabalhar, já que...
- Bom, mas eu o devolverei amanhã bem cedo.
- Se é assim, está bem.
 
Na manhã seguinte, como havia prometido, o vizinho bateu à porta e disse:
- Olha, eu ainda preciso do martelo. Porque você não o vende para mim?
- Não, eu preciso dele para trabalhar e além do mais, a casa de ferragens mais próxima está a dois dias de viagem, de mula.
- Façamos um trato - disse o vizinho. Eu pagarei os dias de ida e volta, mais o preço do martelo, já que você está sem trabalho no momento. Que lhe parece? Realmente, isto lhe daria trabalho por mais dois dias. Aceitou. Voltou a montar na sua mula e viajou.
 
No seu regresso, outro vizinho o esperava na porta de sua casa.
- Olá, vizinho. Você vendeu um martelo a nosso amigo. Eu necessito de algumas ferramentas, estou disposto a pagar-lhe seus dias de viagem, mais um pequeno lucro para que você as compre para mim, pois não disponho de tempo para viajar para fazer compras.Que lhe parece?  O ex-porteiro abriu sua caixa de ferramentas e seu vizinho escolheu um alicate, uma chave de fenda, um martelo e uma talhadeira. Pagou e foi embora. E nosso amigo guardou as palavras que escutara: 'não disponho de tempo para viajar para fazer compras'.
 
Se isto fosse certo, muita gente poderia necessitar que ele viajasse para trazer as ferramentas. Na viagem seguinte, arriscou um pouco mais de dinheiro, trazendo mais ferramentas do que as que já havia vendido.De fato, poderia economizar algum tempo em viagens. A notícia começou a se espalhar pelo povoado e muitos, querendo economizar a viagem, faziam encomendas.
 
Agora, como vendedor de ferramentas, uma vez por semana viajava e trazia o que precisavam seus clientes. Com o tempo, alugou um galpão para estocar as ferramentas e alguns meses depois, comprou uma vitrine e um balcão e transformou o galpão na primeira loja de ferragens do povoado. Todos estavam contentes e compravam dele.
 
Já não viajava, os fabricantes lhe enviavam os pedidos. Ele era um bom cliente. Com o tempo, as pessoas dos povoados vizinhos preferiam comprar na sua loja de ferragens, a ter de gastar dias em viagens.
 
Um dia ele lembrou de um amigo seu que era torneiro e ferreiro e pensou que este poderia fabricar as cabeças dos martelos. E logo, por que não, as chaves de fendas, os alicates, as talhadeiras, etc ... E após foram os pregos e os parafusos... Em poucos anos, ele se transformou, com seu trabalho, em um rico e próspero fabricante de ferramentas. 
 
Um dia decidiu doar uma escola ao povoado. Nela, além de ler e escrever, as crianças aprenderiam algum ofício. No dia da inauguração da escola, o prefeito lhe entregou as chaves da cidade, o abraçou e disse:
- É com grande orgulho e gratidão que lhe pedimos que nos conceda a honra de colocar a sua assinatura na primeira página do livro de atas desta nova escola.
- A honra seria minha, disse o homem. Seria a coisa que mais me daria prazer, assinar o livro, mas eu não sei ler nem escrever, sou analfabeto.
- O Senhor? disse incrédulo o prefeito. O senhor construiu um império industrial sem saber ler nem escrever? Estou abismado. Eu pergunto:
- O que teria sido do senhor se soubesse ler e escrever?
- Isso eu posso responder, disse o homem com toda a calma: - Se eu soubesse ler e escrever... ainda seria o PORTEIRO DA ZONA!
--------------------------------------------------------------------
Geralmente as mudanças são vistas como adversidades. As adversidades podem ser bênçãos. As crises estão cheias de oportunidades. Se alguém lhe bloquear a porta, não gaste energia com o confronto, procure as janelas. Lembre-se da sabedoria da água: 'A água nunca discute com seus obstáculos, mas os contorna'.
 
Que a sua vida seja cheia de vitórias, não importa se são grandes ou pequenas, o importante é comemorar cada uma delas. Quando você quiser saber o seu valor, procure pessoas capazes de entender seus medos e fracassos e, acima de tudo, reconhecer suas virtudes.
 
Essa história é verídica, e refere-se a um grande industrial chamado... Valentin Tramontina, é fundador das Indústrias Tramontina, que hoje tem 10 fábricas, 5.500 empregados, produz 24 milhões de unidades variadas por mês e exporta com marca própria para mais de 120 países – é a única empresa genuinamente brasileira nessa condição. A cidadezinha citada é Carlos Barbosa, e fica no interior do Rio Grande do Sul.

Você sabe (mesmo) usar protetor solar?





Quem quer manter a pele sempre saudável, longe do envelhecimento precoce e do câncer, deve incluir o filtro solar em sua rotina diária. Mas será que você o está aplicando de maneira adequada? Responda o teste a seguir - formulado com a ajuda da dermatologista Flávia Ravelli, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia que participou como revisora do Consenso Brasileiro de Fotoproteção, elaborado em 2013 - e descubra se você é um expert no assunto ou ainda tem o que aprender.

Faça o teste acessando: http://noticias.uol.com.br/saude/quiz/2014/01/16/voce-sabe-usar-protetor-solar.htm

Fonte: Uol, 28/01/14

Bomba! Juíza Thaís Khalil pede pra sair do caso TelexFREE

Confira abaixo o que foi publicado no diário oficial na data de hoje:

ADV: ALEXANDRO TEIXEIRA RODRIGUES (OAB 3406/AC), HORST VILMAR FUCHES (OAB 12529/ES), DANNY FABRÍCIO CABRAL GOMES (OAB 6337/MS), ROBERTO DUARTE JÚNIOR (OAB 2485/AC), ELIZABETH CERQUEIRA COSTA (OAB 13066/ES), VINICIUS DE FIGUEIREDO TEIXEIRA (OAB 19680/DF), WILSON FURTADO ROBERTO (OAB 12189/PB) - Processo 0005669-76.2013.8.01.0001 - Cautelar Inominada - Liminar - AUTOR: M. P. do E. do A. - RÉU: Y. C. LTDA - C. R. C. - L. M. C. W. - C. N. W. - J. M. M. - Considerando que tenho familiares que se enquadram no disposto no artigo 135, inciso II, do Código de Processo Civil, tendo em vista o grau de parentesco e por terem créditos a receber da parte YMPACTUS COMERCIAL LTDA, declaro minha suspeição para atuar no presente feito. Remetam-se os autos ao substituto legal, com urgência. Cumpra-se.



Personalidade e atitude




Mãe de Justin Bieber pede ao filho que procure ajuda

A mãe de Bieber se reuniu com o filho e com parte da equipe que assessora o adolescente para conversar sobre os últimos episódios de sua vida polêmica



A mãe do cantor Justin Bieber se encontrou com o filho nesta segunda-feira, em um hotel do Pacífico panamenho, e lhe pediu que reflita sobre os últimos escândalos que mancharam sua carreira e o levaram para a prisão, informou a imprensa local.

Há três dias hospedado em um hotel de Punta Chame, 100 km ao sudoeste da capital panamenha, Justin recebeu a mãe, Pattie Mallette, nesta segunda. Também hoje ele tinha uma audiência marcada em um tribunal em Miami, nos Estados Unidos, de acordo com o canal Telemetro.

Segundo a emissora, a mãe de Bieber se reuniu com o filho e com parte da equipe que assessora o adolescente para conversar sobre os últimos episódios de sua vida polêmica e lhe pedir que "busque ajuda para uma reabilitação".

"Sua mãe veio muito preocupada" com a última polêmica gerada por Justin e teria dito ao filho "que ele tem de mudar, se tratar e buscar a luz", de acordo com a repórter da Telemetro, que teve acesso ao artista e a seus acompanhantes.

Bieber, de 19, ficou preso por mais de oito horas em Miami, na última quinta-feira, acusado de dirigir embriagado por drogas e álcool e de participar de um "pega" de rua. Ele foi solto, após pagar fiança de US$ 2.500.

A Telemetro mostrou imagens do cantor na praia, praticando esportes aquáticos e fazendo passeios de lancha, na companhia de várias pessoas.

"É a segunda vez que Justin está aqui conosco e está praticando todo tipo de esporte (aquático)", disse William Hayes, amigo de Bieber e administrador do hotel.

Depois de alguns dias no local, o hotel teve de ser fechado ao público, devido à presença de dezenas de fãs.

Fonte: Correio Braziliense, 28/01/14

Padre defende fim da garimpagem no leito do rio Tapajós

Padre Edilberto Sena, em entrevista exclusiva, pede fim da exploração de ouro no leito do Tapajós
  Padre Edilberto Sena

Quarenta e cinco anos depois do início da extração de ouro na área conhecida como Província Aurífera do Tapajós, por garimpeiros que vieram das mais diferentes regiões do Brasil, profissionais ligados ao meio ambiente defendem o fim do trabalho de exploração do referido metal precioso, na cabeceira do rio Tapajós. Para o coordenador da Frente em Defesa da Amazônia (FDA), padre Edilberto Sena, a poluição do rio Tapajós se tornou um grave problema de saúde para os povos que habitam a região, principalmente com a modernização das dragas. Ele explica que as dragas escavam o fundo do rio e jogam lama em seu leito, assim como produtos químicos, os quais poluem as águas em grande intensidade. Veja a entrevista:

Jornal O impacto: A modernização das dragas que exploram ouro nos municípios de Jacareacanga e Itaituba pode acelerar o processo de contaminação do rio Tapajós?

Padre Edilberto: Eu vejo como a maior preocupação ainda é o alheamento da sociedade de Santarém e da região. Os problemas estão chegando e acontecendo e a população não está nem aí com a coisa. Agora, falando especificamente da poluição do rio Tapajós, desde 1970 ou até antes é que já vem acontecendo a degradação do manancial, pelos garimpos. No período do fim da década de 1980 para 1990, o Grupo em Defesa da Amazônia (FDA) fez uma denúncia séria no Tribunal Internacional das Águas, na Holanda, todo documentado e com toda a pesquisa feita pelo Doutor Branches. O FDA levou essa denúncia contra o Estado do Pará e contra o Governo Federal, por permitir a destruição do rio Tapajós. Houve uma condenação moral, mas o processo continuou e o Estado do Pará não ligou, assim como o Governo Brasileiro também não. Quando foi agora recentemente aumentou a poluição.

Jornal O Impacto: Quais são as causas do aumento da contaminação das águas do rio Tapajós?

Padre Edilberto: Agora não são apenas equipamentos antigos de extrair ouro, mas dragas ultramodernas, que estão escavacando o fundo do rio. Para extrair o ouro, as dragas jogam a lama em seu leito, sendo a maior falta de escrúpulos dos donos dos garimpos. Isso está poluindo o rio Tapajós gravemente. Essa é a denúncia que o Manuel Dutra e a FDA tem feito sobre o assunto, para exigir do Governo que faça um estudo na região, para ver qual é o grau do prejuízo para a saúde dos povos que habitam as margens do rio Tapajós.

Jornal O Impacto: Além das dragas, tem outro problema que agrava ainda mais o processo de contaminação do rio Tapajós?

Padre Edilberto: Eu acrescento mais um detalhe: Eu vejo ainda como mais grave do que a poluição dos garimpos no Tapajós, é o que está sendo programado pelo Governo Federal, para fazer 07 usinas hidrelétricas na Bacia do Rio. É possível imaginar o grau de destruição do rio e os problemas que serão ocasionados para a população da região, com a construção dessas barragens. Só a barragem da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, que é a primeira, vai atingir uma área de 730 quilômetros, na região. Eu acredito que as barragens vão até afugentar as dragas do leito do Rio, mas não significa que vão acabar os garimpos, porque os exploradores vão entrar nos rios laterais que abrangem o Tapajós.

Jornal O impacto: Por causa da construção das sete usinas hidrelétricas a contaminação do rio Tapajós pode aumentar?

Padre Edilberto: A poluição do rio Tapajós vai aumentar tanto pela garimpagem quanto pela construção das hidrelétricas. O assunto é grave e me preocupa, porque a população santarena e de toda a calha do rio Tapajós, em geral, está alheia. Exceto os índios Mundurukú, que estão resistindo. Também o pequeno grupo do Movimento Tapajós Vivo está lutando para resistir a essa desgraça que o Governo Brasileiro quer fazer em nossa região.

Fonte: RG 15/O Impacto

UFOPA divulga edital do Processo Seletivo 2014

Reitora Raimunda Monteiro anunciou publicação do Edital no Diário Oficial da União de sexta-feira, dia 24
   Reitora Raimunda Monteiro

Depois de uma série de reuniões com a comunidade acadêmica, o Conselho Universitário da UFOPA aprovou na tarde da última quarta-feira, 22, o edital do Processo Seletivo Regular 2014. O edital foi publicado no Diário Oficial da União na sexta-feira, dia 24, e traz uma novidade: este ano, o candidato poderá escolher um dos 17 cursos logo no ato da inscrição, que é gratuita e poderá ser feita na página da UFOPA na Internet entre os dias 1º e 23 de fevereiro.

A nota do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) permanece como o único modo de acesso à UFOPA, sendo computada a maior média entre o Enem 2012 e Enem 2013. Ao todo, serão ofertadas 885 vagas, sendo 443 o sistema de ingresso por cotas sociais. Todas as vagas serão distribuídas nos cursos de bacharelados interdisciplinares e profissionais, e também nos cursos de licenciaturas integradas da instituição.

Com o fim da entrada generalizada, um anseio dos alunos da UFOPA, está eliminado o processo interno que ocorria nos anos anteriores. No entanto, o foco na interdisciplinaridade está mantido, com a Formação Interdisciplinar 1 (F1), ocorrida no semestre inicial, e ofertada no Centro de Formação Interdisciplinar (CFI), comum e obrigatória a todos os candidatos aprovados no processo de seleção.

“Antes, nós tínhamos o ingresso generalizado, no qual o aluno passava por uma seleção interna para chegar ao curso desejado. O que estamos alterado é que o aluno, por meio da sua pontuação no ENEM, já irá escolher os cursos que deseja por meio dos institutos que já oferecem acesso direto ao curso, que são dois: o ICS e o ICED. Nos outros institutos de engenharia, mesmo oferecendo bacharelados interdisciplinares no percurso de formação, os alunos já saberão quais os bacharelados profissionais que irão cursar”, explicou a reitora Raimunda Monteiro durante o lançamento do edital em coletiva à imprensa.

Calendário – O candidato ao PSR 2014 da UFOPA deve ficar alerta às datas abaixo:

Dia 24/1/2013 – Publicação do edital no Diário Oficial da União.

Dia 1º/2/2014 – Abertura das inscrições.

Dia 23/2/2014 – Encerramento das inscrições.

Dia 7/3/2014 – Divulgação dos resultados e primeira convocação para habilitação.

Dia 10/3/2014 – Recurso da divulgação do resultado e convocação para habilitação.

Confira o edital na íntegra aqui.

Fonte: RG 15/O Impacto e Ascom/UFOPA

Medo de desgaste faz Planalto manter distância de protestos


Para não atrair o desgaste para o colo do governo federal, o Palácio do Planalto adotou a estratégia de se manter distante do caso envolvendo a manifestação violenta ocorrida em São Paulo no sábado.

Nos bastidores, porém, interlocutores da presidente Dilma Rousseff afirmaram que o Executivo passou a utilizar uma outra tática para inibir vandalismos: a policial.

Segundo a Folha apurou, há ações preventivas e repressivas. No primeiro caso, a Secretaria de Grandes Eventos dará, possivelmente a partir de março, cursos presenciais a comandantes da Polícia Militar que atuarão no "front" nas 12 cidades-sede da Copa.

Na ação repressiva, a polícia já ampliou investigações contra líderes de ações violentas e aumentou buscas e apreensões, seguidas de indiciamentos. Nos cálculos internos, é preciso haver ações pontuais, até isoladas, para desmobilizar esses grupos.

Ontem, auxiliares presidenciais ouvidos pela Folha evitaram questionar a repressão policial em São Paulo.
 
Jovens refugiados no Hotel Lindsor, na Rua Augusta, são detidos em São Paulo

NOVO PERFIL

O protesto contra a Copa terminou em depredação e tumulto pelas ruas do centro, reeditando as cenas de violência dos atos de junho.

Para o governo, mudou a forma de responder aos protestos porque mudou o próprio perfil das manifestações.

Aos olhos do Planalto, os atos de rua são menores, e as ações de violência ficam restritas a um pequeno grupo.

Apesar de os atos terem ocorrido em 13 capitais no fim de semana, assessores do Executivo ainda não veem sinais de massificação.

Em junho, Dilma precisou tomar a dianteira da crise e reagir politicamente prometendo cinco pactos para, entre outros objetivos, melhorar áreas do serviço público.

Agora, entretanto, a ordem é não puxar o desgaste com menores (embora desgastantes) protestos para o colo federal enquanto não houver indícios de massificação.

Embora não tenha convocado reunião extraordinária para tratar de São Paulo, é possível que Dilma reúna a equipe para receber atualizações sobre os protestos. 
Fonte: Folha de S Paulo, 28/01/14

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Saiu o gabarito do concurso da Prefeitura de Itaituba


A prefeitura de Itaituba informa, que já está disponível o gabarito com resultado preliminar do concurso publico regido pelo Edital N.º 001/2013. Os candidatos podem conferir a lista com os resultados no site da FADESP organizadora do concurso.
 
O concurso de Itaituba teve 10.570 inscritos. O cargo de Almoxarife - Zona Urbana – Administração foi o mais concorrido, com 178 candidatos para a única vaga ofertada. As prova foram realizadas no último domingo 26.
 
Mais de acordo com Paulo Freire, coordenador de concurso da Fadesp, mais de cinco mil pessoas fizeram a prova, sendo que os faltosos  representaram 50%, o que estaria dentro das expectativas da fundação.

Falta de sorte!


Minha Casa Minha Vida já entregou 1,5 milhão de moradias; outras 1,7 milhão foram contratadas


A presidenta Dilma Rousseff falou, nesta segunda-feira (27), no Café com a Presidenta, sobre o Minha Casa Minha Vida, programa habitacional que “já ajudou mais de 1,5 milhão de famílias brasileiras a realizar o sonho de mudar para uma casa própria”. Ainda foi contratada a construção de mais 1,7 milhão de moradias.

“Só no meu governo, nós contratamos até agora a construção de 2,240 milhões de casas, muitas delas até já foram entregues. Mas não paramos por aí, não. Até o final de 2014 nós vamos contratar mais 510 mil casas e cumprir a nossa meta de 2,750 milhões de casas contratadas até 2014”, destacou a presidenta.

Dilma lembrou que o Minha Casa Minha Vida financia casas e apartamentos para famílias com renda de até R$ 5 mil por mês. As condições do financiamento variam de acordo com a renda da família, para poder ajudar quem tem mais dificuldade de comprar a sua casa própria, como quem tem a renda familiar de até R$ 1.600 por mês, que vai pagar uma prestação de 5% da renda.

“O governo paga até 96% do valor do imóvel. (…) O prazo para pagar a casa nessa faixa de renda é de dez anos. (…) O principal disso tudo é que, por trás desses números, estão milhões de pessoas, milhões de famílias que nunca conseguiram comprar a casa própria. Agora, elas estão tendo a oportunidade de fazer um financiamento com uma prestação que cabe no bolso”, destacou.


Fonte: Blog do Planalto, 27/01/14

Corrupto deve ficar no esquecimento

"Eu tenho algo a dizer: eu acho que a imprensa brasileira presta um grande desserviço ao país ao abrir suas páginas nobres a pessoas condenadas por corrupção. Pessoas condenadas por corrupção devem ficar no ostracismo. Faz parte da pena". Min. do STF, Joaquim Barbosa, sobre espaço dado pela imprensa ao dep. João Paulo Cunha, condenado no Mensalão.

domingo, 26 de janeiro de 2014

PSB e Rede ainda não afinaram aliança em metade dos Estados


Três meses e meio após o anúncio da aliança nacional, os grupos políticos do governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) e da ex-senadora Marina Silva (Rede) ainda não acertaram um caminho conjunto em cerca de metade dos Estados do país.

Em alguns deles, como Minas Gerais e Paraná, são grandes as chances de PSB e Rede trilharem caminhos distintos no pleito de outubro.

No primeiro, os aliados de Campos negociam uma chapa conjunta com o PSDB, já que o principal nome do PSB no Estado, o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, é aliado de Aécio Neves, provável candidato tucano à Presidência da República.

A Rede local rejeita essa aproximação e chegou a divulgar nota defendendo ruptura com os tucanos, mas pressão do PSB nacional levou aliados de Marina a desautorizar os correligionários mineiros em segunda nota.

No Paraná, o partido de Campos tende a apoiar a reeleição do também tucano Beto Richa. A Rede negocia com o PV candidatura alternativa.

Outro local delicado é São Paulo, onde a pressão da ex-senadora deve levar o PSB a desistir do até então provável apoio à campanha à reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB).

PALANQUE PRÓPRIO

Um dos principais focos de desgaste é a determinação de Marina de pressionar por candidaturas próprias, como no Rio Grande do Sul, onde seus aliados defendem o nome de Beto Albuquerque, líder do PSB na Câmara. Só que o próprio deputado defende que o partido apoie a candidatura da senadora Ana Amélia (PP).

Apesar das trombadas, dirigentes dos dois grupos afirmam em público que os entendimentos caminham de forma tranquila.

"Acho absolutamente normal, em uma coligação nacional de dois ou mais partidos e em um país de dimensão continental e com 27 unidades, que haja dificuldades aqui e ali, mas nada que afete o essencial da coligação, que é a relação nacional", disse o secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira.

O coordenador-executivo da Rede, Bazileu Margarido, ressalta que desde o início tanto Campos como Marina deixaram claro que, em um primeiro momento, a prioridade seria discutir os termos programáticos da aliança.

"O PSB vinha já com uma candidatura posta [a de Campos à Presidência] e em um grau avançado de discussão nos Estados. Obviamente que a coligação com Marina colocou novos desafios. E reconhecemos que o PSB está fazendo um esforço enorme de reposicionamento."

No lote de Estados em que Rede e PSB já acertaram um rumo consensual, destacam-se a Bahia (candidatura da senadora Lídice da Mata, com a ex-corregedora Nacional de Justiça Eliana Calmon para o Senado), Pernambuco (nome que Campos definir), Paraíba e Espírito Santo –nesses dois últimos os governadores do PSB tentarão a reeleição.

Pros quer usar ministério de Dilma para ganhar visibilidade nas eleições

Criado no ano passado sob a liderança de um até então desconhecido ex-vereador do interior de Goiás, o 31º partido político do país se prepara para ingressar no ministério de Dilma Rousseff com objetivos bem claros em mente.

Quem os lista é Eurípedes Júnior, 38, o ex-vereador que preside o Pros (Partido Republicano da Ordem Social).

Ele defende o nome do ex-ministro Ciro Gomes para a Integração Nacional com a missão inicial de tirar o partido do anonimato.

"A princípio ele não está querendo porque a vinda para o Pros não foi por cargos. Mas nós do partido estamos insistindo com ele porque entendemos que um ex-candidato a presidente da República, ex-ministro, daria uma visibilidade melhor para o partido."

O problema é que Ciro já negou a sondagem -publicamente e em conversa com a própria Dilma.

Mas Eurípedes diz que insistirá. "Ele estaria nos ajudando com essa visibilidade na questão das candidaturas a deputado federal e a governadores." O Partido pretende lançar cinco candidatos aos governos estaduais (TO, AM, RJ, PB e CE).

A "visibilidade" que agora busca para seu partido Eurípedes sentiu na pele em setembro quando de uma hora pra outra se tornou uma "celebridade" do mundo político ao, em uma só tacada, dar guarida a 18 deputados federais e um governador de Estado, Cid Gomes (CE).

Aliados de Dilma Rousseff (PT), os irmãos Gomes abandonaram o PSB no ano passado após o partido decidir lançar Eduardo Campos à Presidência.

A assessoria de Ciro diz que ele está "100% focado no governo do Ceará" e que não tem interesse em assumir uma vaga na Esplanada.

Com a resistência, a expectativa é que a Integração permaneça sob o cuidado de Francisco Teixeira, técnico indicado por Cid.

Isso desagrada duplamente integrantes do Pros: além de não conseguirem um ministro de "renome", eles reclamam nos bastidores de que, com 18 deputados na Câmara, mereciam pelo menos uma Secretaria dos Portos.

Mas em reunião na terça-feira como Ideli Salvatti (Relações Institucionais) a ministra jogou água fria nessa busca por mais visibilidade. Disse que, por ora, a pasta está reservada para o PMDB. 
 
Fonte: Folha de S Paulo, 26/01/14

sábado, 25 de janeiro de 2014

Barbosa diz que "está se divertindo" com as especulações eleitorais. "Não sou candidato. Não estou preocupado com isso".

Ele disse que se diverte com as especulações sobre uma eventual candidatura
 
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, negou ontem, em Paris, que pretenda deixar a Corte para disputar uma vaga à cadeira presidencial ou ao Senado nas eleições de outubro. Ele disse que se diverte com as especulações sobre uma eventual candidatura. Durante viagem à capital francesa, o ministro contou que tem sido questionado por autoridades locais, como a ministra da Justiça, Christiane Taubira, acerca das pretensões eleitorais.

“Ela (Taubira) tem informação sobre pesquisas que saíram no Brasil indicando que eu tenho tal percentual. Outros também perguntaram”, comentou. Barbosa disse ter respondido que não pretende disputar as eleições. “Não sou candidato. Não estou preocupado com isso. Aliás, estou me divertindo com isso”, afirmou, após uma conferência no Conselho Constitucional da França.

Durante a palestra, Barbosa afirmou que o STF “se transformou em um dos principais atores do sistema político brasileiro”. Disse, porém, que a Corte se tornou “vítima do próprio sucesso” e criticou o trabalho da imprensa. “Eu diria que a imprensa ainda não reporta a essência das decisões. Ela fica no anedótico, nas alfinetadas, em algumas frases”, disse Barbosa.

Fonte: Correio Braziliense, 25/01/14

Novo cenário econômico de Itaituba e do Oeste do Pará

O cenário econômico de Itaituba e do Oeste do Pará, até então limitado ao setor de serviços e exploração mineral principalmente ouro e calcário, tende a mudar para melhor. Tendo em vista os projetos de investimentos nacionais e internacionais para a região.

Dentre os projetos podemos citar a construção do Complexo Hidrelétrico do Tapajós, a implementação dos portos de transbordo de Miritituba e o asfaltamento da BR-163 (Santarém / Cuiabá) e da BR-230 (Transamazônica).

Em vista de tudo isso, faz-se necessário uma análise dos possíveis impactos positivos a fim de aproveitá-los ao máximo, em benefício de toda a região. E também projetar os possíveis impactos negativos com o objetivo de minimizá-los. Itaituba e o Oeste do Pará eram vistos apenas como uma cidade e uma região pobre e sem possibilidades de crescimento, por estar situada em uma região isolada dos grandes centros. Todavia, a crise portuária brasileira gerada por problemas de logística e infraestrutura do país, forçou a criação de novas rotas de escoamento da produção de grãos principalmente do Mato Grosso.

Quem não lembra os congestionamentos quilométricos no porto de Santos, ano passado? E com a previsão de safra recorde de grãos para este ano, novamente, poderá afogar o porto de Santos e gerar novos congestionamentos. Em vista disso grandes empresas estão se instalando em Miritituba, distrito de Itaituba, com o fim de diminuir os gastos de transporte.

Mas, mais importante que ajudar o superávit da balança comercial brasileira é a possibilidade de crescimento do emprego e da renda dessa região tão esquecida. Os novos portos possibilitarão também a vinda de empresas interessadas no retorno dos caminhões para Mato Grosso, pois eles virão carregados com grãos e retornarão vazios. Com isso, possivelmente se instalarão também empresas de fertilizantes e produtos voltados à agricultura.

O asfaltamento das BR163 e da BR 230 colocará definitivamente a Região Oeste do Pará na rota de exportações e será também um ótimo meio de interligação da região Centro Oeste com a Região Norte do país. Desde o boicote do Governo Militar sobre as ferrovias a principal opção de circulação de bens se deu por meio das rodovias. Mesmo sendo o sistema majoritário de circulação de bens, ainda assim, é precário e insuficiente para um país que tem pretensões de ser um dos maiores exportadores do mundo.

Mas, o cenário está mudando, o Governo Federal por meio do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) está pavimentando as BR acima citadas. Com isso, espera-se uma economia nos custos de exportação e um acesso menos oneroso de produtos para toda a região Oeste do Pará.

Para o Complexo Hidrelétrico do Tapajós, a maior obra de infraestrutura da região, o investimento será de aproximadamente 60 Bilhões, estima-se que será responsável pela criação de mais de 100 mil vagas de emprego, gerará energia para suprir a demanda que crescerá muito devido aos projetos de investimento na região. Além disso, o Oeste do Pará deixará de depender da Usina de Tucuruí. E, por fim, a região receberá royalties pela produção de energia elétrica e pela área inundada pela barragem. Logo, o orçamento aumentará consideravelmente.

No entanto, “nem tudo são flores”. Onde há asfalto há desflorestamento e construções de novas estradas. Assim, o processo de substituição e exploração dos recursos naturais se dará de forma mais intensa e voraz. Sabemos que empresas atraem trabalhadores que, por sua vez, trazem demandas sociais e necessitam de serviços de saúde, segurança, transporte, educação, lazer, moradia, água encanada, rede de esgoto, além de aterros sanitários adequados para suportar a demanda.

Somos cientes também que os impactos ambientais e principalmente sociais de hidrelétricas são devastadores. Não podemos esquecer, também, as populações diretamente afetadas pelas barragens. Ao fazermos uma analogia ao caso de Altamira, lugar que está sofrendo com os problemas resultantes de um crescimento abrupto e desordenado, onde a população dobrou de tamanho, todavia, os serviços e a infraestrutura da cidade não acompanharam e muito menos o poder público tomou medidas antecipadas para minimizar os impactos negativos dos grandes projetos de investimentos.

O resultado final para a grande maioria da população está sendo desastroso. Contudo, é quase impossível conter o Capital Financeiro interessado nesses mega projetos. Mas ao invés de esperar pelas consequências é de fundamental importância construir hoje a estrutura necessária para que a maioria possa usufruir dos benefícios dos grandes projetos de investimentos, os quais já estão sendo implementados em nossa querida região banhada pelo Tapajós.

Daniel Failache é articulista colaborador do blog e do Jornal tribuna do Tapajós 
 
Fonte: Blog do Nazareno Santos, 25/01/14

Antunes: Vinda de garimpeiros para o Tapajós vai dar problemas

O advogado José Antunes participou do programa o Assunto É Este, hoje, quando falou a respeito da notícia da transferência de garimpeiros de Rondônia para a região do Tapajós, mais precisamente para o município de Jacareacanga.

O advogado, que também é minerador, conhecedor da matéria, tanto como profissional do direito, assim como empresário desse ramo de atividade, disse que essa é uma decisão que o governo federal já tomou, e que é quase impossível reverter a situação.

A questão, segundo ele, é que os garimpeiros do Tapajós já tem problemas demais, pela total falta de apoio do governo federal, que nunca olhou para esta região com o devido respeito.

Os garimpeiros de Rondônia estão para ser transferidos porque a hidrelétrica de Jirau, em Porto Velho, está para entrar em funcionamento, sendo impossível a permanência deles por lá, porque a área onde eles trabalham vai ser inundada.

O problema, ressalta Antunes, é que daqui a alguns anos vai ser aqui no Tapajós que haverá inundação de uma grande área que vai cobrir boa parte da reserva garimpeira. 

Quem vai socorrer esses garimpeiros daqui, quando isso acontecer? Será que o governo federal vai ter a mesma preocupação que está demonstrando com o pessoal de Rondônia, questiona ele.

Que Jesus te abençoe!


100 dicas para passar em concursos públicos

Concurso público é a opção escolhida por milhares de pessoas que estão em busca de segurança e bom salário. Depois de tantas colunas sobre o tema, reuni os tópicos mais importantes para auxiliar na sua trajetória até a vaga.

Abaixo estão 100 dicas, divididas entre os temas projeto (1 a 12), organização (13 a 32), estudo (33 a 63), direito (64 e 65), matemática (66), edital (67 a 73), véspera de prova (74 a 78), prova (79 a 87), pós-prova (88 a 95), além de dicas gerais (96 a 100).

Projeto
1 – Escolha uma área de concurso – para isso, observe o tipo de atividade, e não só o salário, porque aquele será o seu trabalho.

2 – Imagine que está começando uma faculdade: você vai precisar de tempo para aulas, para estudo e algum dinheiro para o projeto.

3 – É preciso uma preparação séria e consistente.

4 – A aprovação não é imediata, mas o emprego conquistado será para o resto da vida.

5 – É preciso conduzir a preparação com equilíbrio, porque não é uma corrida de velocidade – assemelha-se mais a uma maratona.

6 – Nunca sabemos exatamente quando será publicado o edital.

7 – Em geral, o tempo entre o edital e a prova não passa muito de 2 meses;

8 – Estude antes de o edital sair; só assim é possível ver todo o conteúdo.

9 – Mantenha-se bem informado sobre concursos e como se preparar.

10 – Se acontecer algum problema no seu concurso (adiamento, cancelamento), siga estudando para outras oportunidades.

11 – Mas mantenha o foco na mesma área – atirar para todos os lados é uma boa forma de não ser aprovado.

12 – Não se preocupe com a relação candidato/vaga: a maioria dos inscritos não estudou e está apenas tentando a sorte.

Organização e preparação
13 – Organize a sua rotina.

14 – Não há número certo de horas para estudar – o tempo de estudo vai depender da sua rotina e obrigações.

15 – É preciso estudar além das aulas, para sedimentar o conhecimento.

16 – Faça um planejamento de horários e matérias.

17 – Comece com pouco tempo e aumente aos poucos, como um atleta.

18 – Reserve um dia por semana (pelo menos parte de um dia) para descanso e lazer.

19 – Faça pausas de 15 minutos a cada hora e meia ou 2 horas de estudo.

20 – Se puder estudar o dia todo, faça intervalos de 1h30 a 2 horas entre os turnos de manhã/tarde e tarde/noite.

21 – Estabeleça hora para começar e para terminar o estudo.

22 – Peça às pessoas próximas para não interromperem o seu horário de estudo.

23 – Durma pelo menos 6 horas por noite: é quando o cérebro memoriza os conteúdos.
 
24 – Beba 2 litros de água por dia para melhorar o funcionamento do cérebro.

25 – Alimente-se a cada 3 horas: o cérebro consome energia para estudar.

26 – Faça uma caminhada 3 vezes por semana (pelo menos): oxigena o cérebro, produz neurotransmissores e reduz o estresse.

27 – Estude em bibliotecas: é silencioso e confortável.

28 – Faça um curso preparatório -presencial ou via internet -, porque facilita o entendimento das matérias e acelera a aprovação.

29 – Concentrar os dias de aula no sábado economiza tempo de deslocamento e libera tempo de estudo durante a semana.

30 – Aulas via internet permitem economia de tempo e dinheiro de deslocamento, além de poderem ser assistidas em qualquer horário.

31 – Mas, é preciso um perfil específico para estudar sozinho pela internet (disciplina e determinação para lidar com as dificuldades) – alguns alunos precisam de cursos presenciais.

32 – Cuidado com as redes sociais – engolem o seu tempo de estudo.

Estudo
33 – Comece pelas matérias básicas da área escolhida.

34 – Estude todo o grupo de matérias de forma paralela.

35 – Estude as piores matérias nos horários do dia e da semana em que você rende mais.

36 – Alterne matérias de exatas, se houver, com matérias de leitura – usam áreas diferentes do cérebro.

37 – Você vai estudar matérias que nunca viu antes – não se preocupe com isso.

38 – Volte a cada matéria no máximo a cada 2 semanas, para não esquecer o que já estudou.

39 – Tenha um bom material de apoio para cada matéria (basta 1).
 
40 – O estudo precisa ser dinâmico para você manter a concentração.

41 – Se estiver só “virando as folhas do livro”, pare, porque algo está errado: estudo é tempo retornando como aprendizado.

42 – Leia a teoria e em seguida faça exercícios com consulta – facilitam o entendimento e ajudam a fixar.

43 – No início, parece que estudamos e não aprendemos – é natural; o conhecimento precisa de muitas repetições para ser assimilado.

44 – Sublinhe as informações mais importantes.

45 – Prepare fichas-resumo para revisões posteriores.

46 – Quando estudar toda a teoria, faça provas de concursos similares que já aconteceram, para testar seu conhecimento.

47 – A partir disso, observe se precisa aprofundar o estudo da teoria ou estudar novos tópicos.

48 – Todo mundo tem uma ou mais disciplinas muito difíceis; é somente uma questão de mais dedicação e perseverança.

49 – Use feriados ou separe uma semana de vez em quando para estudar só uma matéria que esteja muito difícil.

50 – Quando concluir o estudo das matérias básicas, coloque-as em “manutenção”: revisões a partir do material que você preparou e provas de concursos anteriores.

51 – As matérias que estão em manutenção podem ter o tempo de estudo reduzido, para você incluir as específicas no planejamento.

52 – Matérias básicas ficam no planejamento até a aprovação.

53 – Matérias que caem em muitos editais da área, mas não em todos, podem ficar no planejamento, ao menos a cada 2 semanas.

54 – Matérias específicas de um edital (legislação do órgão, por exemplo), entram no planejamento quando o edital estiver para ser publicado e saem após a prova.

55 – Se possível, reserve férias no trabalho para quando sair um bom edital (mas só use quando tiver chances reais de ser aprovado).

56 – O planejamento é uma meta a ser seguida, mas intercorrências acontecem, porque a vida é dinâmica.

57 – Todo final de mês, examine o planejamento e faça os ajustes necessários para o mês seguinte.

58 – Se observar que há algum período em que o estudo não rende, procure as causas e corrija; se necessário, altere o planejamento.

59 – Se observar que já tem condições de estudar durante mais tempo, altere o horário no planejamento.

60 – Se perceber que planejou estudar mais tempo do que consegue na verdade, reduza os períodos de estudo no seu quadro de horários.

61 – É natural acontecerem períodos com menor rendimento, em especial quando enfrentamos problemas; mesmo assim, é importante seguir estudando.

62 – Gravar aulas e ficar ouvindo ocupa muito tempo em relação ao conteúdo que é assimilado (vale se estiver no transporte, por exemplo).

63 – Passar matéria a limpo toma muito tempo e também não significa aprendizado.

Direito
64 – Faça anotações a lápis nas leis, para conjugar teoria e texto legal.

65 – Leia periodicamente as leis mais importantes para se familiarizar.

Matemática e afins
66 – Faça centenas de exercícios para ganhar velocidade, necessária na hora da prova.

Edital
67 – Leia o edital atentamente, para saber se interessa e se você preenche os requisitos.

68 – O edital pode trazer surpresas: incluir e/ou excluir matérias/tópicos – verifique item a item do conteúdo programático e ajuste o estudo.

69 – Faça um novo quadro de horários, com todos os dias do edital até a prova, e distribua as matérias.

70 – Reserve mais tempo para as disciplinas que valerão mais pontos na prova e para aquelas em que você tiver mais dificuldade.

71 – Reserve duas semanas antes da prova para revisar todo o conteúdo (pelo material que você preparou).

72 – Faça provas recentes da mesma banca, para conhecer o estilo de questões e assuntos preferidos.

73 – Na última semana, estabeleça uma estratégia de prova – qual a ordem de matérias e o tempo máximo a ser gasto em cada uma.

Véspera de prova
74 – Descanse o cérebro 24 horas antes da prova – ele vai ser muito exigido.

75 – Uma caminhada leve é bastante indicada.

76 – Procure ter um dia agradável e distraia a mente.

77 – Separe o material necessário (veja no edital o que levar) e um kit emergência: água, algo para comer, analgésico.

78 – Veja com antecedência o endereço e como chegar.

Prova
79 – Vá com roupa confortável e versátil (que possa se ajustar a frio ou calor).

80 – Chegue cedo ao local.

81 – Ocupe a mente com pensamentos positivos e motivadores.

82 – Lembre que os primeiros minutos são de muita tensão: respire profundamente para se tranquilizar.

83 – Se possível, escolha um bom lugar na sala da prova (veja onde bate sol, onde é mais fresco, longe da entrada (ruído de candidatos saindo para banheiro e quando acabarem a prova).

84 – Não gaste tempo com questões que não sabe responder: faça primeiro todas as que sabe e no final, se sobrar tempo, dedique às mais difíceis.

85 – Não fique revisando o que tiver marcado com certeza – é comum o candidato ficar confuso e apagar o que estava certo.

86 – Reserve tempo suficiente para o cartão-resposta (em torno de 30 minutos).

87 – Marque uma questão por vez no cartão.

Pós-prova
88 – Depois da prova, analise o resultado; se não tiver sido bem sucedido, descubra as causas.

89 – Se faltou tempo de estudo e não tinha visto todo o conteúdo, siga estudando.

90 – Se errou coisas que sabia, por falta de atenção, faça mais questões de provas anteriores.

91 – Se esqueceu informações por nervosismo, inclua atividade física na sua preparação – em especial na proximidade da prova – e cuide do sono e da alimentação.

92 – Lembre que ser reprovado faz parte da brincadeira e sempre haverá uma nova oportunidade.

93 – Concurso público é fila; se você parar de estudar, perde o seu lugar e vai ter de começar tudo outra vez.

94 – Quando se sentir muito cansado de lutar, imagine sua vida daqui a alguns anos se desistir; se seguir, será aprovado.

95 – Estude até tomar posse, mesmo depois de aprovado (porque podem demorar a chamar).

Gerais
96 – Não lamente o tempo que você não tem porque precisa trabalhar (quem está desempregado fica muito pressionado).

97 – Não se desespere porque está desempregado; aproveite o tempo para estudar e mudar a situação.

98 – Busque a cumplicidade das pessoas próximas, mas não dependa disso – o projeto é seu e o salário também será.

99 – A cobrança de família e amigos é praticamente inevitável – eles sofrem com a sua ausência e não compreendem bem o projeto.

100 – Lembre-se de manter seus contatos atualizados junto à instituição para onde você for aprovado, porque você pode ser chamado até 4 anos depois de homologado o concurso.

Para concluir, queremos lembrar que todo candidato enfrenta dificuldades durante a trajetória. A diferença entre os que conquistam a vaga e os que não conseguem é simplesmente seguir estudando.

Fonte: Nação Jurídica", 25/01/14