Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Um ano sem Dilma, sem direitos, sem soberania


"Apenas um ano após o afastamento definitivo da presidenta Dilma pelo Senado, o Brasil está num processo acelerado de destruição em todos os níveis. Nunca se destruiu tanto em tão pouco tempo. As primeiras vítimas foram a democracia e o sistema de representação", diz a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR).

"Contudo, o golpe não destruiu, e nem destruirá, o maior ativo do Brasil: o povo e sua imensa capacidade de lutar. Caso Lula não seja cassado pelos processos injustos e partidarizados a que é submetido, suscitando a condenação da Comissão de Direitos Humano da ONU, o povo brasileiro, em eleições livres, poderá começar a reconstruir o Brasil a partir do ponto em que golpe começou a destruí-lo: na restauração da soberania popular".

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

TCU isenta Conselho da Petrobras, presidido por Dilma, de irregularidade na compra de Pasadena

POR PAINEL

Em tomada de contas especial que investiga a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras, em 2006, auditores do TCU (Tribunal de Contas da União) isentam o Conselho de Administração da estatal, à época presidido por Dilma Rousseff, de ter cometido qualquer “ato de gestão irregular” no episódio.

O TCU traça um histórico do que é considerado o pior negócio já fechado na história da estatal. O caso deve ser avaliado pelo plenário da corte nesta quarta.

O tribunal já havia isentado Dilma de responsabilidade no episódio em 2014. De lá para cá, porém, Nestor Cerveró, que conduziu o negócio dentro da estatal, e o ex-senador Delcídio do Amaral fecharam acordos de delação premiada com a Lava Jato e disseram que a ex-presidente chancelou o negócio sabendo de todos os seus problemas.

O relatório dos analistas do TCU e do Ministério Público de Contas contraria a versão dos delatores.

A polêmica começa em 2006, quando a Petrobras faz o pagamento de US$ 360 milhões por metade da refinaria de Pasadena, adquirida um ano antes pela empresa belga Astra Oil por US$ 42,5 milhões.

Em dezembro de 2007, a Petrobras e a Astra firmam uma carta de intenções, na qual a estatal brasileira se comprometia a comprar o restante da refinaria por US$ 788 milhões. O documento é assinado por Cerveró, à época diretor da Área Internacional da empresa. Em 2008, o Conselho de Administração negou ter dado aval à ideia, e o caso foi parar na Justiça.

Neste episódio, técnicos do TCU endossam a versão de que, inicialmente, o Conselho de Administração da estatal, presidido por Dilma, recusou a negociação e depois adiou posicionamento sobre o assunto, não tendo deliberado “no mérito” sobre a aquisição dos 50% restantes de Pasadena.

“Note-se que a carta de intenções não era vinculante para a companhia porque o Conselho de Administração não deliberou, no mérito, sobre a aquisição dos 50% remanescentes de Pasadena”, diz o texto dos auditores. “Assim sendo, não há que se falar em responsabilização de seus membros nestes autos”.

A ex-presidente sempre afirmou que a primeira etapa da compra, em 2006, só ocorreu porque o Conselho de Administração não tinha todas as informações a respeito do trato.

Ao relator do caso, o ministro Vital do Rêgo, os analistas do TCU recomendam a responsabilização, entre outros, de Cerveró e do ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli e propõem que ambos sejam inabilitados a ocupar cargo ou função pública por oito anos.

Com Brasil quebrado, Temer se hospeda num dos hotéis mais caros do mundo



Pregando a necessidade de um arrocho fiscal sem precedentes para cobrir o rombo das contas públicas, que deve chegar a R$ 159 bilhões neste ano, Michel Temer e sua comitiva, que estão em viagem à China, fizeram escala em Portugal e se hospedaram no Ritz Four Seasons.

É um dos hotéis mais luxuosos de Lisboa, cujas diárias chegam a a US$ 15.100; Palácio do Planalto não informou o custo da estadia e nem as razões da escala em Portugal que durou cerca de 15 horas.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Como a Globo tentou destruir o PT, a Dilma e prender o Lula

Não dispersar esforços, dinheiro e tempo: tudo contra o inimigo único

Conversa Afiada, 28/08/2017

Num furo de reportagem, o Conversa Afiada revela os princípios que organizaram e organizam o trabalho da Globo Overseas e do Gilberto Freire com “i” para dar o Golpe e mantê-lo no poder:

1. Princípio da simplificação e do inimigo único

A Globo se concentrou em destruir o PT: derrubar a Dilma e prender o Lula.

O resto não interessa.

O inimigo é único.

Não dispersar esforços, dinheiro e tempo: tudo contra o inimigo único.

2. Princípio do contágio

A Globo mostrou como o PT contagiou tudo e transformou tudo em pecado e vício.

3. Princípio da Transposição

Transpor, levar todos os males e vícios a este inimigo único: tudo é culpa dele.

O avião que cai em Congonhas, a colisão com o jatinho Legacy sobre a Amazônia, o zica, a chuva, a falta de chuva...

4. Princípio da exageração e da desfiguração

O PT, Dilma e Lula foram culpados de TUDO MULTIPLICADO POR DEZ!

A Míriam Leitão diz que a culpa – DE TUDO! - é da Dilma, até hoje, em 28 de agosto de 2017!

5. Princípio da vulgarização

A Globo transformou tudo o que o PT, a Dilma e o Lula fizeram em algo torpe, vulgar, safado, sujo, enlameado… fácil de descobrir e localizar.

6. Princípio da orquestração

A Globo transformou boatos, delações premiadas do Moro, disse-me-disse, fake news – tudo virou notícia que se oficializou no Diário Oficial, o jornal nacional!

7. Princípio da renovação

A Globo tinha uma “notícia” nova, “original” sempre: uma no Mau Dia Brasil, outra no Hoje, outra novíssima no jornal nacional e uma requentada, às quatro da manhã, com o William Traaack.

8. Princípio do verossímil

Usar e abusar do depoimento de especialistas que referendam a falsidade, a suposta “informação”. Especialistas que acham qualquer coisa de qualquer assunto. Eles dão credibilidade às mentiras. Especialistas preferidos são os “economistas de bancos” e de “consultorias” - embora nunca saiba quem se consulta com elas...

9. Princípio do silêncio

A Globo ocultou - não vem ao caso – toda informação que não fosse conveniente à destruição do único inimigo

10. Princípio da transferência

A Globo potencializou um fato presente com um fato passado: se o PT roubou no mensalão do Presidente Barbosa, roubou mais ainda na Lava Jato do Moro! O Moro multiplicou o Barbosa por mil, no jornal nacional!

11. Princípio da Unanimidade

A Globo fez parecer que “todo mundo”, o “Brasil inteiro” e “a sociedade sadia”, as jovens recatadas e do lar estavam indignadas com o que jorrava e jorra da Lava Jato!

Em tempo: esses princípios aí reproduzidos da Carta Maior são os que Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda de Hitler, seguia, religiosamente…

Paulo Henrique Amorim

Kakay trata Procurador como é: nada!

Eles se acostumaram a ter 100% do PiG

Conversa Afiada, 28/08/2017
Procurador Lima (o primeiro à esquerda) participa do laboratório de interpretação de filme de fontes obscuras para ferrar o Lula (Reprodução)

Que o Procurador Carlos Fernando dos Santos Lima gasta mais tempo no PiG do que na Lava Jato, não há dúvida.

Sua postura de publicista compete com a do Dallagnol, aquele que faturou mais de R$ 200 mil com a Lava Jato.

O Procurador Santos Lima decidiu usar o Facebook neste domingo, 27/VIII, para atacar Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, um dos maiores criminalistas do Brasil.

(Não deixe de ler no C Af "Moro merece a presunção de inocência?")

Diz Santos Lima:

Kakay diz que Sérgio Moro deveria ser preso em decorrência das fantasias de um livro de um réu foragido, cujos trechos foram publicados em uma coluna social.

Mesmo considerando os flexíveis limites éticos do "autoproclamado melhor advogado do país", desta vez Kakay foi longe demais. 
O que cabe aqui é simplesmente lhe dizer:

"Tome vergonha na cara".

Prontamente, Kakay respondeu ao Procurador e o tratou como ele é:

Um procurador, midiático, usando a rede social,faz uma agressão pessoal a mim e não responde aos fatos postos. Eu nunca disse que o Dr Moro deveria ser preso, ate porque não penso assim. Basta ler o que escrevi. Logo desnecessária a agressão pessoal deste procurador. Ele esta sendo acusado. 

Eu dou a ele o beneficio da duvida. Eu não acusei ninguém, comentei as acusações dando a ele o pressuposto da presunção de inocência, que ele e sua turma negam a todos. Não fiz critica generalizada pois respeito profundamente o Ministério Publico.

Modestamente ajudei e trabalhei para a sua completa independência que tanto bem faz ao pais e a democracia. Claro que não poderíamos prever os que usurpariam o prestígio do MP, e usariam estes poderes de forma pusilânime e autoritária. A estes a historia mostrara a verdadeira face. 

Me recuso a responder ofensas pessoais, pareceria uma " resposta" a instituição do MP, a quem eu sempre rendo minhas homenagens. Não me dou tanta importância para usar facebok para ofender as pessoas.

Nem facebock tenho. Tenho ao meu lado a verdade: é necessário investigar todos os fatos. As grandes vantagens e conquistas da lavajato, que eu não me canso de enumerar, não podem fazer com que os excessos não sejam denunciados, discutidos. Acharam que eram deuses e herois e que não deviam satisfação a nada e a ninguém.Os que os que ele acusam podem agir assim? 

Ele se acostumaram a ter a mídia 100% ao seu lado e se perderam no excesso de espetacularização e na acusação sem limite. Não acusei ninguém, tenho o vicio da defesa, mas apontar a necessidade de discutir os evidentes excessos é um dever meu. 

Este procurador, que desonra o MP, ao usar o facebok como maneira de intimidação, de forma ridícula, nem mereceria resposta, mas eu o faço em homenagem a um MP que orgulha o país e ao qual a advocacia respeita, elogia e reverencia.

Dilma: Temer se apropria do dinheiro do trabalhador ao entregar eletrobrás


Presidente legítima Dilma Rousseff se posicionou veementemente contra a proposta de privatização do sistema Eletrobras.

Segundo Dilma, a proposta do governo Michel Temer envolve um mecanismo para se apropriar de recursos do trabalhador e cobrir o maior rombo fiscal já registrado no País.

"O País vai ter sua soberania e sua segurança energética ameaçadas, ao permitir que sua joia da coroa energética seja transferida para investidores internacionais ou fundos financeiros", disse Dima.

domingo, 27 de agosto de 2017

Vender patrimônio público sem aval do povo é como vender mercadoria roubada


O senador Roberto Requião protestou, neste domingo, em seu Twitter contra a liquidação promovida por Michel Temer com o patrimônio público brasileiro.

Requião afirmou que é criminoso vender patrimônio sem o aval do povo; "Sem consenso do povo vender patrimônio publico é como vender mercadoria roubada. Criminoso o vendedor e o receptador. Punição para os dois!", escreveu.

Na busca desesperada para fechar as contas e fazer caixa, depois de ter provocado o maior rombo fiscal da história do País, o governo de Michel Temer anunciou na semana passada que pretende privatizar a Casa da Moeda.

Lula: Serei forte como candidato, libertado, vivo ou morto


Em entrevista à TV Bahia e ao Nocaute, o ex-presidente Lula mostra que estará, sim, no processo eleitoral de 2018.

"Se eu não for candidato, eu quero ser um cabo eleitoral muito forte. Eles têm que saber disso! Eu serei forte como candidato, serei forte como cabo eleitoral serei forte libertado ou preso, vivo ou morto", disse o ex-presidente, numa entrevista conduzida por Pablo Villaça.

Lula também afirmou que o objetivo dos articuladores e apoiadores do golpe é tentar barrar sua candidatura no ano que vem: "O que precisamos fazer é organizar a sociedade para garantir que se tenha eleições em 2018 porque não está certo que teremos eleições no próximo ano".

Trio de ferro do golpe é o mais rejeitado do País


Os três políticos mais rejeitados do País são os protagonistas do golpe de 2016, que destruiu a democracia, a economia e a imagem do Brasil no mundo

O recordista em impopularidade é Michel Temer, denunciado por corrupção e rejeitado por 93%, segundo aponta a pesquisa Ipsos; logo em seguida, com 91%, aparecem empatados o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se uniram para promover o golpe – Aécio porque não aceitou ser derrotado nas urnas e Cunha porque não teve os votos para se salvar no conselho de ética da Câmara dos Deputados

Deposta pelo trio, a presidente Dilma Rousseff, que foi alvo de uma intensa campanha midiática, tem rejeição inferior, em 79%.

"A história está sendo implacável com os golpistas", diz ela.

Ipsos: Lula ainda dá baile nos caciques tucanos


247 - Mesmo sem mandato, perseguido por parte da mídia conservadora e acusado sem provas na Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem desaprovação menor que quatro cacique tucanos: Aécio Neves (MG), José Serra (SP), Fernando Henrique Cardoso (SP) e Geraldo Alckmin (SP). É o que mostra pesquisa Ipsos divulgada pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Lula é reprovado por 66% dos entrevistados enquanto que os quatro tucanos amargam uma desaprovação que varia entre 73% e 91%. O mais rejeitado é o senador Aécio Neves, com 91% de rejeição. Ele só perde para Michel Temer (PMDB), o campeão, com 93% de desaprovação na pesquisa.

A pesquisa não revela os motivos da rejeição aos políticos, diz o texto do Estadão. Mas a desaprovação a Aécio teve um salto a partir de junho, quando o senador foi acusado pela Procuradoria-Geral da República de receber recursos irregulares do grupo JBS. Na época, o tucano chegou a ser afastado do mandato de senador por decisão liminar do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

O Estadão ouviu cientistas políticos e eles afirmaram que a pesquisa mostra que o quadro para 2018 é imprevisível. “O imprevisto é o provável”, afirmou Cláudio Couto, da Fundação Getulio Vargas. “

Giro pelo Nordeste

O ex-presidente Lula vem fazendo um giro pelo nordeste. Na sexta-feira (25). em Recife, Lula reafirmou que o povo não pode desanimar, e que há uma "trama" para impedir sua possível candidatura à Presidência em 2018.

"Eles falam em muitas tramas. Eu não sei se serei candidato, mas se eu for candidato é pra ganhar". E emendou: "só vou parar de lutar quando o povo tiver conquistado todos os seus direitos".

Advogado conceituado diz que critério de Moro serviria para prender Moro


O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, diz que o juiz Sergio Moro merece presunção de inocência, como qualquer acusado, mas afirma que, se os critérios da chamada República de Curitiba fossem aplicados contra o magistrado, o resultado seria a condenação inapelável.

"O juiz diz que não se deve dar valor à palavra de um 'acusado', opa, isto é rigorosamente o que ele faz ao longo de toda a operação!", afirma Kakay.

"Ou seja, embora exista, em tese, a hipótese destes fatos serem falsos o que nos resta perguntar é como eles seriam usados pela República do Paraná?".

sábado, 26 de agosto de 2017

Damous: Lula deve reverter essa privatifaria!

E o povo tem o direito de revogar a reforma (sic) trabalhista!

Conversa Afiada, 26/08/2017


Via Rede Brasil Atual:



Deputados de oposição já defendem que, se um governo progressista voltar a governar o país, as medidas contra a soberania nacional, adotadas pelo presidente Michel Temer e sua base com rapidez e eficiência nunca vistas, precisam ser revogadas. “Temos que reverter e retomar áreas como a de energia, desapropriar e devolver ao Estado. Não tem como abrir mão do setor energético”, diz a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ). Fora a venda de ativos e de campos de petróleo da Petrobras, o governo pretende agora privatizar a Eletrobras.

“Se o Lula for candidato à presidência e ganhar a eleição, ele tem que apresentar um decreto convocando um plebiscito de caráter revogatório. O povo brasileiro tem que decidir se aprova a reforma trabalhista, a privatização da Eletrobras, a entrega do pré-sal, o congelamento de gastos por 20 anos e por aí vai”, afirma o deputado Wadih Damous (PT-RJ).

Para Jandira, a maneira como o governo Temer está conseguindo “entregar o patrimônio” do país é surpreendente. “A velocidade com que estão vendendo este país é algo que eu nunca vi. É inacreditável como podemos abrir mão do setor energético. Em alguns países mundo afora, quem toma conta de suas usinas são as forças armadas. Nenhum país que pensa em se desenvolver abre mão controle da sua energia. Estamos virando colônia novamente. É o ultraliberalismo junto com o neocolonialismo”, desabafa a deputada, sobre a entrega do pré-sal e a pretendida desestatização da Eletrobras.

A liderança do PT anunciou hoje uma série de medidas que irá adotar contra o pacote de privatizações de Temer, anunciado esta semana. O partido também deve apresentar decreto legislativo para sustar o decreto presidencial que extingue a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca).

Além disso, a legenda promete apresentar requerimentos para convocação de ministros de Temer nas comissões do Congresso Nacional para falar das privatizações. Entre outras medidas, pretende ter acesso ao processo que fundamenta a inclusão “de cada ativo ou empreendimento no pacote de privatização para deliberação do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI)”.

"Armas políticas e judiciais"

Segundo Jandira Feghali, a oposição precisa usar todas as “armas políticas e judiciais”. Ela concorda com as ações do PT e diz que esse tipo de mobilização tem de se alastrar. “Estamos construindo as formas de como vamos questionar tudo isso no Supremo Tribunal Federal. Todo mundo tem que agir, politica e juridicamente, e o movimento sindical, o movimento social também têm que atuar por todas as frentes possíveis.”

Na opinião de Wadih Damous, a saída judicial se mostra inviável para as forças progressistas no Brasil de hoje. “Bater às portas do Judiciário tem se mostrado algo que só leva ao fracasso. Não se pode imaginar que o Supremo Tribunal Federal seja contra a privatização de alguma coisa no Brasil, contra alguma reforma neoliberal.”

A deputada do PCdoB acredita que “talvez agora o povo esteja começando a entender o porquê do impeachment”. “Estão percebendo que esse governo não é nem mais o governo dos empresários, mas do mercado financeiro. A mudança da política de financiamento do BNDES desagradou todo o setor industrial e até a Fiesp foi contra. Parte do PSDB que tem ligação com a Fiesp se posicionou contra a medida, porque destrói qualquer possibilidade de financiamento do setor industrial.”

Apesar disso, Temer e sua base estão conseguindo aprovar medidas como a citada mudança das regras de financiamento do BNDES sem dificuldades. Para Jandira, o fato de a votação de medida provisória precisar de maioria simples e presença de apenas 257 deputados em plenário ajuda a explicar vitórias do governo no caso da MP 777. “A maioria de 140, 150, 160 deputados vai votando pelos acordos dos ministérios, do dinheiro, das emendas, as coisas que vão possibilitando a manutenção daquela base.”

Para Damous, “falta o ator principal entrar em cena: o povo brasileiro. Por que o povo está tendo seus direitos e interesses massacrados e ainda não entrou em cena aqui no Brasil, eu ainda não sei”.

No golpe, Fernando Coelho - quem diria, do PSB - vende o Pré-Sal, a Eletrobrás e a Amazônia




No Brasil pós-golpe, pouca atenção tem sido dada ao papel predatório do ministro Fernando Coelho Filho, que, com apenas 33 anos, age como o maior corretor de riquezas nacionais que já pisou em Brasília.

Como ministro de Minas e Energia, ele vazou para empresários canadenses a liquidação de um pedaço da Amazônia do tamanho da Dinamarca, colocou a Eletrobrás à venda e mentiu ao dizer que os preços cairiam, além de estar prestes a leiloar o pré-sal.

O filho do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), denunciado na Lava Jato, tenta vender o Brasil, antes que o golpe ou o governo Temer cheguem ao fim.

Moro reconhece ter condenado Lula sem apontar contrapartidas



247 - O juiz Sergio Moro afirmou neste sábado, em evento em Campos do Jordão (SP), que as propinas pagas aos agentes públicos, nos grandes esquemas de corrupção, vêm acompanhadas de "contrapartidas indeterminadas". 

Os advogados de Lula sustentam exatamente isso: que Moro condenou o ex-presidente sem comprovar as situações específicas nas quais Lula teria ajudado a empreiteira OAS no esquema de corrupção da Petrobras.

"Tenho a seguinte crença: assim como vale aquela frase 'não existe almoço grátis', eu tenho muito claro que não existe propina grátis. Sempre se espera alguma coisa em troca", afirmou o juiz federal. Ou seja, ele não especificou de que forma Lula teria ajudado a OAS.

Na sentença de Moro, Lula foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No entanto, Moro considerou que os crimes foram cometidos apenas uma vez, quando o petista aceitou receber o imóvel da construtora OAS, supostamente como contrapartida por contratos que a empresa fechou com a Petrobras.

"Não se pode admitir uma condenação fundada em mera elaboração retórica, construções cerebrinas e presunções descabidas", dizem os advogados de Lula", dizem os advogados do ex-presidente.

O apartamento no Guarujá, segundo os registros de imóveis, não pertence a Lula – e foi usado pela OAS como garantia numa operação de crédito junto à Caixa Econômica Federal. 

As "propinas" seriam reformas num imóvel que, comprovadamente, não pertence a Lula.

Segunda instância

No evento, o juiz voltou a dizer que está preocupado com a possibilidade de o colegiado do STF mudar o entendimento de que a prisão de réus pode ocorrer já a partir de condenações em segunda instância.

De acordo com Moro, ocorrerá um retrocesso "triste" e "lamentável" caso a corte altere sua posição e só passe a permitir detenções após esgotadas todas as possibilidades de recursos aos tribunais superiores.

Palocci acusa ex-ministro do STJ de levar R$ 5 milhões para enterrar Castelo de Areia


Em sua tentativa de delação premiada, o ex-ministro Antonio Palocci, que está preso em Curitiba, acusa Cesar Asfor Rocha, ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça, de receber R$ 5 milhões, com a ajuda do ex-ministro Marcio Thomaz Bastos, para enterrar a Operação Castelo de Areia – a primeira grande ação contra uma empreiteira, a Camargo Corrêa, que poderia ter sido precursora da Lava Jato.

Rocha diz que irá processar Palocci, a quem chamou de "bandido, safado e ladrão"; em nota, a Camargo afirma que "a anulação da operação foi confirmada pela 1ª turma do STF, que ratificou a existência de nulidade insuperável".

Palocci ainda não conseguiu viabilizar sua delação.

Tasso corta as asas de João Doria

CRITICA DISCURSO DE ÓDIO E DIZ: ALCKMIN É O CANDIDATO

"Alckmin é uma das lideranças mais importantes do partido há muito tempo e é o primeiro da fila", diz o senador Tasso Jereissati (PSDB-MG), que afirma que, se não houver consenso, o candidato tucano será escolhido por meio de prévias.

Como o prefeito João Doria promete não disputar prévias contra seu padrinho Geraldo Alckmin, tudo indica que o governador paulista será mesmo o candidato do PSDB à presidência da República em 2018.

Tasso também criticou o discurso de ódio que vem sendo promovido por Doria nos últimos meses.

"Essa política de nós contra eles é um desserviço para o Brasil. Além de dividir, traz violência, desrespeito e intolerância. É um péssimo sinal para democracia", afirmou.

Temer vazou a mineradoras canadenses o fim da Reserva Ambiental na Amazônia


Segundo denúncia publicada pela BBC, o ministro Fernando Coelho Filho, filho do senador Fernando Bezerra (PSB-PE), um dos políticos mais encrencados na Lava Jato, antecipou a mineradoras do Canadá a extinção da reserva ambiental, num evento ocorrido há cinco meses.

"Em março, cinco meses antes do anúncio oficial do governo, o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, anunciou a empresários do país que a área de preservação amazônica seria extinta, e que sua exploração seria leiloada entre empresas privadas", aponta a BBC.

A decisão revoltou ambientalistas e demonstrou que Temer colocou até a Amazônia à venda.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Dilma diz: "Somos capazes de enterrar esse golpe, como enterramos o de 1964


Durante ato no Pátio do Carmo, no Recife, parte da caravana do ex-presidente Lula pelo Nordeste, a presidente deposta Dilma Rousseff discursou: "A gente supunha que o país não ia sentir outra vez um golpe de Estado. 13 anos após conquistas sociais, isso ocorre".

Ela afirmou que o impeachment que a tirou do poder "é um golpe para tirar dos trabalhadores todos os direitos conquistados" e que "só ampliando a mobilização e a organização conseguiremos revertê-lo".

Para Dilma, a "caravana é uma grande marcha para a democracia. E para elegermos nosso grande líder Lula".

Janot denuncia Jucá, Raupp, Renan, Sarney e Garibaldi Alves na Lava Jato


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou hoje (25) denúncia contra quatro senadores do PMDB: Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR), Garibaldi Alves Filho (RN) e Valdir Raupp (RO).

A denúncia é resultante das investigações sobre desvios em contratos da Transpetro. São apurados os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

No mesmo inquérito, também foram denunciados o ex-presidente José Sarney.

O ex-presidente da Transpetro (subsidiária da Petrobras) Sergio Machado; o ex-presidente da empresa Odebrecht Ambiental Fernando Reis.

E os executivos Luiz Fernando Maramaldo e Nelson Maramaldo, sócios da empresa NM Engenharia.

O PT recupera o seu vigor no compasso das caravanas


"A ofensiva da direita afetou a ambos: a Lula e ao PT. Agora, quando Lula se lança a caravanas por todo o Brasil, o PT como que se revigora nessa onda, no ritmo dos percursos de Lula, retoma seus vínculos estreitos com as bases populares que levaram o partido às quatro vitórias nas eleições presidenciais", escreve o sociólogo Emir Sader.

Para ele, "o PT tem agora a possibilidade de se rejuvenescer, ganhar para suas filas a amplos setores de massa que se mobilizam ao compasso da viagem de Lula".

"O PT tem uma nova oportunidade de se reconstruir como partido, depois de ter sofrido os mais duros e continuados ataques que um partido jamais sofreu na história política do Brasil", acrescenta.

Emir acredita que nem o Brasil nem o PT serão os mesmos depois das caravanas.

Blairo Maggi liderava quadrilha no Mato Grosso, diz Janot


No pedido enviado ao Supremo Tribunal Federal para que fosse aberto um inquérito a fim de investigar supostos crimes ocorridos no governo do Mato Grosso - já autorizado pelo ministro Luiz Fux - o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, argumenta que o ex-governador e agora ministro da Agricultura, Blairo Maggi, "exercia incontestavelmente a função de liderança mais proeminente na organização criminosa" no Estado.

Os crimes foram revelados - e provados com vídeo - pelo ex-governador Silval Barbosa em acordo de delação premiada.

MP quer punir Empiricus por promover candidatura de João Doria


A PGE (Procuradoria-Geral Eleitoral) entrou com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral em que pede punição à empresa de análise de investimentos Empiricus, dona do site O Antagonista, por fazer propaganda antecipada da candidatura presidencial do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB).

A página da consultoria na internet traz um anúncio que diz: "A candidatura de Doria pode te deixar rico".

A Empiricus também já espalhou ameaças e fez terrorismo eleitoral contra a candidatura do ex-presidente Lula.

O processo está agora nas mãos do ministro Herman Benjamin, do TSE.

Um apelo a favor do Brasil

NASSIF APELA A MILITARES E EMPRESÁRIOS NACIONALISTAS CONTRA A DESTRUIÇÃO DO BRASIL

247 – Numa carta aberta à sociedade brasileira, o jornalista Luis Nassif diz que a Lava Jato entregou o Brasil "à mais irresponsável organização criminosa" que já comandou o País e alerta industriais e militares contra a destruição econômica que vem sendo promovida por Michel Temer.

"Atenção, Anfavea, Abimaq, Abdib, atenção ruralistas, ambientalistas, Forças Armadas, brasileiros com responsabilidade em relação ao futuro: movam-se! Pelo amor de Deus! Por respeito ao país!", diz ele, em artigo publicado no jornal GGN.

O desastre mais recente, diz Nassif, é a privatização da Eletrobrás, que pode inviabilizar a indústria nacional com tarifas mais caras. "Atenção, Anfavea. Essa negociata que estão fazendo com o setor elétrico vai bater direto nos seus custos. Pretendem ampliar o que o governo Fernando Henrique Cardoso fez lá atrás. O Brasil tinha a energia mais limpa e barata do mundo, por conta de hidrelétricas já amortizadas. E FHC definiu a descontratação dessa energia, elevando substancialmente o valor das tarifas e inviabilizando diversos setores eletro intensivos, além de acabar com um grande trunfo que o país dispunha, na competição internacional. Esse quadro voltou reverteu nas últimas renovações de concessão. O que se pretende, agora, é descontratar o que resta dessa energia, especialmente nas usinas da Eletrobrás, jogando os preços nas alturas, como ocorreu nos anos 90", afirma.

Ele também alerta contra a destruição da soberania nacional. "Atenção, Forças Armadas, sabem aquela história de que energia é soberania? Pois é, o setor elétrico será entregue aos chineses, o petróleo aos americanos. E o projeto Amazônia Azul será bancado pela IV Frota, já que os ativos a serem defendidos serão os deles."

Em 2018, nada será como antes


"Pesquisas mostram que Lula é o favorito para 2018 mas as críticas duras do reitor alagoano que denunciou 'alianças espúrias' mostram que os tempos também não mudaram", escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247". 

Para PML, "ao contrário do que aconteceu nas campanhas eleitorais anteriores, nada garante que o apoio da base da sociedade está assegurado e basta correr para um acordo junto às cúpulas para vencer". 

"Para os eleitores, o golpe que afastou Dilma foi um aprendizado na tragédia, que se revelou uma das maiores de nossa história republicana. Com um papel decisivo em 2018, a lealdade do eleitor deve ser cultivada e alimentada. Mais do que nunca a identidade de Lula e a clareza de sua mensagem têm imensa importância".

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

PT pede reação contra a "venda do Brasil"

Temer, o traidor da Pátria, está fazendo isso na maior cara de pau

Em dura nota contra o anúncio de liquidação do patrimônio público pelo governo de Michel Temer, a Executiva Nacional do PT disse que o real motivo das privatizações é a realização de "grandes negociatas que enriquecerão golpistas e seus sócios".

"O golpe sempre teve com agenda principal fazer o país retroceder ao estágio de um Brasil colônia, país pequeno, dependente, tecnologicamente atrasado e submisso aos interesses do grande capital internacional". 

"No país do golpe, as grandes decisões são tomadas em Washington e Wall Street. E a ordem é vender o Brasil. A ordem é pilhar o Brasil", diz o partido presidido pela senadora Gleisi Hoffmann.

PT conclama a população e as forças nacionais a resistirem de todas as formas a "esses crimes contra a Nação".

Recurso de Dilma contra o golpe fez aniversário e continua na gaveta

O processo continua engavetado por que pode ser favorável ao PT?

Desde 29 de setembro de 2016, o Supremo Tribunal Federal mantém na gaveta o recurso da presidente deposta Dilma Rousseff sobre a legalidade do processo de impeachment que a afastou do Palácio do Planalto no ano passado.

O processo está no gabinete do ministro Alexandre de Moraes e aguarda manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Na peça, assinada pelo ex-ministro José Eduardo Cardozo, que defendeu Dilma no processo, a petista pede a anulação de sua condenação, determinada pelo Senado em 31 de agosto, por não haver "motivos jurídicos plausíveis ou de justa causa que amparem a condenação".

Processo contra Lula no TRF está acelerado

Se fosse contra o Aécio Neves teria a mesma celeridade?

Em apenas sete horas, o relator do processo do triplex do Guarujá, o desembargador João Pedro Gebran Neto, deu um despacho sobre o caso.

"A sentença do juiz Sérgio Moro no caso do triplex foi exarada em 12 de julho passado. No dia 31 de julho, dentro do prazo, a defesa de Lula informou que apelaria da sentença. O processo foi remetido então para o TRF4". 

"Chegou ontem às 11:04. Às 17:45 houve a remessa interna para o relator. Às 18 horas, o relator Gebran processou o despacho para intimar a defesa para apresentar as razões recursais. O prazo de 7 horas é o menor já registrado no TRF4 dentre todos os prazos de processos analisados", relata o jornalista Luis Nassif, para quem a rapidez já demonstra a parcialidade do órgão.

Lula, Renan e outras alianças necessárias


"É verdade que o PMDB apunhalou o PT e Dilma, e que o próprio Renan votou a favor do impeachment no ano passado. Mas não menos certo é que Lula precisará, sim, de refazer alianças para além da esquerda, vale dizer, para além do PC do B, dos movimentos sociais organizados e quem sabe, do PDT e do PSB, pois é cedo para saber como marcharão eleitoralmente estes dois antigos aliados no pleito de 2018", analisa Tereza Cruvinel, sobre o encontro entre Lula e Renan Calheiros em Alagoas, que provocou irritação em muitos petistas.

"Se Lula ganhar, será preciso ter maioria para governar, ou haverá novo golpe. Alianças continuarão sendo necessárias, embora os erros cometidos na montagem da base lulista não possam também ser repetidos", lembra a jornalista.

Filho de Zé Alencar pode ser vice de Lula


Líder absoluto em todas as pesquisas de intenção de voto para a Presidência em 2018, Luiz Inácio Lula da Silva pode ter como vice em sua chapa o empresário mineiro Josué Gomes da Silva, de 53 anos.

O presidente da Coteminas, Josué é filho do ex-vice-presidente José Alencar, eleito numa dobradinha com Lula em 2002 e 2006 e que morreu em março de 2011.

No PT, a avaliação é de que Josué como candidato a vice pode ajudar Lula a reconquistar o apoio do empresariado.

“O nome do Josué sempre foi lembrado e admirado por nós para ser alguém que nos ajude na nova política que o Brasil precisa. São pessoas como ele que o PT precisa trazer para perto”, disse o senador Jorge Viana (PT-AC), um dos parlamentares mais próximos do ex-presidente.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Geddel desafia PF e se recusa a desbloquear celular com biometria


Réu por obstrução de justiça, o ex-ministro baiano Geddel Vieira Lima (PMDB) se recusou a ajudar a Polícia Federal no acesso ao conteúdo de um dos seus celulares apreendidos.

Interrogado pelos agentes federais, Geddel foi informado de que as duas senhas fornecidas por ele para desbloquear o equipamento não funcionaram.

Ele disse que estava com dificuldade de se recordar da Senha porque costumava usar a digital para destravar o aparelho.

A PF pediu a ele que usasse a digital, mas o auxiliar de Michel Temer se recusou.

Lula chega a Alagoas e troca afagos com senador Renan Calheiros

Marlene Bergamo/Folhapress

Colegas de partido do presidente Michel Temer, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e seu filho, o governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB), foram às margens do rio São Francisco, nesta terça (22), recepcionar o ex-presidente Lula em sua chegada ao Estado.

Em um barco, o petista deixara para trás o vizinho Sergipe. Sobre um carro de som à beira do rio, pai e filho exaltaram o visitante.

Renan afirmou que Lula fez um "governo do povo para o povo, diferentemente deste governo de agora" com o qual não poderia concordar.

Com mandato que acaba no ano que vem, o senador tem se distanciado progressivamente do governo federal e feito um discurso mais à esquerda e de oposição às medidas liberalizantes de Temer. Renan deverá tentar a reeleição em um Estado no qual a popularidade de Lula é mais alta que a média nacional.

"O governo está flexibilizando direitos do trabalhador, oprimindo as pessoas mais pobres da federação", discursou o peemedebista, queixando-se de cortes na área social. Disse ainda que a população de Alagoas deveria defender com forças o estado de bem-estar social, segundo ele, implementado pelo governo Lula.

Renan afirmou que os alagoanos receberiam Lula com destemor não só pelo que o ex-presidente já fez, mas pelo que "vai fazer para dar continuidade à melhoria das condições de vida do povo brasileiro". Minutos antes, Renan Filho afirmou que "Alagoas recebe o presidente Lula de braços abertos".

Pai e filho estarão mais uma vez ao lado de Lula nesta quarta (23) em Arapiraca, onde o ex-presidente receberá título de doutor honoris causa.

Em retribuição aos afagos, o petista elogiou a coragem do senador do PMDB. E reforçou os ataques a Temer. Criticando a decisão do presidente de vender a Eletrobras, Lula perguntou aos militantes petistas "para que a gente quer um presidente que não sabe governar, só sabe vender o que o Brasil tem".

"Que mulher casaria com um homem que, em vez de trabalhar para colocar dinheiro dentro de casa, resolve vender as coisas que ela tinha", perguntou.

Lula disse também que, antes respeitado intencionalmente, o "Brasil é avacalhado por conta da incompetência deste governo".

DILMA

Lula voltou a reclamar da gestão da afilhada Dilma Rousseff. Ao questionar os cortes orçamentários praticados por Temer, Lula afirmou: "Mesmo no começo do governo Dilma, quando ela fez o primeiro corte, eu disse que era um erro", afirmou o ex-presidente, listando medidas que adotaria para o aquecimento econômico.

Essa não é a primeira vez que Lula tenta se distanciar do governo Dilma ao longo da caravana nordestina.

Na Bahia, Lula disse que a petista era alvo de críticas e insinuou que poderia ter concorrido em 2014, se ela o tivesse procurado. Afirmou também que Dilma não aceitou sua proposta de convidar Henrique Meirelles para o governo. Em Sergipe, ele declarou que a sucessora reconheceria erros se estivesse ali presente.

Comissão aprova fim de coligação e cláusula de barreira em eleições proporcionais

Marcos Oliveira - 11.mar.2015/Agência Senado

Deputada Shéridan, que propôs flexibilizar regras para existência de nanicos

Folha, 23/08/2017 15h18

Uma das comissões que discute a reforma política na Câmara aprovou nesta quarta-feira (23) o fim das coligações para eleições proporcionais, a cláusula de barreira e cria federações e subfederações.

O texto-base da deputada Shéridan (PSDB-RR) foi aprovado simbolicamente. Ainda haverá votação de destaques que alteram a proposta da parlamentar.

Shéridan admitiu ter flexibilizado as regras para atender os partidos nanicos.

"Foi uma construção para compreender o maior número de partidos", afirmou a relatora.

Ela facilitou a existência dos chamados "nanicos", já que, com as alterações, a deputada ajudou esses partidos a acessar o dinheiro do fundo partidário e o tempo de propaganda gratuita no rádio e na TV.

Partidos com "afinidade ideológica e programática" poderão se unir em federações, com direito a acessar recursos do fundo partidário e tempo de rádio e televisão.

A novidade da nova versão do texto é a possibilidade de se fazer subfederações nos Estados com fins exclusivamente eleitorais, desde que se respeite o agrupamento feito em nível nacional.

Ou seja: se nacionalmente a federação for composta pelos partidos A, B, C e D, nos Estados, para as eleições, a federação pode ser formada, por exemplo, por A, C e D. No entanto, não pode ter no grupo estadual o partido E, que não está na federação nacional.

SUBFEDERAÇÃO

Como a subfederação vale apenas para as eleições, nas Assembleias Legislativas, A, B, C e D terão de atuar juntos.

Deputados do PMDB que eram contra a criação da subfedração foram enquadrados pelo partido. Eles haviam, inclusive, apresentado um destaque para retirar do relatório o trecho que trata do assunto.

"Entendo que é uma forma às avessas de se fazer uma coligação. Ocorre que a liderança do PMDB e as lideranças de vários partidos fizeram um acordo e nós tivemos que retirar o destaque. Como não vejo lógica, sou contra. Mas, nesta Casa, a gente constrói acordos, consensos. Se o consenso é este, tenho que aguentar minha ansiedade e tentar discutir a matéria em plenário", disse a deputada Laura Carneiro (PMDB-RJ).

Shéridan manteve a criação das federações e subfedrações em seu texto e negou que a novidade seja apenas uma maneira de manter as coligações sob outro nome.

"[A federação] estabelece condições. Hoje, se um cidadão registra um partido, a partir de amanhã ele já passa a receber o fundo partidário, a ter acesso ao tempo de rádio e TV. Estamos agora estabelecendo critérios para isso".

A federação é uma saída para salvar os partidos que não alcançarem os percentuais estabelecidos pela cláusula de desempenho.

Shéridan diminuiu o número mínimo de deputados que têm de ser eleitos para que se atinja a cláusula de desempenho.

FUNDO

Em 2018, terão acesso ao fundo partidário e à propaganda gratuita no rádio e na TV os partidos que obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Deputados, 1,5% dos votos válidos em ao menos nove Estados, com um mínimo de 1% em cada Estado ou que tiverem elegido ao menos nove deputados em nove Estados.

Em 2022, o percentual sobe para 2% dos votos válidos em nove Estados com um mínimo de 1% em cada Estado ou 11 deputados eleitos em nove Estados. Antes, eram 12 deputados.

Em 2026, o percentual será de 2,5%, com 1,5% dos votos válidos em cada Estado ou 13 deputados eleitos em nove Estados. Antes, o partido precisava ter 15 deputados eleitos.

A partir de 2030, a cláusula de barreira fica da seguinte maneira: os partidos precisam atingir 3% dos votos válidos nas eleições para a Câmara dos Deputados em ano menos nove Estados, com um mínimo de 2% dos votos válidos em cada um desses Estados.

A outra possibilidade é eleger 15 deputados em nove Estados, número que, antes, era 18.

No texto vindo do Senado, as regras eram mais duras para os nanicos.

Os partidos políticos precisariam, em 2022, de 3% dos votos válidos distribuídos por 14 Estados, com um mínimo de 2% dos votos válidos em cada um desses Estados. Em 2018, seriam 2% dos votos válidos em 14 Estados, com mínimo de 2% dos votos válidos em cada Unidade da Federação.

O texto da relatora também acaba com as coligações nas eleições proporcionais a partir de 2020, o que não é consenso, já que há quem defenda que isso ocorra já em 2018. Isso pode ser alterado por destaque.


Editoria de Arte/Folhapress

São Francisco: ele só falta andar sobre as águas

O povo conduz Lula

Conversa Afiada, 22/08/2017
Sem cenas montadas. Só povo (Reprodução/Twitter/Brasil de Fato)

De Fernando Brito, no Tijolaço:

Está sendo transmitida ao vivo a travessia de Lula, do jeito que dá, em meio à multidão, através do Rio São Francisco, na divisa entre Sergipe e Alagoas.

Nada de cenas hollywoodianas, produzidas, montadas.

Só gente, gente, gente e e mais gente. Todos querendo falar, tocar, abraçar um símbolo de uma vida que querem ter – e nem tiveram ainda, tanto.

É o que que os pretensiosos não entendem. Os homens nunca são tão grandes quanto é imensa a força de um povo.