Pesquisar este blog

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Brasil, um pária nas relações internacionais


"Angela Merkel visitou a Argentina há poucas semanas e voou direto para o México, sem sequer fazer uma pequena escala em Brasília. Sergio Matarella, presidente italiano, também esteve recentemente em Buenos Aires e Montevidéu, mas evitou contatos com governo da 'turma da sangria.

Em janeiro, François Hollande esteve no Chile e na Colômbia, mas recusou-se a fazer visita oficial aos golpistas. Mesmo o generoso Papa Francisco tem se recusado a vir ao Brasil, maior país católico do mundo, por receio a uma associação espiritual e moralmente condenável", aponta o colunista Marcelo Zero.

"Em meio à venda do pré-sal, de terras e do patrimônio público a preço de banana, em meio a exercícios militares conjuntos com os EUA na Amazônia, em meio à ridícula adesão do país à OCDE, em meio à destruição do Mercosul e da integração regional, e, last but not least, em meio aos coices diplomáticos dos folclóricos chanceleres do PSDB, o governo do golpe cava o buraco onde será enterrada a soberania do Brasil"

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Noruega humilha Temer e corta em 50% fundo contra desmatamento


O ministro do Meio Ambiente da Noruega, Vidar Helgesen, país que é o maior contribuinte do Fundo de Preservação da Amazônia, anunciou nesta quinta-feira 22, enquanto Michel Temer está no país, o corte pela metade dos recursos destinados à preservação por conta do crescimento do desmatamento na região.

O corte chega a cerca de 500 milhões de coroas norueguesas (R$ 196 milhões); sem ter o que mostrar, o ministro do Meio Ambiente do Brasil, Sarney Filho, disse que "somente Deus pode garantir a redução do desmatamento" no país.

De goleada, Supremo mantém delação da JBS e relatoria com Fachin


Plenário do Supremo Tribunal Federal já tem maioria para manter a validade das delações premiadas da JBS, homologadas pelo ministro Edson Fachin.

Ministros Luís Barroso, Alexandre de Moraes Rosa Weber, Luiz Fux e Dias Toffoli, além de Edson Fachin e Alexandre de Moraes, que votaram nessa quarta-feira, 21, se manifestaram a favor da manutenção de Fachin como relator das delações.

Ricardo Lewandowski proferiu seu voto e também foi favorável a que Edson Fachin mantenha a condução das investigações.

A presidente do STF, Cármen Lúcia, suspendeu o julgamento, que deve ser retomado na próxima quarta-feira, 28.

Faltam os votos dos ministros Gilmar Mendes, Marco Aurélio, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Chefe das Forças armadas condena entreguismo do governo Temer


Na Comissão de Relações Exteriores do Senado, o comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, diz que potencial de riquezas da Amazônia é estimado em US$ 23 trilhões.

Ele se diz contrário à venda de terras a estrangeiros e vê com preocupação a exploração de minérios na região.

"Se fôssemos um país pequeno, poderíamos nos agregar a um projeto de desenvolvimento de um outro país. Como ocorre com muitos. Mas o Brasil não pode fazer isso, não temos outra alternativa a não ser sermos uma potência", diz Villas Bôas.

O general voltou a descartar qualquer possibilidade de intervenção na democracia brasileira.

Fachin libera inquérito e Janot tem cinco dias para denunciar Temer


Carimbado como corrupto pela Polícia Federal e apontado como chefe da "maior e mais perigosa" organização criminosa do País pelo empresário Joesley Batista, Michel Temer deverá ser denunciado dentro de cinco dias úteis pelo procurador-geral Rodrigo Janot.

Isso porque o ministro Edson Fachin, confirmado nesta quinta-feira como relator da Lava Jato, liberou para o Ministério Público o inquérito sobre o caso, abrindo o prazo para a apresentação da denúncia.

Temer deverá ser denunciado por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução judicial.

Desde o estouro do caso JBS, sua aprovação, que já era baixa foi a quase zero – hoje, ele é aprovado por apenas 2% dos brasileiros.

Denúncia da PGR pode sacramentar o fim do golpe que quebrou e desmoralizou o Brasil.

Moro quis evitar que documento que prova que a Caixa tem triplex como garantia viesse a tona

Documentos registrados em cartório de Salvador comprovam que o triplex e outros imóveis do condomínio Solaris foram cedidos pela OAS para a Caixa Econômica Federal.

"Fizemos pedidos na ação do tríplex para que fossem exibidos os contratos das debêntures, negados pelo juiz. Tivemos que procurar. Achamos", disse o advogado Cristiano Zanin em sua conta no Twitter.

Paulo Moreira Leite comentou o caso em entrevista ao Jornalistas Livres.

Moro atropela lei brasileira para atender pedido da polícia dos EUA


Juiz Sergio Moro determinou em 2007 a criação de RG e CPF falsos e a abertura de uma conta bancária secreta para uso de um agente policial norte-americano, em investigação conjunta com a Polícia Federal do Brasil.

No decorrer da operação, um brasileiro investigado nos EUA chegou a fazer uma remessa ilegal de US$ 100 mil para a conta falsa aberta no Banco do Brasil, induzido pelo agente estrangeiro infiltrado.

Barroso insinua que Gilmar quer anular a delação da JBS


O ministro Luís Roberto Barroso se irritou na sessão desta quinta-feira 22 durante o julgamento que discute os limites de atuação do relator na homologação de acordos de delação premiada celebrados com o Ministério Público, como o da JBS.

Barroso já havia votado para manter o ministro Edson Fachin como relator e para que não haja revisão ou interferência nas regras atuais.

Num embate com Gilmar Mendes, que discordava dele, disse: "Todo mundo sabe o que se quer fazer lá na frente. Eu não quero". Gilmar retrucou, pedindo "respeito ao voto dos colegas".

Delações da JBS atingem diretamente Michel Temer e o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG).

PSB desembarca de vez, pede renúncia de Temer e diretas já

Embora tenha apoiado o golpe parlamentar contra a presidente Dilma Rousseff, o PSB deixará claro nesta quinta-feira, 22, que Michel Temer não tem mais condições de governar o país.

Em programa partidário de 10 minutos que será exibido nesta noite em cadeia nacional de rádio e televisão, o PSB reforçara sua posição contra as reformas trabalhista e da Previdência e pede a renúncia de Temer com a escolha de seu substituto por eleições diretas.

"Fomos a favor das eleições diretas em 1984 para acabar com a ditadura. Agora somos a favor das Diretas Já para impedir que as interferências do poder econômico continuem valendo mais do que a vontade da população e ditando os rumos do país", diz o programa.

Lula diz vai até as últimas consequências para provar sua inocência


Ex-presidente disse em entrevista já ter provado sua inocência, e que espera agora que "provem minha culpa": "Não vou permitir que os meninos da Lava Jato tentem prejudicar uma pessoa que construiu sua história por 50 anos. Eles mexeram com a pessoa errada", disse à Rádio Brasil Atual.

Lula comentou ainda que o Brasil está "injuriado perante ao mundo. O presidente não é respeitado na Rússia, não é convidado para nada"; "As pessoas que mentiram para o Brasil, que disseram que o problema era a Dilma e promoveram um impeachment, estão deixando o País pior do que estava. Agora, quem massacrava o PT como o partido mais corrupto está com vergonha. O Aécio então desapareceu", disse.

Ele lembrou também que o índice de ótimo/bom de Temer hoje nas pesquisas (2%) é o que ele tinha de ruim/péssimo quando deixou o governo (3%).

quarta-feira, 21 de junho de 2017

STF tem saída honrosa: anular o golpe e devolver o mandato a Dilma


Agora que ficou mais do que provado que o impeachment foi uma conspiração de políticos corruptos para derrubar uma presidente honesta e frear a Lava Jato, o Supremo Tribunal Federal ainda tem a chance de se redimir, anulando o golpe de 2016.

Nesta quarta-feira 21, em Brasília, um grupo de manifestantes de vários partidos, sindicatos e associações defendeu essa saída honrosa para o País.

Antes de ser deposta, Dilma assumiu o compromisso de convocar eleições diretas – o desejo de 87% dos brasileiros.

Gilmar tenta derrubar delações da JBS


Ministro Gilmar Mendes questiona em sessão do STF nesta quarta-feira 21 se acordos "flagrantemente ilegais" podem ser homologados, seja monocraticamente, seja pelo plenário.

O relator da Lava Jato na Corte, Edson Fachin vai vencendo o julgamento para que o Supremo tenha prerrogativa de homologar os acordos, mas Gilmar já entrou em ação.

Fachin votou mais cedo contra a revisão dos termos do acordo de delação premiada da JBS e pela sua permanência na relatoria das delações da empresa. Ele foi acompanhado pelo ministro Alexandre de Moraes.

As delações atingiram diretamente Michel Temer e Aécio Neves.

Pesquisa revela: 2% dos brasileiros aprovam o governo Temer e 87% querem Diretas Já


Pesquisa divulgada pelo site Poder360 revela que Michel Temer virou margem de erro: apenas 2% consideram seu governo positivo, enquanto 75% o rejeitam (aumento de 10 pontos percentuais em relação à pesquisa de maio); 79% dos entrevistados desejam a renúncia ou a cassação do peemedebista.

Em caso de queda de Temer, 87% dos brasileiros querem escolher o próximo presidente. Eleições indiretas, ou seja, por meio do Congresso Nacional, é a preferência de apenas 4%.

Temer pediu a Joesley que contrastasse Yunes por R$ 50 milhões


Empresário Joesley Batista fez mais uma acusação contra Michel Temer em depoimento à Polícia Federal.

Segundo o dono da JBS, Temer tentou colocar seu melhor amigo e ex-assessor no Planalto, o advogado José Yunes, para defender o grupo J&F em uma disputa judicial. A negociação renderia R$ 50 milhões ao escritório de advocacia de Yunes.

O acordo, segundo afirmou Joesley em sua delação premiada, acabou não indo adiante e quem ficou responsável pela ação judicial foi Francisco de Assis, do departamento jurídico do grupo, também delator.

Temer tenta quebrar Joesley, que o chamou de chefe de quadrilha


A Advocacia-Geral da União, comandada por Grace Mendonça, e subordinada ao Palácio do Planalto, pediu ao Tribunal de Contas o bloqueio de R$ 850 milhões da JBS, cujo dono, Joesley Batista, acusou Michel Temer de chefiar "a maior e mais poderosa organização criminosa do País".

Desde a denúncia, o governo federal tem mobilizado todo o aparato estatal para perseguir e tentar quebrar a JBS, com ações que já envolveram a Caixa e a Petrobras.

Funaro prova que Geddel tentou pressioná-lo sobre delação


Operador Lúcio Funaro entregou à polícia os registros de ligações feitas pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima à sua mulher, Raquel, por meio do aplicativo WhatsApp.

Falando em nome de Temer, Geddel queria saber o andamento da delação premiada que Funaro negociava com os procuradores da Lava Jato.

Joesley: Temer pressionou BNDES em favor da JBS


Joesley Batista, da JBS, fez mais uma acusação contra Michel Temer. O empresário disse em depoimento que soube, através do ex-ministro Geddel Vieira Lima, de que Temer teria chamado a então presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Maria Silvia Bastos, para pressioná-la a atender a um pedido da JBS.

De acordo com o empresário, Temer teria pedido a Maria Silvia que não vetasse uma reestruturação societária da JBS no exterior.

A data desse encontro não foi informada. Maria Silvia Bastos deixou o comando do BNDES no mês passado alegando razões pessoais, mas, fontes ligadas ao banco dizem ela decidiu pedir demissão porque sofria pressão de empresários para liberar créditos.

Mídia russa ignora a presença de Temer


Michel Temer não foi sequer notado em sua primeira viagem internacional na condição de presidente da República do Brasil.

O canal de notícias RT, que é controlado pelo governo russo, não noticiou a chegada de Temer ao país nem o seminário de investimentos promovido pelo governo brasileiro, que foi também um fracasso.

O único presidente de empresa confirmado era o representante da filial brasileira da Weg.

Nesta quarta-feira, Temer terá um encontro protocolar com Vladmir Putin.

Temer mantém Brasil refém do seu medo de ser preso


"Para não ser preso, Temer mantém o Brasil refém do seu medo", escreve o articulista Laurez Cerqueira.

"O governo paralisado, a economia afundando ainda mais na recessão, com perda de mais de 10%, o desemprego estrutural se alastrando, com 14,7 milhões de desempregados, a soberania nacional se dissolvendo com a entrega de tecnologias, informações estratégicas a estrangeiros". 

"As relações perigosas do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, General Sérgio Etchegoyen, com a CIA, em episódio recente revelado em reportagem do The New York Times, a fome voltando nas regiões mais pobres do país, com previsão para este ano de cerca de 3,6 milhões de pessoas jogadas abaixo da linha da pobreza, segundo estudo do Banco Mundial".

Por outro lado, "os ratos estão saqueando os cofres e o patrimônio públicos, enquanto isso os ministros do Supremo Tribunal Federal estão envoltos em suas capas pretas a olhar a Praça dos Três Poderes e a Esplanada dos Ministérios, talvez alheios à gravidade da situação do país, como quem olha, do alto, uma paisagem com tudo no seu devido lugar", enumera.

Nova prova liquida a denúncia do triplex


"Enquanto se aguarda, a qualquer momento, pela sentença de Sérgio Moro sobre a denúncia do triplex, defesa mostra documento que prova que o apartamento não pertence a Lula", escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247". 

"Um 'contrato de 'cessão fiduciária de direitos creditórios', negociado entre a OAS e a Caixa, mostra que o apartamento 164-A é propriedade da empreiteira, que deverá depositar os recursos obtidos com sua venda numa conta da estatal." 

Descoberto pelos advogados de Lula num cartório de Salvador, o contrato mostra o caráter insólito da investigação, onde a defesa é obrigada a encontrar provas da inocência de seu cliente – quando o Direito ensina que cabe à acusação provar o que diz.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Homem da mala de Temer usou jatinho da FAB para receber propina


Registros da Câmara mostram que o gabinete do então deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) emitiu uma passagem de Brasília a São Paulo no dia 27 de abril deste ano, por R$ 1.416,79.

Mas Rocha Loures acabou indo a São Paulo no jatinho da Força Aérea Brasileira (FAB), de carona com o ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, como está registrado tanto no inquérito como nas planilhas oficiais da FAB.

No dia seguinte ele foi filmado pela Polícia Federal recebendo uma mala com R$ 500 mil em propina da JBS, cujo destinatário seria Michel Temer.

Gleisi: se Temer estava aí para fazer reformas, não serve mais para nada

Senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, afirmou nesta terça-feira, 20, que a rejeição da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais do Senado é mais uma prova de que o governo de Michel Temer não se sustenta mais.

"Conseguimos tirar votos da base. Acho que acaba o governo Temer. Se Temer era para fazer as reformas, vai fazer o que agora? Mesmo que ainda tenha a CCJ, essa votação [na CAS] foi a mais forte do processo que tivemos. É uma vitória da mobilização que tivemos", disse.

A senadora defende que o projeto, que está previsto para ser lido na CCJ do Senado nesta quarta-feira, 21, não tenha mais sequência na Casa.

Supremo solta irmã, primo e adia julgamento de Aécio


A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (20) converter a prisão preventiva de Andrea Neves, irmã do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), em prisão domiciliar, com monitoramento por tornozeleira eletrônica.

Com os votos dos ministros Marco Aurélio Mello, Alexandre de Moraes e Luiz Fux, os ministros também decidiram que Frederico Pacheco, primo de Aécio, passe à prisão domiciliar com medidas cautelares.

Na mesma sessão, os ministros adiaram o julgamento do pedido de prisão preventiva de Aécio, que ainda não tem data para voltar ao pleno da 1ª Turma.

A decisão que beneficiou Andrea e Frederico foi tomada pela Corte no julgamento do ex-assessor do senador Zeze Perrella, Mendherson Souza Lima.

Funaro diz que Temer o mandou pagar propina a Moreira Franco e Geddel


Em depoimento à Polícia Federal, o corretor financeiro Lúcio Funaro afirmou que recebeu orientação de Michel Temer para arrecadar propina em operações no FI-FGTS.

Funaro disse que pagou uma "comissão" ao ministro Moreira Franco, um dos principais aliados de Temer.

O doleiro revelou também que pagou, em espécie, R$ 20 milhões para o ex-ministro Geddel Vieira Lima, em "comissões" por liberações de crédito a empresas do grupo J&F.

Geddel era então vice-presidente de pessoa jurídica da Caixa Econômica e o grupo J&F, segundo Funaro, "tinha interesse em obter linhas de créditos junto a esta instituição".

Derrota do golpe: Senado rejeita relatório da Reforma Trabalhista


Em uma reunião tensa, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado rejeitou, por 10 votos a 9, o texto principal da reforma trabalhista.

Com a rejeição do relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), o voto em separado apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS) foi aprovado por unanimidade e segue agora para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Rejeição foi uma grande derrota para o governo Temer, que se afunda em uma grave crise, e agora sequer tem legitimidade para aprovar as reformas que prometeu ao mercado.

O governador Alckmin, PSDB/SP comprou 6 mil metralhadoras estragadas


O governo de São Paulo, comandado pelo tucano Geraldo Alckmin, gastou cerca de R$ 30 milhões para comprar quase 6.000 submetralhadoras Taurus que, depois de cinco anos, ainda permanecem dentro de caixas, sem uso.

O armamento, que deveria reforças o combate ao crime em SP, foi vetado por ter problemas considerados graves e incorrigíveis, "como fissuras e rompimento de canos".

Esse tipo de falha pode, segundo especialistas, levar à explosão da arma e provocar ferimentos no atirador.

Fux sobre prisão de parlamentares: imunidade não pode ser impunidade


Na véspera do julgamento no Supremo do pedido de prisão de Aécio Neves, o ministro Luiz Fux afirmou que prerrogativas como a impossibilidade de prender um parlamentar, a não ser em flagrante, não podem se transformar em "regras de impunidade".

"Todas as regras que criam prerrogativas são regras de imunidade, mas não podem ser regras de impunidade", disse o magistrado, que evitou comentar o caso concreto de Aécio.

Temer veta redução de áreas de preservação, mas é criticado por ambientalistas


O veto de Michel Temer às medidas provisórias 756 e 758 que previam a redução de limites da Floresta Nacional de Jamanxim e do Parque Nacional de Jamanxim, áreas de preservação no Oeste do Pará foi criticado por ambientalistas.

Para o especialista em Políticas Públicas da WWF-Brasil, Jaime Gesisky, a medida de Temer é um falso veto e que as áreas da Floresta Amazônica continuam em risco.

Qualquer resultado que não seja a absolvição será político, diz a defesa de Lula


Na apresentação à imprensa das alegações finais do processo em que o ex-presidente Lula é acusado de ter recebido benefícios por conta de três contratos firmados entra a OAS e a Petrobras, entre eles um triplex no Guarujá, os advogados mostraram documentos inéditos que apontam que o empreiteiro Leo Pinheiro, "jamais poderia ter prometido o apartamento a Lula em 2009 porque [a empresa] continuou tendo a disponibilidade do imóvel, usando-o para dar em garantias".

Além disso, em 2010 a OAS transferiu 100% do conteúdo econômico-financeiro do imóvel a um fundo ligado à Caixa Econômica Federal.

"O processo político já se desenvolveu de uma forma clara desde o início até hoje. Qualquer resultado que não seja a sua absolvição será um resultado político", declarou Cristiano Zanin Martins.

Fachin tira de Moro processos contra Lula e Odebrecht


Ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), tirou do juiz federal Sérgio Moro três casos contra o ex-presidente Lula que tiveram origem nas delações premiadas de executivos e ex-funcionários da Odebrecht.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestou contra a retirada dos processos de Moro, alegando que guardam relação com as investigações da Lava Jato conduzidas no Paraná.

"Assim, do cotejo das razões recursais com os depoimentos prestados pelos colaboradores não constato, realmente, relação dos fatos com a operação de repercussão nacional que tramita perante a Seção Judiciária do Paraná", disse Fachin em sua decisão.

Simão questiona: é hoje que vão comer o Aécio?


Em sua coluna nesta terça, José Simão ironiza o julgamento do pedido de prisão de Aécio Neves no STF: "E é hoje que o Aécio vai ser comido?".

A pergunta faz alusão a um comentário de Romero Jucá, gravado pelo delator Sérgio Machado.

Na ocasião, ao comentar a Lava Jato, Jucá disse que "o primeiro a ser comido" seria o Aécio.

Temer chega na Rússia e é recebido por sub do sub

Vídeo mostra que Michel Temer desembarcou em Moscou, onde foi recebido com uma cerimônia oficial, mas sem a presença do presidente russo, Vladimir Putin.

Em sua viagem de dois dias ao país, Temer será ignorado por autoridades e empresários.

Dos 180 participantes do fórum empresarial no qual o peemedebista será o protagonista, há apenas um CEO e, ainda assim, o executivo é da filial russa de uma empresa brasileira.

No campo diplomático, também não há nenhum acordo relevante previsto.

Ironicamente, Temer tem como um dos pontos principais da visita a defesa da carne brasileira, principal produto de exportação do Brasil para a Rússia.

Isso implica fazer uma defesa das empresas de Joesley Batista, que no fim de semana o acusou de ser chefe de uma organização criminosa.

O dia D de Aécio Neves, que decidiu destruir o Brasil "só para encher o saco"


O Supremo Tribunal Federal decide, nesta terça-feira, o destino do político que mais danos causou ao Brasil em toda a sua história; derrotado nas eleições presidenciais de 2014, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) não aceitou a derrota, agiu como uma criança mimada e decidiu se associar a um notório corrupto, o então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para golpear a democracia brasileira.

Nessa aliança funesta, Aécio liderou a farsa sobre as chamadas "pedaladas fiscais" que culminou com o golpe parlamentar de 2016.

Como consequência disso, milhões de brasileiros perderam seus empregos, a economia afundou mais de 10% e o Brasil tem hoje na presidência o governo mais corrupto de sua história, em que Aécio passou a ter papel decisivo.

A tal ponto que conseguiu pedir R$ 2 milhões em propinas à JBS em troca de nomeações na Vale.

No episódio, Aécio disse que liderou sua cruzada moralista "só para encher o saco".

A verdade de Lula


Folha, 20/06/2017

As alegações finais da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no famoso caso do "tríplex do Guarujá", que apresentamos nesta terça (20), demonstram sua inocência, que se assenta sobre prova real e palpável. A absolvição é o único resultado possível da apreciação racional, objetiva e imparcial da prova encartada aos autos. Nesta terça podemos apontar o real dono do imóvel.

O apartamento 164 A, do edifício Solaris, está em nome da OAS Empreendimentos S/A, mas, desde 2010, quem detém 100% dos direitos econômico-financeiros sobre o imóvel é um fundo gerido pela Caixa Econômica Federal. Nada vincula Lula ao imóvel, onde esteve uma única vez, em 2014, como potencial interessado em sua aquisição. Jamais teve as chaves, o uso, gozo ou disposição da propriedade.

Prova da anomalia jurídica que envolve esse caso, em que a presunção de inocência é solenemente violada, foi a defesa que investigou os fatos, destrinchando, após diligências em vários locais do país, essa operação imobiliária executada pela construtora. O resultado afasta a hipótese da acusação.

É inverossímil a conexão entre o ex-presidente e as supostas vantagens ilegais advindas de contratos firmados entre a OAS S/A e a Petrobras. O Ministério Público Federal não fez a prova de culpa que lhe cabia.

Ao depor ao juízo da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba e omitir a cessão integral dos direitos econômicos do tríplex, Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, produziu uma farsa para negociar benefícios penais com a acusação. O que o réu admitiu foi uma realidade pré-fabricada. A mentira tinha o objetivo de incriminar Lula e fazer vicejar a fábula do "caixa geral de propinas", ficção contábil sem lastro nos fatos.

Criou-se um "contexto" de "macrocorrupção" com um "comandante" como forma de amplificar o foco de corrupção apurado em 2014, mas o MPF não "seguiu o caminho do dinheiro" pela impossibilidade de provar sua tese.

A ficção é produto de desconhecimento do organograma federal e do complexo sistema de controle interno e externo da Petrobras, incluindo a fiscalização da CGU de Jorge Hage. Como se fosse possível a Lula e a aliados corromper uma estrutura composta por milhares de pessoas, ignorando, ainda, que a Petrobras atende exigências de leis internacionais, como a da Sarbanes-Oxley (SOX), dos EUA, além das fiscalizações internas a que está submetida, como depôs o executivo Fábio Barbosa.

A tese da "propinocracia" nem cabe nos autos. A usurpação da competência pelos procuradores de Curitiba é uma afronta ao Supremo Tribunal Federal.

Esse é um julgamento político com verniz jurídico, um autêntico "trial by mídia", sob a égide de violações e ilegalidades. O inquérito, instaurado em 22/7/2016, tramitou de forma sigilosa até dois dias antes do indiciamento, a despeito dos pedidos de acesso da defesa. O cerceamento sempre esteve presente. A acusação que o MPF imputou a Lula abusou de hipóteses, para atingir sua inconteste liderança política.

O "enredo Lula" foi transformado em "produto comercial", que hoje vende de filmes a palestras em eventos até de cirurgia plástica, como a que fez o procurador Deltan Dallagnol, defensor da teoria "explacionista" e expositor do polêmico Power Point sobre a peça acusatória inaugural em 14/9/2016.

Quanto ao acervo presidencial não há qualquer conduta imputada a Lula na denúncia, buscando-se atribuir a ele responsabilidade penal objetiva incompatível com o Estado de Direito. Como os bens, embora privados, integram o patrimônio cultural brasileiro, segundo expressa disposição legal, o próprio ordenamento jurídico estimula o auxílio de entidades públicas e privadas na sua manutenção.

Se o inquérito inicial tivesse sido conduzido de forma correta e sem verdades pré-estabelecidas, o dono do tríplex teria sido identificado na origem, evitando gastos públicos com um processo descabido, além de proteger as reputações envolvidas. Optou-se por repetir à exaustão a mentira. A explicação para tamanha violação está no "lawfare", que busca propiciar meios para a inelegibilidade de Lula. O objetivo é destruir os 40 anos de vida pública desse trabalhador, que governou o Brasil e foi reconhecido mundialmente por liderar o maior combate à pobreza já visto.

CRISTIANO ZANIN MARTINS, advogado de Lula, especialista em direito processual civil pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, é sócio do escritório Teixeira, Martins & Advogados

VALESKA TEIXEIRA MARTINS, advogada de Lula, é membro efetivo da comissão de direito aeronáutico da OAB de São Paulo e sócia do escritório Teixeira, Martins & Advogados

Aragão: Dallagnol vende Lava Jato para "voyeurs moralistas"

Deltan virou menino-propaganda da Operação? Coisa feia!

Conversa Afiada, 19/06/2017

O Conversa Afiada reproduz artigo do ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão:

Sobre palestras e a apropriação do público pelo privado.Eugênio José Guilherme de Aragão


Credores têm melhor memória do que devedores   (Benjamin Franklin).

Prezado ex-colega Deltan Dallagnol,

Primeiramente digo "ex", porque apesar de dizerem ser vitalício, o cargo de membro do ministério público, aposentei-me para não ter que manter relação de coleguismo atual com quem reputo ser uma catástrofe para o Brasil e sobretudo para o sofrido povo brasileiro. Sim, aposentado, considero-me "ex-membro" e só me interessam os assuntos domésticos do MPF na justa medida em que interferem com a política nacional. Pode deixar que não votarei no rol de malfeitores da república que vocês pretendem indicar, no lugar de quem deveria ser eleito para tanto (Temer não o foi), para o cargo de PGR.

Mas, vamos ao que interessa: seu mais recente vexame como menino-propaganda da entidade para-constitucional "Lava Jato". Coisa feia, hein? Se oferecer a dar palestras por cachês! Essa para mim é novíssima. Você, então, se apropriou de objeto de seu trabalho funcional, esse monstrengo conhecido por "Operação Lava Jato", uma novela sem fim que já vai para seu infinitésimo capítulo, para dele fazer dinheiro? É o que se diz num sítio eletrônico de venda de conferencistas. Se não for verdade, é bom processar os responsáveis pelo anúncio, porque a notícia, se não beira a calúnia é, no mínimo, difamatória. Como funcionário público que você é, reputação é um ativo imprescindível, sobretudo para quem fica jogando lama "circunstancializada" nos outros, pois, em suas acusações, quase sempre as circunstâncias parecem mais fortes que os fatos. E, aqui, as circunstâncias, o conjunto da obra, não lhe é nada favorável.

Sempre achei isso muito curioso. Muitos membros do Ministério Público não se medem com o mesmo rigor com que medem os outros. Quando fui corregedor-geral só havia absolvições no Conselho Superior. Nunca punições. E os conselheiros ou as conselheiras mais lenientes com os colegas eram implacáveis com os estranhos à corporação, daquele tipo que acha que parecer favorável ao paciente em habeas corpus não é de bom tom para um procurador. Ferrabrás para fora e generosos para dentro.

Você também se mostra assim. Além de comprar imóvel do programa "Minha Casa Minha Vida" para especular, agora vende seu conhecimento de insider para um público de voyeurs moralistas da desgraça alheia. É claro que seu sucesso no show business se dá porque é membro do Ministério Público, promovendo sua atuação como se mercadoria fosse. Um detalhe parece que lhe passou talvez desapercebido: como funcionário público, lhe é vedada atividade de comércio, a prática de atos de mercancia de forma regular para auferir lucro. A venda de palestras é atividade típica de comerciante. Você poderia até, para lhe facilitar a tributação, abrir uma M.E., não fosse a proibição categórica.

E onde estão os órgãos disciplinares? Não venha com esse papo de que está criando um fundo privado para custear a atividade pública de repressão à corrupção. Li a respeito dessa versão a si atribuída na coluna do Nassif. A desculpa parece tão abstrusa quanto àquela do Clinton, de que fumou maconha mas não tragou. Desde quando a um funcionário é lícita a atividade lucrativa para custear a administração? Coisa de doido! É típica de quem não separa o público do privado. Um agente patrimonialista par excellence, foi nisso que você se converteu. E o mais cômico é que você é o acusador-mor daqueles a quem atribui a apropriação privada da coisa pública. No caso deles, é corrupção; no seu, é virtude. É difícil entender essa equação.

Todo cuidado com os moralistas é pouco. Em geral são aqueles que adoram falar do rabo alheio, mas não enxergam o próprio. Para Lula, não interessa que nunca foi dono do triplex que você qualifica como peita. Mas a propaganda, em seu nome, de que se vende regularmente, como procurador responsável pela "Lava Jato", por trinta a quarenta mil reais por palestra, foi feita de forma desautorizada e o din-din que por ventura rolou foi para as boas causas. Aham! 

Que batom na cueca, Deltan! Talvez você crie um pouco de vergonha na cara e se dê por impedido nessa operação arrasa a jato. Afinal, por muito menos uma jurada ("Schöffin") foi recentemente excluída de um julgamento de um crime praticado pelo búlgaro Swetoslaw S. em Frankfurt, porque opinara negativamente sobre crimes de imigrantes no seu perfil de Facebook (http://m.spiegel.de/panorama/justiz/a-1152317.html “>http://m.spiegel.de/panorama/justiz/a-1152317.html). Imagine se a tal jurada vendesse palestras para falar disso! O céu viria abaixo!

Mas é assim que as coisas se dão em democracias civilizadas. Aqui, em Pindorama, um procuradorzinho de piso não vê nada de mais em tuitar, feicebucar, palestrar e dar entrevistas sobre suas opiniões nos casos sob sua atribuição. E ainda ganha dinheiro com isso, dizendo que é para reforçar o orçamento de seu órgão. Que a mercadoria vendida, na verdade, é a reputação daqueles que gozam da garantia de presunção de inocência é irrelevante, não é? Afinal, já estão condenados por força de PowerPoint transitado em julgado. Durma-se com um barulho desses!

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Cheques de R$ 500 mil da OAS e da JBS passaram pela conta de Temer


A Globonews noticiou nesta segunda-feira 19 ter tido acesso a cópias de cheques de R$ 500 mil das empresas OAS e JBS que passaram pela conta de Michel Temer durante a campanha presidencial de 2014.

Um dos cheques financiou a campanha de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) ao governo do Rio Grande do Norte e é fruto de propina, segundo a Polícia Federal.

Temer viaja para sair do noticiário policial


"Somente um mandatário irresponsável seria capaz de, em meio a uma enorme crise econômica, política e social e às vésperas de importantes decisões na área judicial tirar uma semana de férias para fazer duas visitas sem nenhuma importância, uma à Rússia, outra à Noruega, com o dinheiro dos brasileiros", critica Alex Solnik, para quem "a viagem não serve para nada, a não ser tirá-lo do foco da Lava Jato e de outras operações da Polícia Federal".

O jornalista destaca que, com a viagem de Temer, "os jornais vão ser obrigados a falar, esta semana, de seu encontro com Putin e não da mala do Rocha Loures".

Polícia Federal conclui Michel Temer é corrupto


Relatório preliminar da Polícia Federal enviado nesta segunda-feira 19 ao STF revela caso inédito na história do Brasil.

De acordo com o documento, Michel Temer cometeu o crime de corrupção passiva na condição de presidente da República.

No diálogo gravado entre Temer e Joesley Batista, da JBS, de acordo com a Procuradoria-Geral da República, Temer teria dado aval a Batista para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e também indicado seu ex-assessor e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) como intermediário dos interesses do grupo empresarial junto ao governo.

Loures foi flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil em propinas – dinheiro que, segundo a JBS, era destinado a Temer.

A PF não se manifestou ainda sobre o crime de obstrução à Justiça, pois aguarda a conclusão da perícia do áudio, e pediu mais prazo para conclusão do relatório.

Agora, não é só o empresário Joesley Batista quem chama Temer de corrupto.

Etchegoyem se reuniu com chefe da Cia e entregou identidade de agente


Governo de Michel Temer comete mais uma lambança: no dia 9 de junho, o ministro Sergio Etchegoyen, chefe do Gabinete da Segurança Institucional, se encontrou com o chefe da CIA no Brasil, Duyane Norman.

Em sua agenda oficial, a equipe do ministro divulgou a identidade secreta do agente, que nem ele próprio revelava.

No entanto, a grande questão é: o que o governo brasileiro, fruto de um golpe parlamentar, discutiu com o chefe da agência de espionagem dos Estados Unidos?

PT pedirá na justiça que Dallagnol revele clientes de suas palestras


Deputados Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Pimenta (PT-RS) apresentarão ao Conselho Nacional do Ministério Público um pedido de informações sobre a alegação de contrato de confidencialidade feita pelo procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, para não revelar quanto cobra por palestra e a identidade de seus clientes.

"Não existe juiz e promotor alegar cláusula de confidencialidade. Isso não existe no serviço público", argumentou Pimenta.

Após polêmica de que suas palestras custam entre R$ 30 mil e R$ 40 mil, de acordo com o site de uma empresa que o agencia, Dallagnol disse estar montando um fundo de combate à corrupção com parte do dinheiro recebido.

Temer fica mais forte porque perde a vergonha, diz Rocha de Barros


"Desde que as denúncias começaram, Temer não só não caiu como foi absolvido por Gilmar no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Agora torce para que as denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República) cheguem logo à Câmara para que Rodrigo Maia as mate no peito. Na verdade, o governo Temer parece ter ficado mais forte à medida que perdeu a vergonha", disse Celso Rocha de Barros, que avalia que denúncias como as que atingiram o peemedebista teriam derrubado FHC, Lula e Dilma.

domingo, 18 de junho de 2017

Briga de Temer e Joesley não pode ser apartada

Josias de Souza, 18/06/2017

O presidente da República e o dono da JBS decidiram trocar insultos na frente das crianças. Joesley Batista disse que Temer é “o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil”. Em resposta, Temer declarou que Joesley é “o bandido notório de maior sucesso na história brasileira.” Atônita, a platéia observa o espetáculo em silêncio. Não convém discutir com peritos no assunto, pois ambos podem ter razão.

Muita gente está preocupada em Brasília com com os desdobramentos políticos do arranca-rabo. A turma do deixa-disso ameaça entrar em cena. A interrupção da desavença é o pior que poderia acontecer. A multidão vaiaria. E talvez gritasse, em uníssono: “Tem que manter isso, viu?”

Arranca-rabo nascido de um encontro fraternal do “chefe da quadrilha” com o “bandido notório” no escurindo do Palácio do Jaburu é um tipo de briga que pede para não ser apartada. Há um enorme interesse dos brasileiros pela continuidade do rififi. Estão todos ávidos para saber até onde os contendores permitirão que o melado escorra.

O espetáculo ficaria muito melhor se Lula e Aécio Neves —que Joesley acusa, respectivamente, de ter “institucionalizado a corrupção” e de ser “tão corrupto quanto os outros”— entrassem na confusão com a mesma disposição de cuspir fogo exibida por Temer.

As crianças na faixa etária de 5 a 90 anos ficariam esacandalizadas. Mas uma briga generalizada talvez ajudasse a esclarecer esse estranho período da história brasileira em que um governo em decomposição do PT foi substituído por uma administração podre do PMDB e a alternativa a ambos, representada pelo PSDB, não consegue demonstrar a diferença entre tucanos e protozoários.