Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de julho de 2017

“O que se tem aqui é luta pelo poder Executivo”


Enquanto mais da metade do eleitorado venezuelano passou parte do domingo na fila de votação para a escolha dos ocupantes das 545 cadeiras da Assembleia Constituinte, dois desembargadores brasileiros visitaram seis zonas eleitorais para controlar o sistema de votação do país. 

Embora tenham ocorridos casos já esperados de provocação e 14 mortes, a desembargadora Alice Birchal, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, e o desembargador Rui Portanova, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, ficaram convencidos de que a Venezuela possui um sistema de votação, moderno e confiável. 

Em entrevista por escrito ao 247, os dois advertem que o confronto a anterior continua: "o que se tem aqui é luta pelo Poder Executivo".

Mundo bizarro: deputado tatua o nome “Temer” no ombro em sinal de apoio


Deputado federal Wladimir Costa (SD-PA) fez uma tatuagem no ombro direito com o nome de Temer; "Quero escrever 'Temer, o único e verdadeiro estadista do Brasil".

A tatuagem, finalizada na última sexta-feira, 28, custou R$1.200 em seis vezes no cartão, diz o parlamentar, que ofereceu o seu voto do impeachment à mãezinha e depois soltou uma bomba de papel picado.

Queda de Temer virá pela crise, não pela moralidade


Jornalista Fernando Brito avalia que apesar da pesquisa Ibope dizendo que 81% dos brasileiros querem o afastamento de Michel Temer e a convocação de novas eleições, ele não será derrotado na Câmara.

"A temporada é de compras, em Brasília e Aécio Neves, no sábado, foi levar seu tabuleiro para Michel Temer, no Jaburu. Saiu de lá com um portfólio de bondades para prometer aos prefeitos ligados aos deputados e um apelo para que resista a entregar o comando do PSDB", diz Brito.

"A queda de Temer virá pela crise, não pela moralidade".

Pré-Sal bate novo recorde e o Campo de Lula é o maior produtor



Produção de petróleo no Brasil cresceu 0,8% em junho ante maio para 2,675 milhões de barris por dia (bpd), impulsionada pelo desenvolvimento de áreas do pré-sal, cuja extração ultrapassou o pós-sal pela primeira vez, apesar do desmonte da companhia promovido pelo presidente da estatal, Pedro Parente; Campo de Lula foi um dos que mais influenciaram no resultado de junho.

Na comparação com junho de 2016, a produção de petróleo no Brasil cresceu 4,5% no mês passado, segundo a ANP.

Enquanto a estatal levou 45 anos para alcançar seu primeiro milhão de barris, a produção do pré-sal superou o pós-sal em menos de dez anos, desde que a produção foi iniciada, em 2008, no governo Lula.

Janot volta a pedir a prisão de Aécio Neves


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, voltou a pedir, nesta segunda-feira, a prisão do senador Aécio Neves (PSDB-MG), em razão da propina de R$ 2 milhões paga pela JBS a seu primo Fred Pacheco.

Derrotado nas eleições presidenciais de 2014, Aécio foi o principal responsável pelo golpe de 2016, que instalou Michel Temer no poder.

Hoje, os dois estão entre os políticos mais repudiados do Brasil, com rejeições de 90% e 94%, respectivamente.

Caberá à primeira turma do Supremo Tribunal Federal decidir sobre a prisão de Aécio, que lançou o Brasil à maior crise de sua história.

domingo, 30 de julho de 2017

Constatação

"O SORRISO AINDA CONTINUA SENDO O ENCANTO MAIS REVELADOR AOS OLHOS DE QUEM O RECEBE..."

Coração do avesso

"EU NÃO TIVE TANTAS ESCOLHAS ERRADAS, APENAS PRECISAVA APRENDER UM POUCO...
EU TIVE QUE RASGAR MEUS VERSOS PARA DEPOIS LÊ-LOS...
TIVE QUE ESCUTAR TODA A CANÇÃO, PARA DEPOIS CHORAR...
TIVE QUE COLOCAR O CORAÇÃO DO AVESSO...
E NO AVESSO ME PERCEBI VIVA...
E NO AVESSO ME PERCEBI FORTE..."
(Lene Dantas)

Lula é imbatível!

Prende logo, Moro! Antes que seja tarde!

Conversa Afiada, 29/07/2017


Na primeira pesquisa realizada depois da condenação a nove anos e meio de prisão na Lava Jato, o ex-presidente Lula ainda lidera a corrida presidencial em todos os cenários testados pelo Instituto Paraná Pesquisas. Em uma primeira análise, o candidato do PSDB é o prefeito de São Paulo, João Doria. Neste caso, Lula tem 25,8% da preferência dos eleitores, seguido pelo deputado Jair Bolsonaro (18,7%) e por João Dória (12,3%).

Ainda pontuam na pesquisa o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa (8,7%), os ex-presidenciáveis Marina Silva (7,1%) e Ciro Gomes (4,5%), e o senador paranaense Alvaro Dias (3,5%). Além disso, 15,7% dos entrevistados disseram que não votariam em nenhum dos nomes indicados e outros 3,9% não souberam responder.

Em um segundo cenário, quando o candidato do PSDB é o governador de São Paulo Geraldo Alckmin, Lula aparece com índice maior, de 26,1%. Bolsonaro continua em segundo, com 20,8% das intenções de voto, seguido por Joaquim Barbosa (9,8%), Geraldo Alckmin (7,3%), Marina Silva (7%), Ciro Gomes(4,5%) e Alvaro Dias (4,1%). 17% dos eleitores não escolheriam nenhum dos indicados, enquanto 3,5% não souberam responder.

Segundo turno

O Instituto Paraná Pesquisas também fez simulações de segundo turno. Em todas elas, Lula sairia vencedor. Em uma disputa com Jair Bolsonaro, o petista tem 38,7% da preferência dos eleitores, contra 32,3% do deputado federal. Contra João Doria, seria 38,5% a 32,2% para Lula.

O ex-presidente também ganharia de Geraldo Alckmin por 39% a 26,9% – índice parecido a um eventual segundo turno entre Lula e Marina Silva: o petista levaria a melhor por 36,3% contra 29%. Num último cenário, Lula aparece com 37,1% diante de Joaquim Barbosa, que somou 31,1%.

(...) 

Sobre a pesquisa

O Instituto Paraná Pesquisas ouviu 2.020 eleitores em 156 municípios de 25 estados e no Distrito Federal. A pesquisa foi realizada entre os dias 24 e 27 de julho. O grau de confiança é de 95% e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

(...)

Moro mostra que não se arrepende de ter divulgado grampo de Dilma

Porque o Supremo que é o guardião da Constituição, não fez nada?

"Ao vazar as escutas, ilegais, pois ele não poderia divulgar conteúdo de conversa da presidente da República, Moro jogou gasolina na fogueira e interferiu no jogo político", comenta o jornalista Joaquim de Carvalho, do Diário do Centro do Mundo, sobre a entrevista do juiz Sergio Moro.

"Moro agiu ali para emparedar o Supremo, como fez outras vezes, e conservar Lula como presa da sua caçada particular", afirma Carvalho.

Tempestade de emails pede a deputados voto anti-Temer


"Desde sexta-feira as caixas postais eletrônicas dos deputados, especialmente os da base governista, começaram a ficar abarrotadas de mensagens de eleitores exigindo que votem a favor da licença para que Temer seja processado por corrupção passiva. Eles avisam aos deputados que estão sendo vigiados e que haverá ampla divulgação, na campanha eleitoral do ano que vem, dos nomes daqueles que votarem a favor de Temer", diz a colunista do 247 Tereza Cruvinel.

"Esta tempestade eletrônica deixa duas perguntas. Primeira: tão forte manifestação dos eleitores terá alguma influência sobre o voto dos deputados? Segunda: Se há tanto engajamento virtual, porque os atos contra Temer continuam sendo pouco expressivos", questiona Tereza.

Dilma diz que presidencialismo de coalizão precisa ser superado

Durante o depoimento que prestou como testemunha da senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, a presidente legítima e deposta Dilma Rousseff fez uma análise sobre o chamado presidencialismo de coalizão e sua decadência.

"É impossível ter 20 partidos, você não tem 20 programas para o Brasil. Então, a relação com a Presidência da República, posto que os 20 não pleiteiam a Presidência, é a seguinte: eu chego à Presidência de forma indireta, negociando cargos de um lado, emendas de outro, e todas as outras ações que existem no Congresso", relatou.

"Esta é a realidade e independe das pessoas. Este é um processo histórico que todos nós precisamos encarar que existe e que precisa ser superado, porque se não superado, este País não se moderniza. Porque modernizar não é tirar direito de trabalhador", acrescentou Dilma.

Vestido usado por Sasha Meneghel em baile de Leonardo DiCaprio custa R$ 4.990,00

Prestes a completar 19 anos, Sasha Meneghel ousou com um modelito transparente e decotado na festa beneficente da fundação de Leonardo DiCaprio na noite desta quarta-feira, em uma vinícola em Saint Tropez, na Riviera Francesa. A peça em questão é brasileira, da marca Le Lis Blanc, custa nada menos que R$ 4.990,00 e pode ser parcelada em até três vezes, segundo o site da loja.

O vestido longo usado pela filha da apresentadora Xuxa é feito em tecido leve com bordados aplicados, modelagem justa, decote redondo, recorte em tule, cintura marcada e zíper invisível atrás. Não ficou um arraso?

Antes da festa, a estudante de moda, que mora em Nova York, nos EUA, chegou a mandar uma foto com a roupa para a mãe, que está no Brasil, querendo saber a opinião da apresentadora.

"Recebo esta foto com a seguinte pergunta...'mamis, estou bem?'...então!?!?como posso responder essa pessoinha que eu amo tanto??", escreveu Xuxa, toda orgulhosa, ao compartilhar o registro em seu Instagram.

Moro volta ao local do crime do grampo

Globo vai lançar a chapa Bolsonaro-Moro!

Conversa Afiada, 30/07/2017

De uma entrevista do Imparcial Moro de Curitiba, no púlpito da Fel-lha:

Folha - Sobre as escutas que envolveram os ex-presidentes Lula e Dilma, o sr. escreveu que o conteúdo revelava tentativas de obstruir investigações. É possível entender que a medida de tornar público esse conteúdo tinha como objetivo proteger a Lava Jato?

A escolha adotada desde o início desse processo era tornar tudo público (para o PiG! - PHA), desde que isso não fosse prejudicial às investigações (quá, quá, quá! - PHA). O que aconteceu nesse caso [dos grampos de Dilma e Lula] não foi nada diferente dos demais. As pessoas tinham direito (sic) de saber a respeito do conteúdo daqueles diálogos. E por isso que foi tomada a decisão do levantamento do sigilo.

Um efeito indireto ao dar publicidade para esses casos foi proteger (quá, quá, quá!) as investigações contra interferências indevidas (quem ia interferir indevidamente? O Ministro Gilmar? O Rola-bosta?) . Afinal de contas, são processos que envolvem pessoas poderosas, política e economicamente (e daí? Quer dizer que rico não tem direito à Justiça de Curitiba? Me engana que eu gosto... - PHA). Na prática, pode haver tentativas. Então, tornar tudo público também acaba funcionando como uma espécie de proteção contra qualquer obstrução à Justiça (INACREDITÁVEL! - PHA). E isso é muito importante.

Foi seguida (sic) a Constituição. Dentro de uma democracia liberal (qual democracia? Uma em que ele é o ÚNICO juiz do Brasil Liberal? - PHA)como a nossa, é obrigatório (OBRIGATÓRIO? - PHA) que essas coisas (sic)sejam trazidas à luz do dia.

N a v a l h a

O Conversa Afiada já fez a cronologia desse crime de lesa-pátria, a partir, inclusive, de observações agudas da entrevista de Cristiano Zanin, valente de Lula à TV Afiada.

1) o Imparcial Moro grampeou uma Presidenta da República em exercício e um ex-presidente da República FORA, ALÉM do prazo legal;

2) O Ministro Teori do Supremo o recriminou - e não fez mais do que isso... - por esse gesto que perfura a Segurança Nacional - além de ser ILEGAL.

3) Em tempo record, com a ajuda, seguramente, da CIA e/ou da NSA, entregou o grampo à Globo Overseas e, não, à TV Afiada ou ao programa do Porchat!

Mas, à Globo!!!

Nos Estados Unidos, que inspira as operações de genuflexão do Imparcial Moro, o Imparcial Moro estaria sentado na cadeira elétrica à espera de a tomada ser ligada: um juizeco de primeira instância grampear uma Presidenta da República, no exercício da Presidência, SEM autorização legal!

Só aqui, nessa República Federativa da Cloaca.

Mas, aqui, ele pode tudo.


Ele pode até eleger o Bolsonaro!

Taí, breve o Ataulpho Merval poderia levar a Globo a lançar a chapa: Bolsonaro-Moro!

PHA

Temer torrou R$ 4,1 bi em emendas para se safar


Para conseguir o apoio parlamentar necessário para barrar a denúncia de corrupção apresentada por Rodrigo Janot, Michel Temer torrou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária.

Temer montou ainda uma verdadeira maratona de reuniões: recebeu mais de 160 deputados e senadores.

O peemedebista, no entanto, não deve ter muito tempo para comemorar; antes de deixar o cargo, Janot apresentará uma nova acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa.

Pela primeira vez, produção de pré-sal supera a do pós-sal


Dados inéditos da Agência Nacional de Petróleo mostram que, em junho, pela primeira vez na história, a produção brasileira de petróleo do pré-sal superou a do pós-sal.

Foram 1.352 milhão de barris contra 1.321 milhão.

A primeira extração do pré-sal começou há apenas nove anos.

Gleisi: na Venezuela, assim como no Brasil, a solução é o voto


"Aqueles que, aqui no Brasil, clamam por democracia na Venezuela deveriam começar a clamar por democracia também no nosso país, uma vez que ela foi usurpada por um golpe parlamentar que arrancou uma presidenta inocente e legitimamente eleita e que mantém no poder um corrupto comprovado, com altíssima rejeição popular". 

"Antes de bisbilhotar na casa dos outros, cuidemos da nossa. Na Venezuela, como no Brasil, a solução é o voto", diz a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), em artigo assinado em conjunto com Mônica Valente, secretária de Relações Internacionais do PT.

"Que democracia é essa na qual temos que aturar um criminoso?", questiona Aldir Blanc


"No momento em que escrevo, só 5% dos brasileiros aprovam o presifraude Temer. Que democracia é essa na qual temos que aturar um criminoso se ninguém o quer? Continua conspirando e subornando porque corrompe parlamentáveis prostituídos que o sustentarão desde que ele abra o cofre e as pernas para emendas (leia-se roubalheira)", escreve o músico Aldir Blanc em sua coluna neste domingo.

sábado, 29 de julho de 2017

Globo acaba de enterrar o Temer

Coronel Lima é o guarda-costas do ladrão

Conversa Afiada, 29/07/2017

De Diego Escostguy, na Época:

Demilton de Castro e Florisvaldo de Oliveira estavam suando. No estacionamento da JBS em São Paulo, eles tentavam, sem sucesso, enfiar uma volumosa caixa de papelão num limitado porta-malas de Corolla. Plena segunda-feira e aquele sufoco logo cedo. Manobra para cá, manobra para lá, e nada de a caixa encaixar. Até que, num movimento feliz, ela deslizou. Eles conseguiram. Estavam prontos para desempenhar a tarefa a que Florisvaldo fora designado. E que ele tanto temia.

Dez dias antes, Florisvaldo despencava até uma rua na Vila Madalena, também em São Paulo, para fazer uma espécie de “reconhecimento do local” onde teria de entregar R$ 1 milhão em espécie. Seu chefe, o lobista Ricardo Saud, havia encarregado Florisvaldo do delivery de propina para o então vice-presidente da República, Michel Temer.

O funcionário, leal prestador de serviço e carregador de mala, não queria dar bola fora. Foi dar uma olhada em quem receberia a bufunfa. Ao subir as escadas do prediozinho de fachada espelhada, deu de frente com a figura inclemente de João Batista Lima Filho, o coronel faz-tudo de Temer. “Como é que você me aparece aqui sem o dinheiro?”, intimou o coronel. “Veio fazer reconhecimento de que, rapaz?” Florisvaldo tremeu. “Ele me tocou de lá”, comentou com os colegas, ainda assustado. Receoso da bronca que viria também do chefe, Florisvaldo ficou quietinho, não contou a Saud que a entrega não fora feita.

Naquele 1º de setembro de 2014, Saud, o lobista, batia as contas dos milhões em propina que distribuía de lá para cá, para tudo que é político de tudo que é partido – a JBS não discriminava ninguém. “Cadê o dinheiro do Temer?” Florisvaldo admitiu sua falha. “Tá doido, Florisvaldo? Vai entregar esse dinheiro agora!” Lembrando da pinta do coronel, o funcionário replicou: “Só se o Demilton for comigo”. Toca Florisvaldo e Demilton a tentar enfiar a caixa com notas de R$ 50 no porta-­malas. Demilton, quatro décadas de empresa, é o planilheiro da JBS. A Odebrecht tinha o drousys, o software de distribuição de propinas. A JBS tem Demilton, exímio preenchedor de tabelas do Excel. Demilton topou ajudar o amigo. Os dois deixaram o estacionamento da JBS ao meio-dia. Florisvaldo, meio nervoso, tocou a campainha. Depois de instantes angustiantes, o coronel Lima apareceu. “Trouxeram os documentos?”, perguntou Lima. Florisvaldo já tomava fôlego para carregar a caixa de papelão escada acima, mas o coronel ordenou que o dinheiro fosse depositado no porta-­malas do carro ao lado. “Não tem perigo com essa parede espelhada aí?” Florisvaldo era todo paúra. “Não, fica tranquilo.” A transação estava completa.

(...) Assim que a delação da JBS veio a público, em maio, a força irrefreável das provas contra o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves, provas de crimes em andamento, assim como a crise política que se instalou imediatamente, escamoteou o poder igualmente destrutivo dos crimes pretéritos cometidos por executivos da JBS – e por centenas, talvez milhares, de políticos. As provas apresentadas foram largamente ignoradas. Como os delatores haviam fechado o acordo poucas semanas antes, a empresa ainda não tinha levantado tudo o que poderia e deveria, em termos de evidências para corroborar os crimes descritos nos anexos da colaboração. Agora, a um mês do prazo estipulado para entregar à Procuradoria-Geral da República todas as evidências necessárias, os delatores e a JBS já dispõem de um novo e formidável conjunto de documentos.

(...)

Lula vai encarar o Moro!

E vai novamente virar o Imparcial do avesso!

Conversa Afiada, 29/07/2017
(Crédito: Renato Aroeira)




Luiz Inácio Lula da Silva obteve importante vitória nesta sexta-feira (28) com o recuo do juiz Sérgio Moro, que, pressionado, aceitou colher novo depoimento presencial do ex-presidente no dia 13 de setembro.

Antes o magistrado da lava jato tinha estabelecido por videoconferência o interrogatório do petista, que, por meio de sua defesa havia protestado.

Moro acatou o argumento do advogado Cristiano Zanin Martins segundo qual é regra o interrogatório presencial do réu. “O interrogatório por videoconferência somente é excepcional”, peticionou.

Portanto, os movimentos sociais deverão novamente fazer caravanas rumo a Curitiba no dia 13 de setembro, a exemplo do que fizeram em 10 maio, quando 50 mil pessoas vieram à capital paranaense em solidariedade a Lula.

O novo cara a cara de Lula com Moro tem a ver com a suposta doação pela Odebrecht de um terreno para a construção da sede do Instituto Lula, mas a obra nunca aconteceu.

Olha no que deu...

Advogada analisa sentença de Moro contra Lula


Advogada e militante da área de Direitos Humanos Nathaly Munarini Otero analisa em artigo a sentença do Sérgio Moro que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e meio de prisão.

Advogada critica a decisão do juiz contra Lula à luz dos pensamentos de Cesare Beccaria, considerado o principal representante do Iluminismo penal, e filósofo Michael Foucault.

"Não é só um ser humano que perde a oportunidade de um julgamento justo, é a Justiça, que sendo obstruída do seu caminho natural de equidade acima de tudo, é colocada a postos de anseios pessoais e ardilosos", diz o trecho do artigo.

Lula venceria eleição, mesmo condenado

É Moro, não tem jeito mesmo! O povo sabe que o golpe piorou a vida de milhões de pobres.

A primeira pesquisa eleitoral realizada após a condenação de Luiz Inácio Lula da Silva pelo juiz Sérgio Moro mostra que o episódio não abalou as intenções de voto no petista.

Lula segue líder em todos os cenários e venceria as eleições de 2018; o levantamento foi feito pelo Instituto Paraná Pesquisas.

No cenário em que o candidato tucano é o prefeito de São Paulo, João Doria, Lula tem 25,8% da preferência dos eleitores, seguido pelo deputado Jair Bolsonaro (18,7%) e por João Dória (12,3%).

Lula vence todos os adversários no segundo turno.

São Paulo venceu Botafogo de virada na reestréia de Hernanes


A virada do São Paulo em sete minutos contra o Botafogo deixou o técnico Dorival Júnior surpreso e, segundo ele mesmo, sem palavras para explicar a construção do placar. Para o treinador tricolor, ninguém esperava a vitória por 4 a 3 no Engenhão depois de o time carioca abrir 3 a 1.

"Acho que é um fato importante, a primeira vitória [fora de casa] depois de muitas partidas. Mas a maneira como foi construída ninguém esperava. Eu estava tranquilo com o que a equipe estava produzindo. Me passa que as coisas podem ser revertidas. Mesmo com o resultado adverso, eu esperava que algo de bom acontecesse. Não uma virada, mas que terminasse o jogo numa condição melhor", ressaltou o treinador são-paulino.

O comandante são-paulino ainda exaltou a postura da torcida, que compareceu em bom número no Engenhão. Na última segunda-feira, no empate por 1 a 1 com o Grêmio, o São Paulo bateu o recorde de público do Brasileirão.

"Uma torcida que leva 50 mil no Morumbi numa segunda-feira está abraçando a equipe e botando a cara. Essa demostração foi fundamental. Passou confiança aos jogadores. Espero que continue assim. Será fundamental novamente para sair dessa condição que incomoda a todos", disse Dorival, que ressaltou a importância da vitória.

"Normal que depois de uma virada como essa o time comece a acreditar um pouco mais e os jogadores passar a readquirir uma confiança maior. Em cima disso a produtividade de cada um melhore. Individualmente melhor é natural que coletivamente a equipe melhore ", frisou.

Os deputados irão salvar Temer 5%


"Nos próximos dias, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), poderá colocar em votação a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Michel Temer, em que ele é acusado de corrupção passiva, num caso inédito na história do Brasil". 

"A votação ocorrerá sob o impacto da pesquisa CNI/Ibope, divulgada nesta quinta-feira, que mostrou que Temer é aprovado por apenas 5% dos brasileiros, ou seja, os deputados que votarem com Temer estarão votando contra a maioria absoluta da população e, portanto, contra os interesses de seus próprios eleitores", diz o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247.

"Que cada deputado calcule o custo-benefício de sua decisão e que os eleitores não tenham memória curta"

Pergunta que não quer calar

Quais deputados votarão para salvar o Temer 5%?

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Grana do Meirelles rende o dobro da Selic!

Fundo rendeu 32% desde que assumiu o ministério

Conversa Afiada, 27/07/2017

Do Buzzfeed:


O fundo que administra uma parte da fortuna do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, rendeu 32% desde maio de 2016, quando ele assumiu a pasta. Esse desempenho é mais que o dobro da Selic, a taxa básica de juros e referência para investimentos.


Créditos: Nacho Doce/Reuters

De acordo com o ministro, ele usa um "blind trust" para administrar seus investimentos. Em outras, palavras, um gestor tem carta branca para escolher onde colocar o dinheiro e, segundo o ministro, ele não interfere nas decisões.

Da fortuna do ministro, cerca de R$ 50 milhões estão num fundo de investimento Brasil, o "Sagres Fundo de Investimento Multimercado Crédito Privado Investimento no Exterior". Esse foi o valor de cotas que a empresa de Meirelles transferiu para ele em setembro de 2016.

Com o CNPJ do fundo, o BuzzFeed comparou os rendimentos da carteira em três serviços disponíveis nos site de corretoras.

Esse é o gráfico do desempenho do fundo desde 2012, comparado com um rendimento próximo com a Selic, a taxa básica de juros e principal referência nos títulos do tesouro.

Via verios.com.br

Os dados mostram o seguinte. Desde 2012, o fundo tinha rendimento similar a um de renda fixa, como um título do Tesouro com rendimentos da Selic. Houve, inclusive, um momento de rendimento negativo, entre agosto de 2015 e março de 2016.

Os ventos começaram a mudar em março, quando o governo Dilma já dava sinais de que estava perto do fim e o mercado financeiro entrava em viés de alta. Naquele mês, o impeachment avançou na Câmara, o ex-presidente Lula foi alvo de uma operação da Polícia Federal e sua nomeação para ministro da Casa Civil foi barrada.

Essa combinação de más notícias para o governo do PT representou otimismo no mercado de investimentos. Foi justamente nesse período que o fundo ligado a Henrique Meirelles começou a acelerar até se distanciar da Selic e decolar.

Aqui, está o rendimento do fundo desde 12 de maio de 2016, quando Meirelles assumiu o governo.

Em verde, o fundo ligado a Henrique Meirelles se distancia (e muito) da Selic. Via xpi.com.br.

Aqui está o rendimento da carteira entre 2012 e maio de 2016.

Reprodução: Buzzfeed

Em números, os serviços de comparação de fundos mostram um desempenho muito acima da média com Meirelles à frente. Quem investiu dede 12 de maio de 2016 a junho deste ano, teve o seguinte rendimento:

Renda fixas com rendimento próximo da Selic (101% do CDI) - 15%
Índice Ibovespa, da Bolsa de Valores - 18%
Fundo de investimento Sagres - 32%.


No mundo dos investimentos, a taxa de comparação é o CDI, similar à Selic do governo federal. Na ponta do lápis, o fundo rendeu 219% do CDI.
Distribuição

O ministro não esclareceu desde quando é cotista. De acordo com os registros da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), desde de junho de 2012 o fundo só tem um cotista pessoa física.

Até março deste ano, o gestor do fundo Sagres permitia à CVM divulgar a carteira de investimentos. Naquele mês, por exemplo, o fundo tinha cerca de R$ 20 milhões em cotas de outros fundos e R$ 47 milhões em títulos públicos.

Esse gráfico, produzido pela CVM, mostra a distribuição dos investimentos em maio de 2017, último mês disponível.

Reprodução: Buzzfeed

OUTRO LADO

Em nota, Henrique Meirelles disse que recebeu os valores em razão de consultoria prestadas a grandes empresas, como a J&F, Lazard e KKR.

O ministro ressalta que não tem interferência sobre seus investimentos:

"O ministro confia integralmente nas instituições financeiras brasileiras. O ministro aconselha investidores a deixar seus recursos no Brasil porque o país oferece melhores relações de risco/retorno.

Os recursos são administrados por gestor independente sem interferência do ministro, figura conhecida como blind trust, para evitar conflitos de interesse".

Conteúdo relacionado

Sem verbas, universidades federais demitem terceirizados, cortam bolsas e paralisam obras

Os coxinhas não farão nada?

O contingenciamento de verbas anunciado pelo governo temer em março atingiu R$ 3,6 bilhões de despesas diretas do Ministério da Educação (além de R$ 700 milhões em emendas parlamentares para a área de educação) e afetou diretamente o funcionamento das universidades federais.

Sem verbas, elas vivem uma rotina de penúria, com demissão de terceirizados, cortes de bolsas e obras e investimentos paralisados.

Moro, compare o Meirelles ao Dirceu

Nem o rufião confia no bordel que dirige...

Conversa Afiada, 27/07/2017

De amigo navegante:

Viu o Buzzfeed: o Meirelles recebeu 217 milhões por assessoria até para a J&F?

Viu o Brito, que achou o "japa" do Meirelles nas Bahamas?

Agora, compare com o José Dirceu: R$ 40 milhões em 10 anos, para 60 empresas, com 85% dos gastos em custeio pessoal, impostos e juros.

Diante do Meirelles, o Dirceu é uma formiguinha.

O Meirelles não investe no Brasil, não é isso?

Como diz aquele teu navegante: nem o rufião confia no bordel dele...

Meirelles será destruído na Globo (aqui chamada de Overseas - PHA ), preso, condenado como o Dirceu foi?

Moro condenou o Dirceu à prisão perpétua só com delações hoje desmentidas.

Mas ele, Meirelles, como os tucanos, não precisam comprovar que deram consultoria - na verdade, lobby - e de bilhões, não é isso?

É.

PHA

Desemprego fecha em 13%. Com Dilma, taxa foi de 4,8%


Indicador divulgado pelo IBGE nesta sexta-feira revela a catástrofe brasileira: depressão econômica produzida pelo golpe produziu 13,5 milhões de desempregados.

No fim de 2014, último ano em que a presidente Dilma Rousseff conseguiu governar, o Brasil alcançou a menor taxa de desemprego de sua história, que era de 4,8%.

O estrago foi consequência da sabotagem promovida pelo Congresso, capitaneada por Aécio Neves e Eduardo Cunha com o "quanto pior, melhor", para promover o golpe, e da quebra de setores como os de construção, óleo e gás e indústria naval.

Constatação

Dada a baixíssima popularidade de Temer, os deputados que votarem NÃO a aceitação da denúncia contra o presidente golpista, têm coragem de mamar em onça.

Temer e Meirelles, o ministro que não é daqui, produzem o maior rombo fiscal da História


O setor público registrou um rombo fiscal de R$ 19,5 bilhões em junho, segundo divulgou o Banco Central nesta sexta-feira.

Esse foi o pior resultado para o mês na série histórica iniciada em dezembro de 2001 e o déficit acumulado em doze meses já soma R$ 167,2 bilhões – R$ 28,2 bilhões acima da meta que já prevê um rombo de R$ 139 bilhões.

A presidente legítima Dilma Rousseff, que foi vítima de um golpe parlamentar sob a acusação de "pedaladas fiscais", produziu resultados muito melhores do que os de Michel Temer e Henrique Meirelles.

Aliados do Palácio do Planalto já trabalham para ampliar em R$ 30 bilhões a meta do rombo previsto em 2017 – o que pode levar à queda de Meirelles.

"Toma lá, dá cá do governo Temer é quase sexo explícito", diz Celso Amorim

Tá escancarado

Mais longevo chanceler brasileiro, o ex-ministro das Relações Exteriores e da Defesa Celso Amorim criticou duramente o sistema de "toma lá, dá cá" implantado nas relações entre o governo Michel Temer e o Congresso.

"Nunca vi uma coisa assim tão escancarada. É quase sexo explícito", disse Amorim à BBC Brasil.

Ele também, criticou a política externa do governo Temer, que reduziu a condição do Brasil de protagonista internacional a um mero coadjuvante.

"Nos melhores momentos, (a política externa) é passiva. Nos piores, é desastrada", destacou.

Amorim também disse acreditar que a presidente Dilma Rousseff foi vítima de um golpe parlamentar e que as eleições de 2018 devem contar com a participação do ex-presidente Lula, já que ele seria o único o a reunir condições capaz de derrotar "as ameaças de direita e de extrema-direita"; "Nessa coisa não tem que ter plano B", afirma.

Só 11% preferem Temer a Dilma. E agora, CNI?


O dado mais relevante da pesquisa CNI/Ibope revela que apenas 11% dos brasileiros consideram o governo de Michel Temer, conquistado por meio de um golpe parlamentar, melhor do que o da presidente legítima e deposta Dilma Rousseff; para 52%, Dilma fazia um governo melhor e para 35% as duas administrações se equivalem.

O dado é uma paulada para a própria Confederação Nacional da Indústria, presidida por Robson Andrade, que pagou a pesquisa Ibope e esteve na linha de frente do apoio empresarial ao golpe.

O curioso é que a troca de governo foi um desastre para a própria indústria, que não para de acumular resultados negativos.

Diante da catástrofe, Robson Andrade deveria pedir desculpas ao País e os industriais fariam bem se buscassem um comando empresarial mais alinhado com a democracia e com a defesa dos interesses nacionais.

Golpe zerou investimentos e irá gerar clamor do PIB por desenvolvimento


O corte anunciado nesta quinta-feira nas verbas do Programa de Aceleração do Crescimento revela o óbvio: o Brasil pós-golpe está literalmente quebrado; o desastre começou em 2015, quando o senador Aécio Neves (PSDB-MG), recordista de inquéritos na Lava Jato, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), condenado a quinze anos de prisão, e Michel Temer, primeiro ocupante da presidência denunciado por corrupção, se uniram para sabotar o Brasil com a política do "quanto pior, melhor".

Depois de quebrar o Brasil para assaltar o poder, continuaram quebrando o País, com aumentos salariais para o funcionalismo e emendas para parlamentares, para manter o poder que haviam roubado.

Agora, com o Brasil à míngua e sem investimentos, só a volta do desenvolvimentismo, que prevaleceu nos governos Lula e Dilma, poderá tirar o Brasil do atoleiro.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Meirelles ganhou, em um ano “25 Lulas” em consultorias


"Meirelles recebeu, em um ano, para vender seus próprios serviços como palestrante e orientador de investimentos, 25 vezes o que Lula recebeu ao longo de seis anos, e depositado direitinho aqui no Banco do Brasil, enquanto Meirelles tem o seu com um trustee – igual ao de Eduardo Cunha – lá fora", diz o jornalista Fernando Brito sobre a revelação a respeito do ministro da Fazenda.

Temer sai do espeto e cai na brasa


"Apesar dos 94% de rejeição e da mala com R$ 500 mil recebida pelo emissário Rocha Loures, Temer vai escapar da denúncia de corrupção mas pode ser derrubado pelos custos do salvamento", avalia a colunista do 247 Tereza Cruvinel.

"Se não cai por corrupção, Temer pode ser derrubado pela inviabilidade econômica de seu governo. Esta estratégia política da parte da elite que deseja se livrar dele foi claramente traduzida editorialmente nesta quarta-feira pelo noticiário das Organizações Globo. Este é o tom em todos os veículos do grupo", diz.

"O colapso fiscal é uma realidade, não é retórica dos que desejam trocar Temer por um preposto menos vulnerável, com melhores condições para tocar a agenda de contrarreformas. Mas agora, começou a ser usado como munição".

Lula pede novo encontro cara a cara com Moro


Em petição protocolada nesta quarta-feira, 26, a defesa do ex-presidente questiona a decisão do juiz federal Sérgio Moro de alterar para o modo de videoconferência o depoimento de Lula em outra ação penal da Lava Jato.

O advogado Cristiano Zanin Martins, argumenta que não há nenhuma justificativa concreta para Lula não prestar pessoalmente esclarecimentos ao magistrado.

"Nenhuma alegação de 'gastos desnecessários' se mostra juridicamente válida para alterar a regra do interrogatório presencial estabelecida na lei", diz o advogado.

A defesa anunciou também que irá gravar o depoimento independente do sistema de gravação da Justiça Federal de Curitiba.

Financial Times: “Comprem o Brasil, está barato”


Jornal britânico Financial Times traz reportagem com uma foto de plataforma da Petrobras, onde diz: "Investidores estrangeiros sustentam o Brasil a atravessar recessão".

FT destaca que parte dos supostos investimentos é empréstimo das empresas para as suas próprias subsidiárias no país,"efetivamente negócios cambiais que visam tirar proveito das altas taxas de juros do Brasil".

"É o Brasil na xepa, apregoado por senhores muito distintos, em ternos de Miami, que, em nome da moralidade, praticam o ato mais imoral para alguém: trair seu próprio país", comentou o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço.

Meirelles, ministro da Fazenda do Brasil, não investe no Brasil!

Vai repatriar ou vai se esconder?

Conversa Afiada, 26/07/2017


O Conversa Afiada reproduz devastadora reportagem de Filipe Coutinho, do Buzzfeed:

Homem mais poderoso da economia do país, o ministro da Fazenda Henrique Meirelles recebeu, três meses antes de assumir a pasta, R$ 167 milhões em contas que ele mantinha no exterior e que foram usadas para receber pagamentos de grandes empresas, incluindo a J&F, do delator Joesley Batista.

O ministro recebeu, ainda, outros R$ 50 milhões quatro meses depois de ocupar a Fazenda.

As duas transações foram feitas para Meirelles a partir das contas da empresa de consultoria dele, cujo nome atual é HM&A. Nos dois casos, o objeto da empresa, até aquele momento, era assessorar grandes empresários, dar palestras e fazer investimentos.

As informações constam de documentos públicos produzidos pela própria empresa de Meirelles, registrados na Junta Comercial de São Paulo e obtidos pelo BuzzFeed.

Apesar de ter mantido esta fortuna fora do país quando era consultor de grandes empresas, Meirelles, agora ministro, disse em nota que "confia integralmente nas instituições financeiras brasileiras e aconselha investidores a deixar seus recursos no Brasil porque o país oferece melhores relações de risco/retorno".

Procurado, o ministro afirmou que os pagamentos foram feitos fora do país porque seus contratantes eram empresas globais.

Disse, ainda, que os R$ 167 milhões referem-se a serviços prestados nos últimos anos, mas só pagos em 2015, com valores compatíveis ao do mercado. Meirelles diz ainda que confia nas instituições brasileiras e que hoje os valores estão num fundo de investimento mantido no Brasil. A íntegra das respostas pode ser lida ao final do texto.

O CAMINHO DO DINHEIRO

As movimentações milionárias do ministro da Fazenda começam em 1º de fevereiro de 2016. Naquele momento, o processo de impeachment contra Dilma Rousseff já avançava e não era segredo para ninguém que Henrique Meirelles era o favorito para assumir o Ministério da Fazenda, caso Michel Temer virasse presidente.

Naquele dia, às 17h, uma reunião na empresa de Meirelles, no edifício Bachianas, na região de Alto de Pinheiros, área nobre de São Paulo, tratou da distribuição dos lucros de 2015. A economia do país teve uma forte queda em 2015, mas para Meirelles foi um período de prosperidade: lucro de R$ 215 milhões.

Desse montante, Henrique Meirelles decidiu pegar para si R$ 167 milhões. O valor era tão grande que até digitaram o número errado. Primeiro, R$ 167.955.500,00 _ um ano depois, corrigiram para R$ 167.995.500,00.

A ata da reunião de 1º fevereiro de 2016, obtida pelo BuzzFeed, deixa claro que a origem do dinheiro eram contas mantidas fora do país. E que Meirelles, inclusive, pode continuar a manter esse montante no exterior.

Ou seja, o ministro da Fazenda preferia manter seu dinheiro fora do país (Reprodução: Jucesp/Buzzfeed)

Segundo a nota enviada pela assessoria de Meirelles, "em 2015, foi registrado o recebimento de rendimentos de serviços prestados ao longo de quatro anos para várias empresas, em projetos de duração variável completados em 2015", diz a nota.

Entre essas empresas, de acordo com o ministro, estão as instituições financeiras norte-americanas Lazard e KKR.

Nesse mesmo ano de 2015, Henrique Meirelles também prestou consultoria para uma das mais poderosas (e corruptas) empresas do Brasil, a J&F, que possui marcas como JBS e Friboi.

Esse grupo era controlado por Joesley Batista, aquele que gravou o presidente Michel Temer e depois fez delação. Na conversa gravada, aliás, Meirelles é citado abertamente como alguém alinhado com o presidente Temer e, ao mesmo tempo, próximo ao empresário.

Depois da delação vir à tona, Temer passou a chamar Joesley de "bandido confesso."

Procurado, o ministro não detalhou quanto recebeu de cada uma das empresas que o contrataram.

O BuzzFeed perguntou a Meirelles se entre os valores recebidos estava dinheiro da J&F. Essa foi a resposta: "É fato público que o ministro orientou a construção da plataforma digital do Banco Original e, portanto, foi remunerado pelo serviço prestado".

No dia 11 de maio, o Senado começava a sessão que varou a madrugada e selou o afastamento de Dilma Rousseff da presidência. Naquele mesmo dia, Henrique Meirelles renunciou ao cargo de presidente da sua empresa de consultoria.

Reprodução: Buzzfeed

No dia seguinte, seu nome foi anunciado como novo ministro da Fazenda. E continuou como sócio da empresa, embora afastado da presidência da firma.

O FUNDO

Mesmo no governo, Henrique Meirelles fez uma nova distribuição de lucros, em 12 de setembro de 2016, quando ocupava a pasta há quatro meses. Advogados de Meirelles se reuniram e, por procuração, definiram que fariam um balanço parcial da movimentação financeira da empresa em 2016, até 30 de abril. Era justamente o mês que antecedeu à posse na Fazenda.

O valor do lucro de apenas quatro meses do ano de 2016 foi de R$ 50 milhões. Nesse caso, a distribuição foi por meio da transferência para Meirelles da custódia de cotas da sua empresa no fundo de investimento cujo nome completo atual é: "Sagres Fundo de Investimento Multimercado Crédito Privado Investimento no Exterior".

Reprodução: Buzzfeed

O fundo era administrado pelo banco Citibank e atualmente é pelo Bradesco.

A posição de Meirelles nesse fundo é relevante. Segundo dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), eram apenas três cotistas naquele mês_ duas pessoas jurídicas e uma pessoa física, que possuía 68% do patrimônio. O fundo, aliás, tinha como patrimônio líquido R$ 77 milhões em setembro de 2016.

Reprodução: Buzzfeed

Naquele mês, de acordo com a CVM, a composição dos investimentos era cotas em outros fundos, operações na Bolsa de Valores e renda fixa.

Há ainda títulos do Tesouro que, naquele mês, representavam 65% do fundo. A maior parte (47% do fundo) é atrelada à taxa Selic. Essa taxa está em queda desde que Temer assumiu a presidência. Isso não significa que o fundo de Meirelles tem rentabilidade negativa _ apenas que o ritmo de crescimento destes títulos desacelerou.

Outra parte do fundo, 17%, estava em títulos do tesouro vinculados à inflação. A rentabilidade de curto prazo desses papeis pode oscilar muito, para mais ou para menos, numa modalidade chamada marcação a mercado. Não é possível, contudo, afirmar se houve valorização desses títulos específicos do fundo porque isso depende da taxa inicial da compra.

Meirelles diz que não interfere no fundo. "Os recursos são administrados por gestor independente sem interferência do ministro, figura conhecida como blind trust, para evitar conflitos de interesse", diz a nota.

CONSULTOR DE EMPRESÁRIOS

Foi só em outubro de 2016, cinco meses após entrar para o governo, que Henrique Meirelles deixou oficialmente de ter uma empresa de consultoria para megaempresários. O objeto da HM&A passou a ser administrar bens, alugar e comprar imóveis, além de fazer investimentos.

O BuzzFeed questionou porque essa mudança aconteceu só quando Meirelles já estava no ministério, mas não houve resposta.

Reprodução: Buzzfeed

Os dados da empresa de Meirelles mostram que o patrimônio do ministro segue crescendo. Só em 2016 o capital próprio da empresa rendeu, de juros, R$ 3 milhões. O dinheiro foi direto para a conta do ministro da Fazenda.

O documento deixa em aberto em qual conta: "mantidas em instituições financeiras nacionais ou estrangeiras, no Brasil ou no exterior".


A íntegra das resposta do ministro Henrique Meirelles:
1-Por que, em fevereiro de 2016, Henrique Meirelles decidiu receber de lucros R$ 167 milhões referente ao ano de 2015?

É frequente a distribuição de dividendos neste período por empresas. Em 2015, foi registrado o recebimento de rendimentos de serviços prestados ao longo de quatro anos para várias empresas, em projetos de duração variável completados em 2015.

2-Há alguma relação com o processo de impeachment e a possibilidade de assumir a Fazenda?

Nenhuma. Não existia o convite naquele momento.

3-Os documentos são categóricos em afirmar que os valores foram recebidos e mantidos no exterior. Quem pagava o ministro fora do país? Por que esses pagamentos foram feitos fora do país?

Os pagamentos foram feitos por serviços prestados à empresas globais. Foi conveniência destas empresas globais pagar fora do país.

4-Por que o ministro mantinha os valores fora do país? O ministro não confiava nas instituições financeiras brasileiras? O ministro, enquanto investidor, sugere a outros investidores deixar fora do país?

O ministro confia integralmente nas instituições financeiras brasileiras. O ministro aconselha investidores a deixar seus recursos no Brasil porque o país oferece melhores relações de risco/retorno. Os recursos são administrados por gestor independente sem interferência do ministro, figura conhecida como blind trust, para evitar conflitos de interesse.

5-O ministro declarou esse dinheiro fora do país no Imposto de Renda?

Os valores foram declarados no imposto de renda e pagos os impostos municipais e federais. Além disso, foram declarados às demais autoridades competentes.

6-Ao receber esses R$ 167 milhões em lucro, o ministro manteve esse montante em contas fora do país? Ou trouxe para o país?

Veja resposta da pergunta 4.

7-Para quem o ministro prestou serviços em 2015 que justificasse esses R$ 167 mi?

Durante anos, o ministro prestou serviço para uma série de empresas, como Lazard, J&F, KKR, etc, além de participar de diversos conselhos. O ministro foi presidente de grande instituição global e manteve o padrão de rendimentos consistente com sua experiência.

8-Há, nesse montante, valores recebidos em razão dos serviços prestados para a J&F?

É fato público que o ministro orientou a construção da plataforma digital do Banco Original e, portanto, foi remunerado pelo serviço prestado.

9-Por que, em setembro de 2016, o ministro resolveu fazer uma nova distribuição de lucros, sobre o período de janeiro a 30 abril de 2016?

Exatamente porque foi encerrado um balanço em abril, para deixar claro e transparente o corte em relação ao período anterior à nomeção para o Ministério, como recomenda a ética pública.

10-Há alguma relação com o fato de ter assumido a Fazenda dias depois?

A explicação está na resposta anterior.

11-Para quem o ministro prestou serviços nesse período?

Já respondido na pergunta 7.

12-Por que essa distribuição de lucros, no valor de R$ 50 milhões, foi feita mediante a transferência de cotas do fundo Sagres Multimercado para a pessoa física do ministro?

Veja resposta à pergunta 4.

13-Desde quando o ministro ou sua empresa é cotista?

Como já repetido, o fundo é administrado por um gestor de recursos independente.

14-O ministro continua cotista deste fundo? Se não, quando saiu? Por quê?

Veja resposta à pergunta 4.

15-Segundo dados oficiais da CVM, o fundo tinha, naquele setembro de 2016, apenas uma pessoa física como cotista, com 76% do patrimônio. O ministro, por ter um peso tão grande no fundo, tinha alguma ingerência nas decisões de investimento do fundo?

Veja resposta à pergunta 4.

16-O ministro vê algum tipo de conflito de interesse em ser cotista de um fundo administrado pelo Bradesco?

Veja resposta à pergunta 4.

17-O ministro vê algum tipo de conflito de interesse em ser cotista de um fundo com operações na Bolsa e com títulos do Tesouro?

Não. Conforme já foi dito, o fundo é totalmente administrado por um gestor independente.

18-Por que o ministro não tem investimentos em bancos públicos?

Veja resposta à pergunta 4.